BUSTANI, José Maurício

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BUSTANI, José Maurício
Nome Completo: BUSTANI, José Maurício

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
FRAGOSO, JOÃO CARLOS

BUSTANI, José Maurício

*diplomata; emb. Bras. Inglaterra 2003-2008; emb. Bras. França 2008-

 

José Maurício Bustani nasceu em Porto Velho no dia 5 de junho de 1945, filho de Maurício José Bustani e Guajá de Figueiredo Bustani.

Ingressou no curso de preparação à carreira de diplomata do Instituto Rio Branco em 1966, sendo nomeado terceiro-secretário em novembro de 1967. No mesmo ano, assumiu o posto de assistente na Secretaria-Geral para Organismos Internacionais. Em 1970, foi enviado para a embaixada em Moscou e, em 10 de novembro, foi promovido a segundo-secretário. Em 1973, foi transferido para a embaixada em Viena, sendo nomeado assistente do Departamento de Organismos Internacionais dois anos depois.

Em dezembro de 1976, foi promovido a primeiro-secretário e assumiu no ano seguinte posto em missão junto à ONU, em Nova Iorque. Em dezembro de 1979, foi promovido a conselheiro. Retornou ao Brasil em 1981, quando realizou o curso de altos estudos do Instituto Rio Branco e escreveu A pesquisa científica de Genebra a Caracas, uma ciência sob suspeita.

Em junho de 1983, foi promovido a ministro de segunda classe e no ano seguinte tornou-se ministro-conselheiro na embaixada brasileira em Montevidéu. Em 1987, foi removido para Montreal, onde atuou como cônsul-geral. Em 1992, assumiu a chefia do Departamento de Política Tecnológica, Financeira e de Desenvolvimento do Ministério das Relações Exteriores e, posteriormente, tornou-se diretor-geral do Departamento de Organismos Internacionais.

Ministro de primeira classe em junho de 1995, dois anos depois licenciou-se do Imatarati por ter sido eleito primeiro diretor-geral da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ). Esta era uma organização internacional independente afiliada à ONU, criada naquele ano e sediada na Holanda, com o objetivo de implementar a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Armazenagem, Produção e Uso de Armas Químicas e sua Destruição. Reeleito em 2000, por unanimidade, deixou o cargo em abril de 2002. Segundo a revista Veja, sua saída deveu-se a pressões do governo norte-americano, que em março daquele ano propôs, na reunião do conselho executivo do órgão, uma moção de não-confiança visando a retirada do diplomata brasileiro. Como não conseguiram os votos necessários, defenderam a ideia de uma conferência especial para tratar do assunto. No final de abril, Bustani acabou saindo com 48 votos a favor de sua demissão, sete contra e 43 abstenções. Após sua destituição, Bustani ocupou provisoriamente o posto de cônsul-geral do Brasil em Londres.

Ainda em 2002, publicou o artigo O Brasil e a OPAQ: diplomacia e defesa do sistema multilateral sob ataque, em Estudos Avançados.

Em 2003, tornou-se embaixador do Brasil na Inglaterra e em 2008 passou a chefiar a representação diplomática brasileira em Paris.

 

FONTE: MIN. REL. EXT. Anuário (2008); veja.abril.com.br/010502/entrevista.html - 65k

estadao.com.br/arquivo/.../2003/not20030112p24530.htm -

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados