CAIO SERGIO POMPEU DE TOLEDO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: TOLEDO, Caio Pompeu de
Nome Completo: CAIO SERGIO POMPEU DE TOLEDO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
TOLEDO, CAIO POMPEU DE

TOLEDO, Caio Pompeu de

*dep. fed. SP 1978-1983, 1987-1991; const. 1987-1988.

 

Caio Sérgio Pompeu de Toledo nasceu em São Paulo no dia 3 de maio de 1943, filho de Diderot Pompeu de Toledo e de Susana de Abreu Sampaio Pompeu de Toledo.

Bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais pela Universidade de São Paulo (USP) e em economia, sociologia e política na Universidade de Harvard (EUA).

Em 1966, foi diretor da divisão de relações públicas da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. Em novembro, elegeu-se vereador em São Paulo na legenda da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação ao regime militar instaurado no país em abril de 1964, sendo empossado em fevereiro de 1967.

Nas eleições de novembro de 1970 foi eleito deputado estadual, tomando posse em fevereiro do ano seguinte. Em 1972 fez uma viagem de estudos ao Japão a convite do governo japonês. Assistente técnico da prefeitura paulistana em 1974, deixou a Assembléia Legislativa no ano seguinte. De 1975 a 1978, foi secretário municipal de Esportes na gestão de Olavo Setúbal.

No pleito de novembro de 1978, Pompeu de Toledo concorreu a uma vaga na Câmara dos Deputados. Eleito, foi empossado em fevereiro seguinte. Nessa legislatura tornou-se membro da Comissão de Educação e Cultura e suplente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. Nesse período, concordando com uma polêmica declaração de Pelé, afirmou que o brasileiro não sabia votar, tendo também discordado da realização de eleições diretas para a presidência da República devido à suposta incapacidade do povo de escolher seus dirigentes.

Em 1979, apontado como um dos fundadores do Comando de Caça aos Comunistas (CCC) em São Paulo, Pompeu de Toledo negou seu envolvimento com a organização, tendo na ocasião defendido o pluripartidarismo e a legalização do Partido Comunista Brasileiro (PCB). Com a extinção do bipartidarismo em novembro desse ano e a conseqüente reorganização partidária, ingressou no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), agremiação que deu continuidade ao extinto MDB. Entretanto, deixou o PMDB e tornou-se secretário-geral do Partido Popular (PP) de São Paulo, em que permaneceu até 1980. Representando essa agremiação, foi membro titular da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre o ensino pago.

De volta às fileiras peemedebistas, em novembro de 1982 foi reeleito deputado federal, sendo empossado em fevereiro de 1983. Integrou, como membro titular, a Comissão de Fiscalização Financeira e Tomada de Contas. Nesse ano licenciou-se para ocupar o cargo de secretário de Esportes e Turismo no governo Franco Montoro (1983-1987). Em seu lugar na Câmara entrou Roberto Rolemberg. À frente dessa pasta, Pompeu de Toledo criou a Associação Paulista de Albergues da Juventude e montou dois albergues no interior do estado.

No pleito de novembro de 1986, concorreu com sucesso a uma cadeira na Assembléia Nacional Constituinte, na legenda do PMDB. Empossado em fevereiro seguinte, quando tiveram início os trabalhos da Constituinte, integrou, como membro titular, a Subcomissão da Família, do Menor e do Idoso, da Comissão da Família, da Educação, Cultura e Esportes, da Ciência e Tecnologia e da Comunicação e, como suplente, a Subcomissão do Poder Legislativo da Comissão da Organização dos Poderes e Sistema de Governo.

Apontado como integrante de um grupo de políticos de esquerda moderada, liderado pelo senador Fernando Henrique Cardoso, votou contra a limitação do direito de propriedade privada, a jornada semanal de 40 horas, o turno ininterrupto de seis horas, o voto aos 16 anos, o presidencialismo, a nacionalização do subsolo, a estatização do sistema financeiro, a limitação dos encargos da dívida externa, a criação de um fundo de apoio à reforma agrária e o mandato de cinco anos para o presidente José Sarney. Pronunciou-se a favor da unicidade sindical, da soberania popular, da anistia aos micro e pequeno empresários e do jogo do bicho. Esteve ausente das seguintes votações: rompimento de relações diplomáticas com países de orientação política racista, o mandado de segurança coletivo e a estabilidade no emprego e absteve-se nas seguintes: aviso prévio proporcional, limite de 12% ao ano para juros reais, proibição do comércio de sangue e desapropriação da propriedade produtiva. Durante essa legislatura, filiou-se ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), dissidência peemedebista criada em junho de 1988. Após a promulgação da nova Carta Constitucional em 5 de outubro de 1988, voltou a participar dos trabalhos legislativos ordinários na Câmara dos Deputados.

Não concorreu à reeleição no pleito de outubro de 1990, deixando a Câmara em janeiro do ano seguinte, ao final da legislatura.

Foi presidente nacional da Fundação JK.

Faleceu no dia 4 de junho de 1994.

Foi casado com Ana Helena Pompeu de Toledo.

Publicou Eis um problema (1968) e o livro de poesia Extempora (1974).

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1979-1983 e 1983-1987); COELHO, J. & OLIVEIRA, A Nova; Estado de S. Paulo (11/5/85); Folha de S. Paulo (13/7/85); Globo (18/11/79); Jornal do Brasil (19/11/78, 31/3/79).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados