DAVI ALVES SILVA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SILVA, Davi
Nome Completo: DAVI ALVES SILVA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SILVA, DAVI

SILVA, Davi

*const. 1987-1988; dep. fed. MA 1987-1988 e 1995-1998.

 

Davi Alves Silva nasceu em Vitorino Freire (MA) no dia 25 de julho de 1951, filho de Francisco Alves Silva e de Lúcia Alves Silva. O irmão, Daniel Silva Alves, foi deputado federal pelo Maranhão na legislatura 1991-1995.

Empresário do ramo imobiliário e pecuarista, ingressou na política em 1981, filiando-se ao Partido Democrático Social (PDS). Eleito deputado estadual no pleito de novembro de 1982, assumiu sua cadeira na Assembléia Legislativa do Maranhão em fevereiro do ano seguinte, integrando-se como relator à Comissão de Redação Final, e como vice-presidente à de Trabalho e Ação Social.

Aliado do então ministro da Justiça Ibraim Abi-Ackel, em 1984, participou do cerco e invasão da Assembléia Legislativa maranhense, para garantir ao candidato Paulo Maluf os votos dos delegados estaduais à convenção do PDS. No Colégio Eleitoral que se reuniu em janeiro de 1985, porém, o vitorioso foi o candidato oposicionista, Tancredo Neves, apoiado pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) unido à dissidência pedessista, abrigada na Frente Liberal.

No pleito de novembro de 1986, apesar de estar implicado em vários casos de violência na cidade de Imperatriz (MA), elegeu-se deputado federal constituinte na legenda do PDS e com a ajuda da União Democrática Ruralista (UDR). Concluído o mandato no Legislativo estadual, em janeiro de 1987, tomou posse na Câmara dos Deputados em 1º de fevereiro, sendo indicado líder do partido. Titular da Subcomissão dos Estados, da Comissão da Organização do Estado, funcionou como suplente da Subcomissão de Saúde, Seguridade e do Meio Ambiente, da Comissão da Ordem Social.

Apresentou projeto visando a criação do estado de Carajás, ou Maranhão do Sul, constituído de partes dos estados do Maranhão e do Pará — uma região produtora de grãos que abrangia 19 municípios, ou 108 mil quilômetros quadrados, habitada por uma população de 850 mil habitantes. Em maio de 1987, na Câmara Municipal de Imperatriz, instalou-se a Comissão de Coordenação Pró-Maranhão do Sul, sob a direção dos deputados estaduais Léo Franklin e Raimundo Cabeludo; no Congresso, Davi Alves Silva liderava o lobby, juntamente com o deputado José Teixeira (PFL-MA) e o senador Edson Lobão (PFL-MA).

Na Constituinte, votou a favor da nacionalização do subsolo, da legalização do jogo do bicho e do mandato de cinco anos para o então presidente José Sarney (1985-1990). E contra o presidencialismo e a limitação dos encargos da dívida externa. Faltou às demais votações. Após a promulgação da nova Carta, em 5 de outubro de 1988, exerceu o mandato ordinário. No pleito realizado em novembro foi eleito prefeito de Imperatriz, deixando a vaga de deputado federal para o suplente Eurico Ribeiro.  

Na chefia do Executivo municipal foi acusado pelo promotor de justiça Raimundo Abreu, de acordo com notícia publicada no Jornal do Brasil (de 7 de abril de 1990) de acumpliciar-se ao deputado estadual Marconi Farias, do Partido de Reconstrução Nacional (PRN), e ao pecuarista Raimundo Agripino para comandar o crime organizado em Imperatriz, Santa Inês e Bacabal.

Em abril de 1990, quando o PDS se fundiu ao Partido Democrata Cristão (PDC), formando o Partido Progressista Reformador (PPR), Davi Silva preferiu ficar sem partido, e assim concluiu sua gestão na Prefeitura, em 1º de janeiro de 1993. Só decidiu filiar-se ao Partido da Frente Liberal (PFL) em 1994, pouco antes das eleições de outubro, na quais se elegeu deputado federal numa coligação de que também participavam o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), o Partido Social Cristão (PSC) e o Partido Progressista (PP). Obteve na ocasião 59 mil votos — a terceira maior votação da coligação e de todo o estado —, a maior parte proveniente de Imperatriz, sua base eleitoral.

Na Câmara dos Deputados, tornou-se titular das comissões de Defesa Nacional e de Agricultura e Política Rural, e suplente da Comissão de Desenvolvimento Urbano e Interior, bem como da comissão especial do projeto de emenda constitucional que tratava da modificação da estrutura policial. Em 1995, deixou o PFL e, após uma rápida passagem pelo Partido da Mobilização Nacional (PMN), cuja liderança exerceu, filiou-se ao Partido Progressista Brasileiro (PPB), resultado da fusão do PPR com o PP.

Ao longo da legislatura, votou a favor do projeto de emenda constitucional que acabou com o monopólio dos estados na distribuição do gás canalizado, do novo conceito de empresa nacional, do fim dos monopólios nos setores de telecomunicações e de exploração do petróleo, da prorrogação por 18 meses do Fundo Social de Emergência (FSE), rebatizado de Fundo de Estabilização Fiscal (FEF). Esteve ausente na votação do projeto que acabava com a reserva de mercado na navegação de cabotagem, permitindo que as embarcações estrangeiras passassem a operar no transporte de cargas e passageiros entre portos do país.

No ano seguinte, fez parte da Comissão de Viação e Transportes e da Comissão Externa sobre Demarcação das Terras Indígenas, na condição de titular, e da Comissão Especial sobre Gratuidade dos Transportes Coletivos Urbanos e dos Serviços de Diversão Pública para Idosos, como suplente. Ainda em 1996, votou a favor do Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), rebatizado de Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

Em janeiro de 1997, quando tramitava na Câmara o projeto de emenda constitucional que permitia aos ocupantes do Poder Executivo concorrerem à reeleição, absteve-se de votar no primeiro turno, mas votou a favor no segundo. Em novembro, apoiou o projeto de reforma administrativa do governo que, ao ser aprovado, acabou com a estabilidade do servidor público. Candidato à reeleição, não chegou a disputar o pleito de outubro de 1998, pois foi assassinado por um ex-cunhado, no dia 23 de setembro, em Imperatriz. Sua cadeira na Câmara foi ocupada pelo suplente Antônio Costa Ferreira.

Era casado com Maria Deurivans Carvalho Silva, com quem teve seis filhos.

Sônia Zylberberg/Alan Carneiro

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; Folha de S. Paulo (20/4/87 e 24/9/98); Jornal do Brasil (7/4/90); Olho no Congresso/Folha de S. Paulo (31/1/95, 14/1/96, 30/1/97 e 5/2/98); TRIB. REG. ELEIT. MA. Relação (1998).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados