Edmundo Galdino da Silva

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GALDINO, Edmundo
Nome Completo: Edmundo Galdino da Silva

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

GALDINO, Edmundo

*dep. fed. TO 1989-1995, 2005-2006

 



Edmundo Galdino da Silva nasceu em Araguaína (TO), então no estado de Goiás, no dia 28 de outubro de 1958, filho de Avani Galdino da Silva e de Maria Matos da Silva.

Torneiro mecânico de profissão, iniciou sua militância política no movimento estudantil secundarista, tendo sido dirigente da Frente de Reorganização do Movimento Estudantil Secundarista em Goiânia de 1979 a 1981. Educador sindical da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Goiás entre 1981 e 1982, nesse último ano presidiu o centro acadêmico do curso de história da Universidade Federal de Goiás, assumindo também a diretoria de imprensa e divulgação do centro acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade Católica de Goiás. Não concluiu, porém, nenhum dos dois cursos.

No pleito de novembro de 1982 foi eleito vereador pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) na sua cidade natal. Empossado em fevereiro de 1983, integrou a Comissão de Educação da Câmara Municipal. Por sua atuação em favor dos agricultores sem-terra na região do Bico do Papagaio, em junho de 1985, quando participava de uma reunião com cerca de trezentos trabalhadores rurais na Câmara Municipal de Araguaína, Galdino foi emboscado por dois pistoleiros. Dos quatro tiros desferidos contra ele, um dos projéteis atingiu sua coluna deixando-o paralítico.

Eleito deputado estadual em novembro de 1986, ainda pelo PMDB, assumiu uma cadeira na Assembléia de Goiás em fevereiro de 1987. Nessa legislatura, foi membro da Comissão de Minas e Energia.

Com a criação do estado de Tocantins pela Constituição de 1988 — através do desmembramento do estado de Goiás —, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) convocou eleições gerais neste estado para outubro de 1988. Transferindo-se para o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), Galdino foi eleito deputado federal para um mandato-tampão de dois anos. Empossado em janeiro de 1989, foi titular da Comissão de Finanças e Tributação e da comissão mista destinada a rever doações, vendas e concessões de terras públicas.

Reeleito em outubro de 1990, foi o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou os crimes de pistolagem e que apurou os assassinatos do senador Olavo Pires, em 1990, quando disputava as eleições para o governo de Rondônia, e do governador do Acre, Edmundo Pinto, em 1992. No relatório parcial, acusou o Senado e a Procuradoria Geral da República de omissão na investigação de ambos os crimes. Denunciou no Congresso e na imprensa desmandos e irregularidades praticadas pelo então governador de Tocantins José Wilson Siqueira Campos, que resultaram no livro Tocantins: corrupção, fraude e violência.

Na sessão da Câmara dos Deputados de 29 de setembro de 1992, votou a favor da abertura do processo de impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo ex-tesoureiro de sua campanha presidencial, Paulo César Farias. Afastado da presidência logo após a votação na Câmara, renunciou ao mandato em 29 de dezembro de 1992, pouco antes da conclusão do processo pelo Senado, sendo efetivado na presidência da República o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde 2 de outubro.

Durante a campanha eleitoral de 1994, Edmundo Galdino entrou com uma representação junto ao TSE denunciando a existência de eleitores fantasmas em Tocantins e pedindo que o tribunal enviasse uma comissão ao estado para fiscalizar as eleições. Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1995, ao término da legislatura, sem ter disputado a reeleição em outubro do ano anterior.

Em abril de 1995, foi nomeado para a diretoria de administração e finanças do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Em agosto do ano seguinte, foi demitido. O fato criou atritos entre o ministro da Reforma Agrária, Raul Jungmann, responsável pela demissão, e quadros do PSDB, que reivindicavam a manutenção do espaço político do partido naquele órgão. Nesse meio tempo, em maio de 1996, tornou-se membro do Conselho Deliberativo do Instituto Teotônio Vilela, órgão de formação política do PSDB.

Em agosto de 1997, foi nomeado assessor especial do INCRA, de onde saiu para candidatar-se a deputado federal em outubro de 1998, não obtendo êxito em sua iniciativa. Em 1999, desligou-se do PSDB e filiou-se ao Partido Popular Socialista (PPS). Em outubro de 2002, já de volta ao PSDB, foi candidato a deputado federal por essa agremiação, mas obteve apenas uma suplência.

Em 2005, filiou-se ao Partido Democrático Trabalhista (PDT), assumindo o mandato de deputado federal na vaga de Homero Barreto (PTB). Chegou à vice-liderança do partido na Câmara, mas divergências com a cúpula do partido no estado levaram à sua expulsão da agremiação, em maio de 2006.

Não mais concorreu a cargos eletivos, porém, foi indicado pelo governador tocantinense eleito em 2010, Siqueira Campos, para a presidência da Agência Tocantinense de Saneamento (ATS), cargo que assumiu em janeiro de 2011.

Foi casado com Maria Rosi de Meira Borba Galdino, que se candidatou sem êxito a deputada federal pelo PSDB em outubro de 1994.

 

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995); Jornal do Brasil (22/08/1996); Jornal Estado de S. Paulo (4/10/1993 e 28/11/1997); Jornal Folha de S. Paulo (23/12/1993, 28/09/1994, 29/09/1998, 6/11/1998 e Especial Eleições 2002); Jornal O Globo (30/09/1992, 29/01/1997 e 26/02/1997); Perfil parlamentar da Revista Isto É,  Posse 2007 (01/01/2007); Portal da Transparência do Governo do Tocantins. Disponível em: <http://www.transparencia.to.gov.br>. Acesso em 03/07/2013.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados