CARLOS ALBERTO DE ARAGAO VINAGRE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: VINAGRE, Carlos
Nome Completo: CARLOS ALBERTO DE ARAGAO VINAGRE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
VINAGRE, CARLOS

VINAGRE, Carlos

*dep. fed. PA 1981 e 1983-1991; const. 1987-1988.

Carlos Alberto de Aragão Vinagre nasceu no dia 25 de abril de 1934, em Belém, filho de Carlos Pereira Vinagre e de Odaléa Ximenes de Aragão Vinagre. Os antepassados Francisco Pedro e Antônio Vinagre lideraram a Cabanada, movimento pela posse da terra que teve lugar no Pará, entre 1834 e 1838.

Bacharel em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito e licenciado pela Faculdade de Filosofia, ambas da Universidade Federal do Pará, foi oficial-de-gabinete da prefeitura de Belém, de 1962 a 1963, durante o governo de Aurélio do Carmo. No ano seguinte, tornou-se promotor público do município de Maracanã (PA), cargo que ocupou até 1970. Nesse mesmo ano, elegeu-se deputado estadual na legenda do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instaurado no país em abril de 1964. No pleito de novembro de 1974, conquistou um segundo mandato na Assembléia Legislativa.

Nas eleições de novembro de 1978 concorreu a uma cadeira de deputado federal, obtendo a primeira suplência do partido. Com a extinção do bipartidarismo, em dezembro de 1979, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), e graças ao afastamento de Jáder Barbalho, para concorrer ao governo do estado, exerceu o mandato entre maio e agosto de 1981.

Em 1982, editou o Diário do Pará até novembro, quando conseguiu eleger-se para a Câmara dos Deputados, tomando posse em fevereiro do ano seguinte. Participou dos trabalhos legislativos como titular da Comissão de Agricultura e Política Rural.

Em 25 de abril de 1984 votou a favor da emenda Dante de Oliveira, que previa eleições diretas para presidente da República. Derrotada a proposição — faltaram 22 votos para que fosse elevada à apreciação do Senado — no Colégio Eleitoral, reunido em 15 de janeiro de 1985, Carlos Vinagre votou no candidato oposicionista Tancredo Neves, da Aliança Democrática, uma união do PMDB com a dissidência do Partido Democrático Social (PDS) abrigada na Frente Liberal. Doente, Tancredo não chegou a ser empossado, vindo a falecer em 21 de abril de 1985. Seu substituto foi o vice José Sarney, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde 15 de março desse ano.

Em novembro de 1986, Vinagre candidatou-se a deputado federal constituinte pelo Pará, sempre pela legenda do PMDB. Eleito, tomou posse em 1º de fevereiro de 1987, integrando a Subcomissão do Poder Judiciário e do Ministério Público, da Comissão da Organização dos Poderes e Sistema de Governo; e foi suplente da Subcomissão dos Municípios e Regiões, da Comissão da Organização do Estado.

Votou a favor do presidencialismo, do rompimento de relações diplomáticas com países que praticassem políticas de discriminação racial, do mandado de segurança coletivo, da limitação dos juros reais em 12% ao ano, da proteção do emprego contra despedida sem justa causa, da legalização do jogo do bicho, do mandato de cinco anos para o presidente José Sarney. E contra a pena de morte, a limitação do direito de propriedade privada, a remuneração 50% superior para o trabalho extra, a jornada de 40 horas semanais, o turno ininterrupto de seis horas, a anistia aos pequenos e micro empresários, a criação de um fundo de apoio à reforma agrária.

Em outubro de 1988, licenciou-se por motivo de saúde, sendo substituído por Mário Martins. De volta em fevereiro de 1989, concorreu à reeleição em outubro. Derrotado, deixou a Câmara ao término da legislatura, em janeiro de 1991.

Em março de 1991, foi nomeado diretor-presidente da Loteria do Estado do Pará, pelo governador Jáder Barbalho (1991-1995).

Quatro anos depois, frustrou-se em mais uma tentativa de conquistar um mandato de deputado federal. Conseguiu, todavia, ser nomeado representante do Ministério Público do estado do Pará, em Brasília. Em agosto de 1998, assumiu a presidência do Instituto de Estudos Amazônicos.

Faleceu no dia 22 de maio de 2006, vítima de infecção generalizada e insuficiência renal crônica.

Casou-se com Floripes de Albuquerque Vinagre, com quem teve cinco filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1983-1987, 1991-1995 e 1995-1999); COELHO, J. ; OLIVEIRA, A. Nova; INF. BIOG.; Portal da Assembléia Legislativa do Estado do Pará. Disponível em : <www.alepa.pa.gov.br/alepa/lernoticia.php?...2029>. Acesso em : 22 jul. 2009.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados