CARDOSO SOBRINHO, JOSE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CARDOSO SOBRINHO, José
Nome Completo: CARDOSO SOBRINHO, JOSE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

CARDOSO SOBRINHO, José

*arceb. Olinda e Recife 1985-2009.

 

José Cardoso Sobrinho nasceu em Caruaru (PE) no dia 30 de junho de 1933, filho do artesão Antônio Cardoso da Silva e de Antonina de Melo Cardoso.

Desde pequeno, segundo sua mãe, queria ser padre, dividindo seu tempo entre a escola, a função de coroinha da igreja do Sagrado Coração e a fabriqueta onde ajudava o pai a fazer calçados. Em 1946, o frade alemão Ulrico convidou-o a entrar para a ordem, levando-o para estudar no convento de Goiana (PE). Destacando-se nos estudos, foi designado para estudar filosofia em São Paulo e a cursar o Seminário Maior da Província Carmelita Fluminense, em 1951. Dois anos depois foi enviado a Roma para cursar teologia no Colégio Internacional Santo Alberto. Concluiu o curso em 1957, ano em que se ordenou padre. De então a 1960 cursou direito canônico na Universidade Gregoriana, de Roma, sendo em seguida nomeado professor de direito canônico no Colégio Internacional, onde estudara. Doutorando-se em 1968 em direito civil na Universidade Luteranense, ainda em Roma, desempenhou a função de assistente-geral e procurador-geral da ordem, representando-a junto à Santa Sé.

De volta ao Brasil em 1977, radicou-se em Paracatu (MG), tornando-se dois anos mais tarde bispo da diocese, que era subordinada a Brasília por ficar muito distante de Belo Horizonte. Durante sua gestão, fundou a Rádio Juriti de Paracatu, da qual foi diretor. Seis anos depois, em abril de 1985, foi escolhido para suceder ao arcebispo de Olinda e Recife, dom Hélder Câmara. Autor da tese A opção pelo celibato, tendo como lema “A serviço de Jesus Cristo”, e enfatizando a pastoral voltada para os pobres, era identificado como integrante da ala conservadora da Igreja. A arquidiocese de Olinda e Recife, que se identificava em sua grande maioria com a linha progressista, não demonstrou entusiasmo diante de sua nomeação. Além disso, seu nome não constara nas listas da arquidiocese enviadas para o Vaticano, que havia sugerido outros nomes representativos da ala conservadora. De toda forma, no dia 15 de julho recebeu o cargo de dom Hélder, que se aposentava apenas da direção da arquidiocese, continuando a atuar como arcebispo. Pouco dias após sua posse, proibiu a lavagem da calçada da igreja do Carmo – uma tradição dos umbandistas –, ameaçando chamar a polícia.

Em agosto de 1989, dom José entrou em choque com a Comissão de Justiça e Paz, organizada por seu antecessor. Ao publicar nota na imprensa repudiando a atitude do arcebispo em relação aos posseiros do engenho Pitanga, a comissão foi proibida de se manifestar. A nota foi divulgada depois que dom José se negou a receber a comissão de posseiros e chamou a Polícia Militar para impedir sua permanência na frente da igreja. Os posseiros reivindicavam a permanência do padre escocês Tiago Toriby, afastado do engenho por ser ligado à Comissão Pastoral da Terra (CPT), considerada ilegal por dom José.

Ainda em agosto de 1989, dom José fechou o Instituto de Teologia do Recife (ITER) e o Seminário Regional do Nordeste II (Serene II). Em setembro, afastou da Comissão Pastoral da Juventude e do Meio Popular o padre Antônio Maria, sacerdote de confiança de dom Hélder. Em dezembro, destituiu a própria Comissão de Justiça e Paz da arquidiocese. Solicitou também do provincial dos franciscanos o afastamento do frei Aloísio Fragoso de duas comunidades populares – Coque e Bola na Rede. Em agosto de 1990, 57 padres publicaram documento repudiando o autoritarismo do arcebispo. Em janeiro de 1993, demitiu, durante a missa dominical, o Conselho Paroquial de Peixinhos.

Em março de 1995, dom José chegou a convocar o batalhão de choque da Polícia Militar para fechar três capelas, uma creche e um centro comunitário no morro da Conceição. Em julho do mesmo ano, a imprensa noticiou a possibilidade de sua transferência para outra arquidiocese ou seu retorno ao Vaticano, devido aos sucessivos conflitos com a ala progressista da Igreja Católica.

Em agosto de 2004, durante a celebração eucarística de encerramento das festas do padroeiro de Olinda, dom José sugeriu à prefeita Luciana Santos que se retirasse da fila da comunhão, já que pertencia a um “partido político ateu” – o Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Ao mesmo tempo, trocou sua fila com a de dom Fernando Saburido, seu bispo auxiliar.

No início de 2008, depois de consultar o arcebispo, a Congregação para a Doutrina da Fé condenou o padre Edualdo Gomes a três meses de suspensão e a uma retratação pública por ter concelebrado uma missa com bispos anglicanos. Dom José ameaçou ainda os fiéis com excomunhão caso tomassem a pílula do dia seguinte que a prefeitura do Recife iria distribuir durante o carnaval. O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, criticou a decisão da Igreja de recorrer à Justiça para barrar a medida.

No início do ano de 2009, o arcebispo mais uma vez se envolveu em polêmica. Em março, excomungou a mãe, os médicos e outros envolvidos no aborto praticado em uma menina de nove anos que corria risco de vida se a gravidez fosse levada a termo. Segundo a polícia, o padrasto da menina admitira o abuso sexual e seria o pai dos gêmeos que ela esperava. Enquanto vários setores da sociedade criticaram a decisão do arcebispo, CNBB divulgou nota condenado o aborto. Em 16 de abril, dom José recebeu o Prêmio Cardeal Von Galen, concedido pela associação católica Human Life International.

Em agosto de 2009, dom José Cardoso Sobrinho deixou a arquidiocese, após ter atingido a idade de 75 anos. Dom Fernando Saburido, que foi seu bispo auxiliar durante cinco anos, foi nomeado o novo arcebispo de Olinda e Recife pelo papa Bento XVI. Dom José mudou-se para o convento em Camocim de São Félix, no interior de Pernambuco.

Bruno Marques

atualização

 

FONTES: ARCEBISPO; ARCEBISPO excomunga; D.JOSÉ. Agência ECCLESIA.; DOM JOSÉ. pe360graus.; DOM JOSÉ. Observatório da Perseguição; Folha de S. Paulo (31/8/89 e 17/7/95); Globo (15/7/95 e 28/3/95); Igreja Nova. Disponível em : <http://www.igrejanova.jor.br>. Acesso em : 28 ago. 2009; Jornal do Brasil (11/4/85); MOTA, U. João Carlos; O BISPO; RIBEIRO, A.São outros.; ROCHA, E. Porque; Veja (13/9/89).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados