Dario Elias Berger

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BERGER, Dario
Nome Completo: Dario Elias Berger

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

BERGER, Dario

* pref. Florianópolis 2005-

 

Dario Elias Berger nasceu em Bom Retiro (SC) no dia 7 de dezembro de 1956, filho de Elias Berger e de Melida Schlemper Berger. Seu irmão Djalma Berger também seguiu carreira política, tendo sido deputado federal.

De origem humilde, trabalhou como office-boy, motorista, funcionário de hotel e de posto de gasolina. Graduou-se em administração de empresas pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com especialização em recursos humanos.

Ingressou na vida pública em 1989, como diretor de pessoal e presidente da Comissão Municipal de Esportes. Em 1991 respondeu pela direção geral da Secretaria de Administração da prefeitura de São José (SC). No ano seguinte, ingressou no ramo da construção civil na empresa da família, a Berger Soares – Engenharia e Construções Ltda, fundada em parceria com os irmãos Djalma e Dilmo Berger. Participou também do Grupo Catarinense de Segurança e Vigilância (Casvig).

Ainda em 1992, foi eleito vereador em São José na legenda do Partido da Frente Liberal (PFL). Assumiu o mandato em 1993, e em 1994 foi eleito presidente da Câmara Municipal. Em 1996, também na legenda pefelista, elegeu-se prefeito de São José. Presidiu a Associação dos Prefeitos do PFL no biênio 1997-1998. Em 2000 foi reeleito prefeito com quase 73 mil votos, ou 84% da totalidade dos votos apurados.

Em 2003, antes do prazo limite para a mudança de domicílio eleitoral, transferiu seu título eleitoral para Florianópolis. No pleito de outubro de 2004 foi eleito em segundo turno prefeito da capital catarinense na legenda do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Em dezembro foi absolvido pelo Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC) da acusação de uso da estrutura pública e de abuso do poder político na campanha, em duas ações movidas pelo candidato derrotado Chico Assis, do Partido Progressista (PP). A denúncia de abuso referiu-se ao uso de um caminhão da Polícia Militar e de soldados fardados, flagrados em vídeo, auxiliando na organização de seu comício.  

Empossado em janeiro de 2005, em junho enfrentou um protesto contra o aumento das tarifas de ônibus, durante o qual cerca de 20 pessoas foram presas. O reajuste médio de 8,8% para os transportes públicos durou três semanas, porque a decisão foi revogada, e a prefeitura ordenou a redução do valor de todas as tarifas de ônibus da capital.

Em maio de 2007, foi citado na Operação Moeda Verde, da Polícia Federal, que investigou crimes ambientais em Santa Catarina. Em outubro seguinte, o juiz Zenildo Bodnar encaminhou o inquérito ao Tribunal Regional da 4ª Região, em Porto Alegre, e em fevereiro de 2008 o desembargador Luiz Fernando Penteado suspendeu seu indiciamento.

Ainda em 2007, no mês de agosto, o procurador do Trabalho Marcelo José Ferlin D’Ambroso protocolou ação civil pública por improbidade administrativa contra Dario Berger e sua esposa, Rosemeri Bartucheski Berger, então presidente da Associação Florianopolitana de Voluntários (Aflov), o município de Florianópolis e a Aflov, pela contratação irregular de temporários terceirizados para os programas sociais conveniados do município. De acordo com investigações do Ministério do Trabalho, a Secretaria de Saúde vinha fazendo contratações sem concurso e sem licitação, através de terceirização irregular pela Aflov. Haveria, também, prática abusiva e corriqueira de contratação irregular de falsos “comissionados” e falsos “ACTs” (admissões em caráter temporário) na prefeitura, em prejuízo do concurso público.

Em dezembro de 2007, Dario Berger classificou como “contrassenso” e “corporativismo” de protetores dos animais a lei promulgada pela Câmara Municipal proibindo o uso de cobaias em experimentos na cidade. Vereadores aprovaram o texto aproveitando a ausência do prefeito, que alegou ter perdido acidentalmente o prazo para vetar a lei. Como não havia ainda manifestado opinião sobre o assunto, disse, na ocasião, que pediria à Procuradoria Geral do Município que entrasse com ação de inconstitucionalidade na Justiça para derrubar a lei.

Nas eleições de 2008, reelegeu-se prefeito, agora na legenda do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), derrotando no segundo turno Esperidião Amin, do Partido Progressista (PP), com aproximadamente 58% dos votos válidos. Durante a campanha, seu nome foi relacionado à chamada “lista suja” da Associação de Magistrados Brasileiros (AMB), por responder a cinco processos na Justiça por improbidade administrativa. Ainda em 2008 foi condenado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), junto com o irmão Djalma, por má gestão administrativa durante o período em que foi prefeito de São José. A decisão unânime do plenário do TCU determinou que ambos teriam de devolver aos cofres públicos cerca de 500 mil reais. De acordo com o TCU, haviam sido detectadas irregularidades nas obras de construção da Via Expressa Sul em São José, custeadas parcialmente com recursos oriundos de contratos de repasse firmados com a União, no âmbito do Programa Pró-Infra.

Em março de 2009, o procurador regional eleitoral de Santa Catarina Claudio Dutra Fontella pediu sua cassação. A decisão considerou que Dario Berger havia infringido a Constituição da República ao ser eleito no município de São José, trocar de domicílio eleitoral e ser reeleito prefeito em Florianópolis, uma vez que a lei permitia somente uma reeleição consecutiva para cargo executivo. Em julho, o Tribunal Regional Eleitoral decidiu por sua manutenção no cargo, tendo prevalecido a tese da segurança jurídica, levantada por quatro dos ministros, em detrimento da tese apresentada pelo procurador.

Do casamento com Rosemeri Bartucheski, teve dois filhos.

Bruno Marques

 

FONTES:

http://www.pmf.sc.gov.br/imprensa/index.php?link=dario  acesso em 7.11.2009; http://www.votebrasil.com/noticia/regional/dario-berger-se-reelege-prefeito-de-florianopolis-sc  acesso em 7.11.2009; http://g1.globo.com/Eleicoes2008/0,,MUL732224-15693,00.html acesso em 7.11.2009; http://www.infojus.com.br/noticias/saiba-mais-sobre-dario-berger-pmdb-prefeito-reeleito-de-florianopolis/  acesso em 10.11.2009; http://www1.folha.uol.com.br/folha/especial/2008/eleicoes/prefeitos/sc-florianopolis-15-1.shtml  acesso em 10.11.2009; http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default.jsp?uf=2&local=18&section=Geral&newsID=a2533050.htm  acesso em 10.11.2009; http://www.prt12.mpt.gov.br/prt/noticias/2007_8/2007_8_3.php  acesso em 10.11.2009.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados