DJALMA CARVALHO MARANHAO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MARANHÃO, Djalma
Nome Completo: DJALMA CARVALHO MARANHAO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MARANHÃO, DJALMA

MARANHÃO, Djalma

*dep. fed. RN 1959-1960.

 

Djalma Carvalho Maranhão nasceu em Natal no dia 27 de novembro de 1915, filho de Luís Inácio de Albuquerque Maranhão e de Maria Salomé Carvalho Maranhão. Seu irmão, Luís Inácio Maranhão Filho, deputado estadual no Rio Grande do Norte e membro do comitê central do Partido Comunista Brasileiro (PCB), foi dado como desaparecido em 1974.

Estudou no Colégio Pedro II, em Ceará-Mirim (RN).

Filiando-se ao PCB — então Partido Comunista do Brasil — por volta de 1930, Djalma Maranhão residiu por algum tempo no sul do país. Foi cabo do Exército de 1933 a 1935. Nesse período, de 1934 a 1935, militou na Aliança Nacional Libertadora (ANL), organização política de âmbito nacional que reunia socialistas, comunistas e católicos, atraídos por um programa que propunha a luta contra o fascismo, o imperialismo, o latifúndio e a miséria. No início do Estado Novo (1937-1945) voltou a Natal, onde passou a editar um jornal vespertino e fundou um clube de futebol. Em 1946 entrou em atrito com os dirigentes locais do PCB, sendo em seguida expulso do partido. A partir daí, passou a militar no Partido Social Progressista (PSP), liderado no Rio Grande do Norte por João Café Filho. Por essa agremiação, elegeu-se prefeito de Natal em 1946.

No pleito de outubro de 1954, elegeu-se deputado estadual para a legislatura de 1955 a 1959 na legenda da Aliança Social Progressista, constituída pelo PSP e o Partido Social Trabalhista (PST). Nesse mesmo pleito, Dinarte Mariz, candidato da União Democrática Nacional (UDN), elegeu-se governador. Em virtude da aproximação da UDN com o PSP, Djalma Maranhão foi nomeado prefeito de Natal em 1956. Exerceu a prefeitura e o mandato legislativo alternadamente e, em outubro de 1958, obteve uma suplência de deputado federal por seu estado na legenda da Frente Democrática Nacional, formada pela UDN, o PST e o Partido Trabalhista Nacional (PTN). Ocupou uma cadeira na Câmara de julho de 1959 a novembro de 1960. Em outubro deste último ano elegeu-se prefeito de Natal na legenda do PTN.

Assumindo a prefeitura em 1961, após a renúncia do presidente Jânio Quadros em agosto desse ano, foi favorável à posse de João Goulart. Em sua administração deu prioridade ao setor educacional, lançando a campanha “de pé no chão também se aprende a ler” com o objetivo de erradicar o analfabetismo em Natal através da conscientização da comunidade. Com a vitória do movimento político-militar de março de 1964, foi afastado da prefeitura. Preso preventivamente por decisão do Conselho Permanente de Justiça da 7ª Região Militar, sediada em Recife, em 10 de abril teve o mandato cassado e os direitos políticos suspensos por dez anos. Transferido para a ilha de Fernando de Noronha e a seguir para Recife, foi libertado no final de 1964 por força de um habeas-corpus. Asilou-se a seguir em Montevidéu e, nos processos a que respondeu, acabou sendo condenado a 18 anos de prisão.

Faleceu em Montevidéu no dia 30 de julho de 1971.

Era casado com Dária de Sousa Maranhão, com quem teve um filho.

 

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1946-1967); CASCUDO, L. História; GÓIS, M. Pé; SILVA, H. 1964; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (3 e 4); Veja (4/8/71); VÍTOR, M. Cinco.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados