CONGRO NETO, ROSARIO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CONGRO NETO, Rosário
Nome Completo: CONGRO NETO, ROSARIO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

CONGRO NETO, Rosário

*dep. fed. MS 1985-1986; const. 1988; dep. fed. MS 1989-1991.

 

Rosário Congro Neto nasceu em Cafelândia (SP) no dia 28 de outubro de 1951, filho de Stênio Congro e de Julieta Sallun Congro. Seu pai foi vereador em Três Lagoas, tendo presidido a Câmara Municipal em 1970. Seu avô, Rosário Congro, foi prefeito de Três Lagoas e deputado estadual em Mato Grosso em três legislaturas.

Radicado em Três Lagoas (MS), então no estado do Mato Grosso, Rosário Congro Neto concluiu o segundo grau em 1967, no Colégio Bom Jesus. Em 1971, ingressou na Faculdade de Direito de Bauru (SP), da qual foi presidente do diretório acadêmico entre 1974 e 1975, bacharelando-se em 1976.

Retornando a Três Lagoas, iniciou sua carreira política em novembro de 1976, elegendo-se vereador na legenda da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação ao regime militar instalado no país em abril de 1964. Assumiu a cadeira no começo do ano seguinte, tornando-se presidente da Comissão de Justiça e Redação e membro da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Municipal de Três Lagoas.

Nesse período, no ano de 1978, tornou-se sócio do Jornal do Povo, de Três Lagoas.

Com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Em 1980, integrou a comissão provisória municipal que fundou e instalou o PMDB em Três Lagoas, foi delegado do partido junto à Justiça Eleitoral da comarca e tornou-se membro do diretório municipal do PMDB, ocupando o cargo de primeiro-suplente na comissão executiva. Foi eleito vice-presidente do diretório municipal do partido em 1981.

 Advogado militante no foro da comarca de Três Lagoas (MS), com atuação nos tribunais de Justiça dos estados de Mato Grosso do Sul e de São Paulo e no Supremo Tribunal Federal, tornou-se, em 1981, conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seção Mato Grosso do Sul, cargo que exerceria até 1983. Em 1982, foi eleito vice-presidente da comissão executiva do diretório municipal do PMDB de Três Lagoas.

Candidato a deputado federal por Mato Grosso do Sul na legenda do PMDB, no pleito de novembro de 1982, alcançou apenas a segunda suplência. Encerrou o mandato na Câmara Municipal de Três Lagoas em janeiro de 1983.

Integrante dos diretórios municipal e regional do PMDB a partir de 1983, nesse mesmo ano foi nomeado secretário de Desenvolvimento Social de Mato Grosso do Sul, no governo de Wilson Barbosa Martins (1983-1986), e membro do Conselho Deliberativo do Fundo de Assistência Social Sul-Mato-Grossense.

Ainda em 1983 participou, entre outros eventos, do III Encontro de Executivos Municipais da Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul, realizado em Campo Grande, e do II Encontro de Secretários de Cultura, em São Paulo. Nos anos 1983 e 1984 tomou parte do I e do II Encontro Nacional dos Dirigentes de Educação, Cultura e Desporto no Ministério da Educação e Cultura, em Brasília (DF), e foi segundo-vice-presidente do Fórum Nacional de Secretários de Cultura do Brasil, ocorrido em Curitiba. Primeiro-tesoureiro do Fórum Nacional de Secretários da Cultura e membro do IV Fórum Nacional de Secretários de Cultura em Maceió em 1984, nesse mesmo ano esteve presente no Encontro Nacional de Política Cultural em Ouro Preto (MG) e Belo Horizonte e no II Fórum Nacional de Secretários da Cultura no Rio de Janeiro. Foi também presidente do Conselho Curador da Fundação de Cultura do Mato Grosso do Sul em 1984 e 1985. Ainda em 1985 esteve em Goiânia como participante do V Fórum Nacional de Secretários da Cultura e integrou o III Fórum de Secretários de Esporte e Turismo em São Paulo. Nesse mesmo ano, deixou a Secretaria de Desenvolvimento Social e exerceu a função de presidente do Conselho Administrativo do Fundo Especial de Desenvolvimento do Desporto de Mato Grosso do Sul.

Em setembro de 1985, assumiu a vaga do deputado federal Sérgio Cruz, que se licenciara do mandato para disputar a prefeitura de Campo Grande. Em janeiro de 1986, deixou a Câmara dos Deputados, com o retorno do titular.

Candidato a deputado federal constituinte pelo Mato Grosso do Sul na legenda do PMDB, em novembro de 1986 obteve apenas uma suplência. Ocupou a vaga de Válter Pereira, exercendo o mandato de 25 de agosto a 27 de setembro de 1988 e a partir de 6 de outubro de 1988. Com a renúncia de Ruben Figueiró em setembro de 1989, assumiu definitivamente uma vaga na Câmara dos Deputados. Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1991, sem ter concorrido à reeleição em outubro do ano anterior.

Afastando-se da vida pública, Congro Neto dedicou-se às atividades empresariais, no ramo de comunicação, vindo a tornar-se proprietário do Jornal do Povo e da TV Concórdia, fundada em 1997 e sediada em Três Lagoas, e diretor-presidente do Grupo RCN de Comunicação. Em 2001, a família Congro detinha a concessão de serviço de TV e rádio com fins educativos do município.

Em 2009, era o presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão, seção de Mato Grosso do Sul.

Casou-se com Elaine Teresinha da Silva Neves Congro, com quem teve cinco filhos.

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987); CÂM. DEP. Quadro de titulares e

suplentes; INF. BIOG.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados