EDSON ARANTES DO NASCIMENTO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PELÉ
Nome Completo: EDSON ARANTES DO NASCIMENTO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
PELÉ

PELÉ

*min. Esportes 1995-1998.

Edson Arantes do Nascimento nasceu em Três Corações (MG) no dia 23 de outubro de 1940, filho de João Ramos Nascimento, o Dondinho, que foi jogador do Atlético Mineiro, e Celeste Arantes do Nascimento.

Até os quatro anos de idade viveu em Lorena (SP), onde nasceu seu irmão Jair, o futuro jogador Zoca, e em São Lourenço (MG), onde nasceu a caçula, Maria Lúcia.

Residiu em Bauru (SP), a partir de 1944, alternando o dia entre sua casa, onde era chamado de Dico, os campinhos de futebol, o trabalho como engraxate e vendedor de amendoins e a escola primária, onde ganhou o apelido de Pelé. Aos 11 anos jogava futebol no time da rua Sete de Setembro e aos 13 passou a jogar entre adultos no Ameriquinha, time de operários de uma fábrica de botas, onde era aprendiz. Passou em seguida ao São Paulinho, formado por ferroviários. Em 1954, atuando na equipe juvenil do Bauru Atlético Clube, o Baquinho, tornou-se campeão estadual, tendo marcado sete gols na partida decisiva e merecido foto no jornal A Gazeta Esportiva, da capital.

Levado por Valdemar de Brito, em 1956, aos 16 anos de idade, teve seu primeiro contrato de jogador profissional no Santos Futebol Clube. Seu salário equivalia a dois salários mínimos. Estreou no time principal do Santos em 7 de setembro de 1956, num jogo amistoso, marcando seu primeiro gol oficial como profissional. No ano seguinte já era jogador da seleção brasileira de adultos. Em sua estréia, contra a Argentina, marcou o único gol brasileiro, apesar de ter atuado somente no segundo tempo da partida.

Convocado para a Copa do Mundo de 1958, na Suécia, foi avaliado nos testes psicológicos como “infantil e sem espírito de luta”. A seleção brasileira tornou-se campeã e Pelé consagrou-se mundialmente. De volta ao Brasil, prestou serviço militar, ao longo do qual sagrou-se campeão sul-americano de seleções do Exército, ainda em 1958.

Nos anos seguintes, o Santos, clube em que Pelé jogava, firmou-se como um excelente time de futebol, tendo sido campeão mundial em 1962 e 1963.

Na Copa do Mundo de 1962, realizada no Chile, Pelé sofreu uma distensão muscular na segunda partida, ficando fora dos demais jogos. O Brasil tornou-se bicampeão e Garrincha foi o grande nome do campeonato.

Em meados da década, apesar de não ser o jogador melhor pago do Santos F.C., conseguiu investir em imóveis e empresas, aconselhado pelo jogador Zito e pelo empresário apelidado de Pepe Gordo, que se revelou um desastrado administrador de negócios.

Na Copa do Mundo de 1966, na Inglaterra, foi violentamente marcado pelos adversários, o que o impedia de dar continuidade às jogadas. O Brasil foi desclassificado na primeira fase do torneio.

Em 1969, Pelé encontrava-se mergulhado em dívidas. Suas empresas acumulavam prejuízos, o que o levou a afastar Pepe Gordo da administração de seus negócios, passando-a a seu irmão Zoca. Além disso, solicitou apoio financeiro ao Santos F.C. e a então denominada Confederação Brasileira de Desportos (CBD), presidida por João Havelange. Em novembro mobilizou a imprensa esportiva do Brasil e do mundo para o jogo do dia 19, no emblemático estádio do Maracanã, onde marcou seu milésimo gol.

Nesse mesmo ano, os exércitos  beligerantes  da  guerra civil que se seguiu à independência do antigo Congo Belga acordaram uma trégua para que Pelé e sua equipe, o Santos  FC, realizassem duas partidas de exibição na capital do país.

Na preparação para a Copa do Mundo de 1970, que seria realizada no México, o técnico João Saldanha o ameaçou de dispensa por causa da miopia acusada em seus exames oftalmológicos. Sob a direção de um novo técnico, o ex-jogador bicampeão mundial Mário Lobo Zagalo, a seleção brasileira se tornaria tricampeã do mundo, tendo em Pelé sua grande estrela. Em julho de 1971 Pelé atuou pela última vez na seleção brasileira, num jogo contra a antiga Iugoslávia realizado no Maracanã.

No início dos anos 1970 passou a ter seus rendimentos investigados pela Receita Federal, que concluiu que o grande astro do futebol mundial sonegava impostos. Autuado em 1972, foi instado a pagar, em valores de 1999, 442.468 reais. Parte deste valor, 55%, teria sido liquidada pelo Santos F.C. e pela CBD, o que justificou o pedido de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para apurar as contas da confederação. Anos mais tarde divulgou-se que o órgão teria feito ao atleta doações equivalentes a 320 mil dólares entre 1965 e 1973. De sua parte, Pelé teria se comprometido a conseguir votos para que João Havelange fosse eleito presidente da Football International Federations Association (FIFA), o que se concretizaria em 1974.

Cogitado para jogar na Copa do Mundo de 1974, na Alemanha, Pelé não voltou atrás na decisão tomada em 1971 e aproveitou a oportunidade para reiterar as denúncias contra a violência praticada em campo contra os atletas mais talentosos. Anos mais tarde, declarou que naquele momento já tinha consciência da utilização política que os governos militares faziam das conquistas do futebol brasileiro e que não queria compactuar com os “malefícios que a ditadura impôs ao país”. Nessa Copa iniciou sua carreira de comentarista de televisão.

Pelé formou-se em educação física., pela Universidade Metropolitana de Santos – UNIMES, em 1973 e em outubro de 1974 despediu-se do Santos F.C., numa partida contra a Ponte Preta, de Campinas (SP).

Contratado pelas empresas norte-americanas Time-Warner e Pepsi-Cola para um projeto de popularização do futebol nos Estados Unidos, em janeiro de 1975 passou a jogar na equipe do Cosmos, em Nova Iorque, pela qual foi campeão. O projeto era incentivado pelo Departamento de Estado Americano, por meio de seu secretário, Henry Kissinger. Em outubro de 1977 encerrou, definitivamente, sua carreira de jogador profissional de futebol num jogo entre o Cosmos e o Santos F.C.

Durante sua carreira, Pelé jogou 1.364 partidas e marcou 1.282 gols.

A partir de 1978 tornou-se um globetrotter, atuando em campanhas publicitárias de seus patrocinadores — entre eles a Time-Warner, o American Card, a Pepsi-Cola e a Adidas — e estimulando o desenvolvimento do futebol em todo o mundo, com destaque para países da África e Ásia. Teve audiências com, praticamente, todos os principais chefes de Estado do mundo. Ainda em 1978 recebeu da Organização das Nações Unidas (ONU) o Prêmio Internacional da Paz. Nos anos seguintes, foi nomeado embaixador do UNICEF, da UNESCO e de outros organismos da ONU.

Numa de suas passagens pelo Brasil, em plena efervescência política pela redemocratização do país, Pelé provocou descontentamentos ao declarar, em 1981, que pouco adiantava se obter o direito a eleições diretas para presidente da República, uma vez que o povo brasileiro não estava preparado para votar. Anos depois, reinterpretando sua declaração política anterior, apoiou publicamente o movimento que reivindicava a eleição do presidente da República pelo voto direto, conhecido como campanha das diretas.

A partir de 1984, assessorado por Hélio Viana, orientou sua vida profissional para administrar seus próprios negócios. Criou uma empresa para comercializar sua imagem e a marca Pelé, que já havia registrado em 1971. Hélio Viana desaconselhou Pelé a prosseguir profissionalmente como compositor de músicas, cantor e ator de cinema.

Em 1989 associou sua imagem a uma administradora de consórcios denominada “O Rei”, cujo proprietário viria a ser preso sob a acusação de fraudes contra os consorciados. Mais tarde, em 1994, Pelé teria seus bens temporariamente bloqueados em conseqüência da liquidação extrajudicial da empresa. Em 1991 constituiu a empresa Pelé Sports, que passaria a disputar os principais contratos de marketing relativos a futebol, no Brasil, com a empresa Traffic, vinculada a Ricardo Teixeira, ex-genro de João Havelange e presidente da já então denominada Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Essa disputa provocou o estremecimento das relações entre Pelé e o presidente da FIFA.

No Ministério Extraordinário dos Esportes

Com a posse do presidente Fernando Henrique Cardoso em janeiro de 1995, Pelé assumiu o Ministério Extraordinário dos Esportes, criado especialmente para ele, anunciando uma ação imediata contra os abusos que estariam sendo praticados nas concessões de autorização e no funcionamento dos bingos e distorcendo os objetivos da chamada Lei Zico, cujos pontos principais eram a autorização para que os clubes se organizassem como empresas com fins lucrativos, os contratos com os atletas passando a ter o prazo máximo de três anos, podendo ser renovados por igual período, e os jogadores adquirindo direito de voto nas federações estaduais. A médio prazo, Pelé comprometeu-se a promover a implementação da Lei do Passe Livre e a massificação das práticas esportivas no Brasil, especialmente junto às crianças pobres. Sua prioridade seriam as crianças, já que via na prática esportiva uma forma de afastá-las da marginalidade social e econômica.

As atenções imediatas do ministro voltaram-se para o Instituto Nacional de Desenvolvimento do Esporte (Indesp), uma autarquia responsável por estabelecer políticas, captar recursos e manter acordos de intercâmbio com organismos nacionais e internacionais. O Indesp também respondia pelo funcionamento dos bingos no país, prática combatida pelos setores contrários à legalização dos jogos de azar. Joaquim Cardoso, um primo do presidente Fernando Henrique, foi nomeado para dirigir o instituto. Por sua vez, Pelé indicou para o conselho deliberativo pessoas de prestígio no meio esportivo: o jornalista Juca Kfouri, o publicitário Mauro Sales, o dirigente esportivo Carlos Nuzman e os atletas Nélson Piquet e Hortênsia Oliva, além de seu sócio Hélio Viana.

Em agosto lançou o projeto “Esporte solidário na Baixada”, prevendo a construção de sete vilas olímpicas em municípios vizinhos ao Rio de Janeiro. No mês seguinte organizou uma reunião com os presidentes estaduais das Associações de Garantia ao Atleta Profissional (AGAP), quando anunciou a construção, no Rio de Janeiro, da primeira Casa do Atleta, destinada a acolher ex-jogadores sem recursos.

Em novembro, às vésperas das comemorações dos trezentos anos do herói negro Zumbi dos Palmares, fez mais uma declaração polêmica: “Os negros devem votar em candidatos negros.”

No mês seguinte afirmou que membros da CPI criada para investigar as denúncias contra o funcionamento dos bingos, a começar pelo relator, o deputado federal e presidente do Vasco da Gama Eurico Miranda, estavam envolvidos nas irregularidades apontadas.

Em abril de 1996 apresentou ao presidente da República proposta de regulamentação da Lei do Passe, prevista no corpo geral da Lei Zico, estabelecendo a redução da idade máxima para que o atleta tivesse o passe livre de 32 para 24 anos, a criação de seguros de vida e de acidentes de trabalho, contratos coletivos de trabalho etc. No mesmo mês lançou o Programa Paraolímpico Brasileiro, prevendo a organização do esporte praticado por deficientes físicos.

A partir de maio, colocou seu prestígio pessoal a serviço do Comitê Olímpico Brasileiro, no esforço para que o Brasil sediasse os Jogos Olímpicos do ano 2004, no Rio de Janeiro.

Depois de sofrer modificações, a Lei do Passe foi assinada em setembro de 1996. O “Clube dos 13”, associação dos clubes de futebol mais poderosos do país, Eurico Miranda e a CBF ameaçaram não cumpri-la, no que obtiveram o apoio da FIFA. Seu presidente, João Havelange, ameaçou excluir o Brasil da entidade, caso a lei fosse aplicada. Diante de tais pressões, o ministro teve que recuar, reeditando a lei e aumentando a idade máxima para 30 anos, em 1997, para chegar a 25 no ano 2000. Com isso, os opositores ganharam tempo para novos embates no futuro.

Nas eleições municipais de outubro e novembro, Pelé se envolveu ativamente na candidatura de Beto Mansur, do Partido Progressista Brasileiro (PPB), à prefeitura de Santos. Mansur venceu, afastando do poder local o Partido dos Trabalhadores (PT), que governava o município há oito anos.

Em dezembro demitiu 11 funcionários e exonerou o então presidente do Indesp, Asfilófio de Oliveira Filho, por indícios de superfaturamento e de outras irregularidades em contratos. No início de 1997 inaugurou cinco vilas olímpicas na Baixada Fluminense.

Diante das desfigurações sofridas pela Lei Zico, promulgada em 1991, o ministro encaminhou projeto de reformulação do seu conteúdo ao Congresso Nacional, que tinha, dentre outras preocupações, a de coibir a ação de gangues ligadas a jogos de azar e a outras modalidades de crime. Alvo de muitas modificações, o projeto foi aprovado em fevereiro de 1998, passando a ser conhecido como Lei Pelé. Em síntese, restabeleceu critérios e prazos para a profissionalização dos clubes brasileiros de futebol. Até 25 de março de 2000, os clubes teriam que se transformar em empresas. A Justiça esportiva passaria a funcionar autonomamente em relação às federações e poderiam surgir ligas independentes, com atribuições inclusive de organizar campeonatos. O passe seria extinto no ano 2001. As relações de trabalho entre o atleta e o clube, bem como as questões previdenciárias a elas inerentes, seriam análogas às existentes entre empregados e empresa.

Com a decretação da lei, Pelé julgou cumprido seu compromisso de ministro, solicitando sua exoneração do cargo, o que se efetivou em abril de 1998. O Ministério Extraordinário foi extinto e suas funções foram absorvidas pelo Indesp, à época presidido por Luís Felipe Cavalcanti de Albuquerque.

No limiar do século 21, colecionava títulos,  troféus e homenagens de repercussão internacional, tais como o  de Cavaleiro Honorário do Império Britânico, entregue pela rainha Elisabeth II, da Inglaterra, em 1997; o Laureus World Sport Award, entregue pelo líder sul-africano Nelson Mandela, no ano 2000;  Atleta do Século, pelo jornal francês L’Équipe, em 1981, pelo Comitê Olímpico Internacional, em 1999 e pela agência Reuters nesse mesmo ano; Jogador de Futebol do Século, pela revista France-Football, em 1999, e, no ano seguinte, pela  FIFA, prêmio dividido com o argentino Diego Maradona, e pela  Federação Internacional de Estatísticas do Futebol.

Em 2002 encerrou de forma litigiosa sua parceria comercial com Hélio Vianna e criou a empresa Pelé Pro International, administrada por seu filho Edson Cholbi Nascimento, conhecido como Edinho que, em maio de 2005 foi preso sob a acusação de envolvimento com tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. Libertado seis meses depois, voltou a ser encarcerado no presídio de Tremembé, estado de São Paulo, de onde saiu, em abril de 2007, graças a liminar do Supremo Tribunal Federal .

Pelé participa usualmente da cerimônia anual da FIFA de entrega dos prêmios de melhor jogador nas várias modalidades de futebol.  De suas mãos, os brasileiros Ronaldinho Gaúcho, em 2005, Kaká, em 2007 e o português Cristiano Ronaldo, em 2008, receberam os respectivos troféus.

Foi casado com Rosemary Cholby Nascimento, com quem teve três filhos. Separado da primeira esposa desde 1978, em 1994 casou-se com Assíria Lemos do Nascimento, com quem teve filhos gêmeos. Além destes, Pelé teve duas filhas fora de casamento sendo que uma delas, Sandra Regina Machado, recorreu judicialmente para ter a filiação  reconhecida.

Nesse novo século, Pelé continuou sendo uma das pessoas mais citadas nas mídias do  Brasil  e do  mundo por sua participação em campanhas publicitárias, em ações humanitárias  e de incentivo ao esporte, nas cerimônias mais  relevantes da FIFA, na promoção das candidaturas do Brasil a sediar a Copa do Mundo de Futebol de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.  Além disso, seus comentários sobre comportamento de jogadres de futebol famosos  e sobre a seleção brasileira além de fatos relativos a sua vida familiar costumam gerar polêmicas na imprensa.

Publicou Eu sou Pelé (1962), Jogando com Pelé (1974), My life and the beautiful game (1977), Pelé Soccer Training Program (1982), The World Cup murder.

Participou de documentarios e filmes, dentre  eles a produção norte-americana Fuga para a vitória, de  1981, onde contracenou  com os atores Michael Caine e Silvester Stallone

Sinclair Cechine

FONTES:  Almanaque Abril (1997); ASSUNÇÃO, C. A criação; Folha de S. Paulo, (7/11/99, suplemento).; http://pt.wilkipedia.org.; www.direito2.com.br;www.unimes.br.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados