CELSO CLARO HORTA MURTA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MURTA, Celso
Nome Completo: CELSO CLARO HORTA MURTA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MURTA, CELSO

MURTA, Celso

*dep. fed. MG 1955-1959, 1960-1967.

 

Celso Claro Horta Murta nasceu em Araguari (MG) no dia 29 de abril de 1917, filho do advogado José Carlos Freire Murta e de Clara Augusta Horta Murta. Seu avô, Inácio Carlos Moreira Murta, foi deputado provincial no Império e deputado estadual em Minas Gerais de 1891 a 1930. Seu primo, Osvaldo Murta, foi deputado federal por Minas Gerais entre 1983 e 1987.

Realizou o curso secundário no Ginásio Diocesano de Montes Claros (MG) e no Ginásio Afonso Arinos de Belo Horizonte. Em 1943, formou-se em engenharia civil pela Escola de Engenharia da Universidade de Minas Gerais (UMG), atual Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Em 1944, ingressou como engenheiro no Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER) e, em 1951, tornou-se diretor-geral do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (DER) de Minas Gerais.

Iniciou sua carreira política ao eleger-se deputado federal por Minas Gerais em outubro de 1954 pela legenda do Partido Social Democrático (PSD), assumindo sua cadeira em fevereiro de 1955. Candidatou-se novamente em outubro de 1958, mas alcançou apenas uma suplência, deixando a Câmara ao final da legislatura, em janeiro de 1959.

Em março do ano seguinte, tornou-se diretor técnico da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (CHESF) e, em novembro, assumiu uma cadeira na Câmara dos Deputados. Deixou a Companhia Hidrelétrica do São Francisco em abril de 1961 e, no pleito de outubro de 1962, obteve nova suplência de deputado federal por seu estado, sempre pela legenda pessedista. Foi convocado a ocupar uma cadeira na legislatura iniciada em fevereiro de 1963 em substituição ao titular José Maria de Alkmin. Após o movimento político-militar de março de 1964 e a extinção dos partidos políticos determinada pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965), que extinguiu os partidos políticos e instaurou o bipartidarismo, filiou-se à agremiação governista, a Aliança Renovadora Nacional (Arena).

No pleito de novembro de 1966, candidatou-se, uma vez mais, a deputado federal, já pela legenda da Arena, obtendo apenas a décima-sexta suplência. Encerrou seu mandato em janeiro de 1967 e não voltou a assumir nova cadeira na Câmara. Como deputado federal, Murta pertencera às comissões de Transportes, Comunicações e Obras Públicas e do Polígono das Secas.

Em 1968, foi indicado para o Conselho Nacional de Trânsito, órgão do qual tornou-se presidente em 1980.

Faleceu no dia 8 de dezembro de 1996.

Era casado com Maria das Dores Neves Murta, com quem teve três filhos.

 

FONTES: ASSEMB. LEGISL. MG. Dicionário biográfico; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1946-1967 e 1963-1967); CÂM. DEP. Deputados federais. Inventário; IPC. Relação de parlamentares; Rev. Arq. Públ. Mineiro (12/76); TRIB. SUP. ELEIT. Dados (3, 4, 6 e 8).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados