César Augusto Rabelo Borges

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BORGES, César
Nome Completo: César Augusto Rabelo Borges

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BORGES, CÉSAR

BORGES, César

*gov. BA 1998-2002, sen. BA 2003-2011

 

 

César Augusto Rabelo Borges nasceu em Salvador no dia 21 de novembro de 1948, filho de Valdomiro Borges de Sousa e de Judite Rabelo Borges. Seu pai foi prefeito de Jequié (BA) entre 1967 e 1971 e deputado estadual pela Bahia entre 1975 e 1983.

Fez o primeiro grau no Colégio Militar e o segundo grau no Colégio Marista, ambos em Salvador. Em 1971 graduou-se em engenharia civil pela Universidade Federal da Bahia (Ufba) e no ano seguinte tornou-se engenheiro-residente da empresa Tenpo, na supervisão da duplicação da rodovia BR-324. Em 1973 passou a sócio-gerente da empresa Estudos de Solos Tecnologia dos Materiais Ltda. (Tecma). Em 1975 tornou-se professor-colaborador do Departamento de Transportes da Escola Politécnica da Ufba. Dois anos depois foi aprovado em concurso público para auxiliar de ensino no mesmo departamento.

Em 1983 assumiu a presidência da Junta Comercial do estado da Bahia, permanecendo no cargo até o ano seguinte, quando se tornou chefe de gabinete da Secretaria da Indústria, Comércio e Turismo da Bahia. Até 1986 foi membro dos conselhos de Proteção do Meio Ambiente, de Ciência e Tecnologia e da Empreendimentos Turísticos da Bahia S.A. (Emtur).

Ligado politicamente ao ex-governador baiano Antônio Carlos Magalhães, no pleito de novembro de 1986 candidatou-se a uma cadeira na Assembléia Legislativa na legenda do Partido da Frente Liberal (PFL). Eleito, assumiu o mandato em fevereiro de 1987, participando dos trabalhos legislativos como presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural e da comissão parlamentar de inquérito (CPI) que apurou irregularidades da Companhia de Navegação Baiana. Foi, também, vice-presidente da Comissão de Constituição e Justiça, e membro titular da CPI da Barragem da Água Fria. Em 1988 tornou-se secretário-geral do diretório estadual do PFL na Bahia.

Durante os trabalhos da Assembléia Estadual Constituinte, iniciados em 1988, foi membro efetivo da Comissão Constitucional e relator da Comissão Temática da Ordem Social, Econômica, Direitos Humanos e Meio Ambiente. Após o término dos trabalhos constituintes em 1989, retornou às atividades ordinárias da Assembléia Legislativa, exercendo a vice-liderança do PFL e integrando, como membro titular, as comissões da Divisão Territorial, de Direitos Humanos e de Fiscalização e Controle.

Em outubro de 1990 foi reeleito deputado estadual, pela legenda do PFL, assumindo o novo mandato em fevereiro seguinte. Contudo, logo licenciou-se da Assembléia Legislativa para assumir a Secretaria de Recursos Hídricos, Saneamento e Habitação do Estado da Bahia, no terceiro governo de Antônio Carlos Magalhães (1991-1994). Em 1992 tornou-se presidente do Fórum Nacional de Secretários de Estado de Saneamento e Meio Ambiente (Comitê Nacional de Saneamento), permanecendo no cargo até o ano seguinte.

Desincompatibilizando-se da secretaria estadual em 1994, disputou o cargo de vice-governador da Bahia, na chapa encabeçada por Paulo Souto, pela legenda do PFL, em outubro daquele ano. Eleito, assumiu o mandato em janeiro de 1995.

Em abril de 1998 assumiu o governo do estado da Bahia, em virtude do afastamento de Paulo Souto para disputar uma cadeira no Senado no pleito de outubro seguinte. Mas, em virtude do falecimento, ainda em abril, de Luís Eduardo Magalhães, filho de Antônio Carlos Magalhães e candidato favorito ao governo na eleição de outubro, foi escolhido para substituí-lo. Com o decisivo apoio de Antônio Carlos Magalhães, foi reeleito no primeiro turno, com quase 70% dos votos válidos, tendo vencido em 412 dos 415 municípios baianos. Assumiu novo mandato no governo estadual em janeiro de 1999.

Sua gestão foi caracterizada por iniciativas na área de geração de empregos, destacando-se o esforço para atrair a montadora de automóveis Ford, para a Bahia, no pólo de Camaçari.

Antes de concluir o mandato de governador, renunciou em 2002 para disputar, com sucesso, uma vaga de senador pela Bahia, na legenda do PFL. A outra coube então a Antônio Carlos Magalhães.

Pouco após tomar posse, em maio em 2003, além de ter se tornado segundo vice-líder do Bloco Liderança Parlamentar da Minoria, no Senado Federal, foi nomeado quarto vice-líder do PFL. Em 2005, foi nomeado segundo vice-líder do PFL e terceiro vice-líder do Bloco Liderança Parlamentar da Minoria, no Senado Federal.

Transferiu-se para o Partido da República (PR), em outubro de 2007, tornando-se então presidente da legenda na Bahia.

Em fevereiro de 2009, participou como titular da Comissão de Assuntos Econômicos e da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo, e em abril desse mesmo ano, tornou-se titular da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária.

Nas eleições de outubro de 2010, concorreu à reeleição, porém, com 1.583.423 votos, não obteve êxito. Deixou o Senado em fevereiro de 2011.

Em maio de 2012, foi eleito pelo Conselho de Administração do Banco do Brasil e assumiu a vice-presidência do banco. Um ano depois deixou o cargo para assumir o Ministério dos Transportes do Governo Dilma.

Publicou O Brasil sem armas (2004) e A CPMI que abalou o país (2006).

Casou-se com Tércia Maria Azevedo Pimentel Borges, com quem teve seis filhos.

 


FONTES: Portal G1de Notícias. Disponível em: <http://g1.globo.com>. Acesso em 09/10/2013; Portal do Jornal do Brasil. Disponível em: <http://www.jb.com.br>. Acesso em 28/09/2009; Portal do jornal O Estado de São Paulo. Disponível em: <http://www.estadao.com.br>. Acesso em 28/09/2009; Portal do jornal Folha de São Paulo. Disponível em: <http://www.folha.uol.com.br>. Acesso em 28/09/2009; Portal do Ministério dos Transportes. Disponível em: <http://www.transportes.gov.br>. Acesso em 09/10/2013; Portal do Partido da República. Disponível em: <http://www.partidodarepulica.org.br>. Acesso em 29/09/2009; Portal do Senado Federal. Disponível em: <http://www.senado.gov.br>. Acesso em 28/09/2009 e 09/10/2013; Portal do Tribunal Superior Eleitoral. Disponível em: <http://www.tse.jus.br>. Acesso em 09/10/2013.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados