EDSON EDINHO COELHO ARAUJO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ARAÚJO, Edinho
Nome Completo: EDSON EDINHO COELHO ARAUJO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ARAÚJO, EDINHO

ARAÚJO, Edinho

*dep. fed. SP 1995-2000.

Edson Edinho Coelho Araújo nasceu em Santa Fé do Sul (SP) no dia 30 de julho de 1949, filho de Emídio Antônio Araújo e de Gabriela Coelho Araújo.

Entre 1968 e 1972, em Ribeirão Preto (SP), cursou e concluiu os cursos de direito, na Faculdade Lauro de Camargo, e de letras, no Instituto Universitário Moura Lacerda. Como estudante, foi vice-presidente do diretório acadêmico da Faculdade de Direito, presidente do diretório acadêmico do curso de letras e da União Acadêmica Mahatma Gandhi, situada em sua cidade natal. Em 1971 filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação política do regime militar instaurado no país em abril de 1964.

Em 1973, tornou-se professor do Ginásio Estadual de Santa Fé do Sul (onde permaneceria até 1975) e procurador do Instituto Nacional de Previdência Social (INPS) e do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural) nas cidades paulistas de Jales, Santa Fé do Sul, Palmeira d’Oeste e Estrela d’Oeste. Exerceu essa atividade durante três anos. Em 1974 e 1975, foi professor assistente na Faculdade de Educação Física da Alta Araraquarense, em sua cidade natal. Em 1976, concluiu o curso de especialização em direito público pela Faculdade de Direito de São José do Rio Preto (SP) e elegeu-se, em novembro, prefeito de Santa Fé do Sul.

Eleito em 1977 vice-presidente da Associação dos Municípios do Oeste Paulista (entidade em que permaneceria até 1991), com o fim do bipartidarismo, ingressou em 1980 no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), sucessor do MDB. Em setembro de 1980, com o adiamento das eleições municipais por dois anos, teve seu mandato prorrogado até o início de 1983.

Desincompatibilizando-se do cargo executivo, candidatou-se a uma vaga na Assembléia Legislativa de São Paulo nas eleições de novembro de 1982, na legenda do PMDB. Eleito, ocupou, em 1983 e 1984, a primeira vice-presidência da Comissão de Assuntos Municipais e integrou, como titular, a Comissão de Transportes e Comunicação. Também nesse período, foi vice-líder da bancada do PMDB. Eleito deputado estadual constituinte em novembro de 1986, foi, ao longo da legislatura 1987-1991, primeiro vice-presidente da mesa e presidente da Comissão de Constituição e Justiça. Ainda em 1987, concluiu um curso para formação de dirigentes políticos em Caracas, Venezuela; e outro, de sociologia e política, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). No ano seguinte, foi o presidente fundador do Instituto Paulista de Estudo de Base, em São José do Rio Preto.

Em 1989, durante os trabalhos da Assembléia Estadual Constituinte de São Paulo, foi o relator da Comissão Temática de Municípios e Regiões Metropolitanas e participou, como titular, da Comissão de Sistematização. Reeleito mais uma vez deputado estadual, em 1990, atuou como titular da Comissão de Assuntos Municipais e presidiu a comissão especial de inquérito sobre o massacre de 1992, na Casa de Detenção, onde 111 detentos foram mortos por policiais. Em 1992 cursou a Escola de Governo, na Associação Brasileira de Formação de Governante, em São Paulo.

Nas eleições de outubro de 1994, elegeu-se deputado federal obtendo a maioria dos votos provenientes de sua base eleitoral no município de São José do Rio Preto. Nesse mandato, foi titular da Comissão de Constituição e Justiça e vice-líder do PMDB na Câmara.

Nas votações das emendas à Constituição em 1995 pronunciou-se a favor da extinção do monopólio estatal nas telecomunicações, na distribuição de gás canalizado e na exploração do petróleo. Apoiou, também, a abertura da navegação de cabotagem à concorrência internacional e a prorrogação do Fundo Social de Emergência (FSE), rebatizado de Fundo de Estabilização Fiscal (FEF), que permitia ao governo gastar 20% da arrecadação de impostos sem que essas verbas ficassem obrigatoriamente vinculadas aos setores de saúde e educação. Foi contrário, no entanto, à emenda que eliminou todas as distinções jurídicas entre empresas nacionais e estrangeiras.

No primeiro semestre de 1996, segundo levantamento do jornal Folha de S. Paulo, foi um dos deputados mais assíduos, comparecendo a todas as 47 sessões deliberativas do período. Em junho seguinte votou a favor da criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) — que substituiu o Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF) — imposto de 0,2% sobre transações bancárias criado como fonte complementar de recursos para a saúde. Ainda em 1996, fez parte da Comissão de Ciência e Tecnologia e foi vice-líder do bloco formado pelo PMDB e o Partido da Reedificação da Ordem Nacional (Prona).

Em outubro de 1996, seu nome chegou a ser cogitado pelo PMDB para presidir a comissão especial que analisaria a emenda da reeleição para presidente da República, governadores e prefeitos. Porém, o escolhido acabou sendo o deputado Odacir Klein (PMDB-RS). Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, Edinho Araújo mostrou-se favorável à reeleição uma vez apenas e, obedecido o intervalo legal, o retorno à atividade política.

Em janeiro/fevereiro de 1997, votou a favor da emenda da reeleição para presidente da República, governadores e prefeitos. Em maio daquele ano, participou da comissão de sindicância instalada para apurar a denúncia de venda do voto favorável à reeleição pelo deputado Ronivon Santiago, do Partido da Frente Liberal (PFL) do Acre. Em novembro seguinte, pronunciou-se favoravelmente à quebra da estabilidade do servidor público, item da reforma administrativa.

Foi reeleito em outubro de 1998. No mês seguinte, votou a favor do teto de 1.200 reais para aposentadorias no setor público e do estabelecimento de idade mínima e tempo de contribuição para o setor privado, itens que definiram a reforma da previdência. Iniciou seu novo mandato em fevereiro de 1999 e participou como titular das comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática e de Constituição e Justiça e de Redação. Foi ainda presidente e primeiro-vice-presidente da Comissão de Viação e Transportes. Ainda em 1999 ingressou no Partido Popular Socialista (PPS) e em 2000 votou a favor da criação da Lei de Responsabilidade Fiscal. 

Nas eleições municipais de 2000, foi candidato a prefeito de São José do Rio Preto pelo PPS, tendo disputando o segundo turno contra Manoel Antunes, candidato do Partido da Frente Liberal (PFL). Logrou êxito ao ser eleito com 70.296 votos, correspondentes a equivalente a 37% do total válido na ocasião. Reeleito em 2004, assumiu novo mandato à frente da Prefeitura de São José do Rio Preto em Janeiro seguinte.

Finda sua gestão em 2008, no ano seguinte retornou ao PMDB, no qual assumiu o cargo de secretário adjunto no diretório estadual do partido. Então sem cargo eletivo, foi indicado para presidente da Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo (CODASP), na qual permaneceria até 2010. Neste ano, renunciou à presidência da entidade e concorreu a novo mandato na Câmara dos Deputados. Foi eleito com 100.195 votos. Neste terceiro mandato no Congresso, voltou a integrar a Comissão de Viação e Transportes. Atuou também em comissões especiais, como a destinada a analisar a PEC 051/2003, referente à alteração de posse para cargo eletivo, na de Reforma Política, da qual foi também 1º Vice-Presidente, de Catástrofes Climáticas, do Sistema Distrital Misto, na qual também atuou como 1º Vice-Presidente, na do PL 3555/04, sobre Normas Gerais Contrato Seguro Privado, e na de Regulamentação da Constituição Federal. Em 2013 foi indicado novamente para assumir a Vice-Liderança do PMDB na Câmara dos Deputados.

Casou-se com Maria Elza, com quem teve três filhos.

Publicou O sonho realizado (1998).

 Luiz Otávio de Sousa/Marcelo Costa

FONTES: Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.gov.br>. Acesso em 01/10/2014; Portal pessoal do deputado federal de Edinho Araújo. Disponível em: <http://www.edinhoaraujo.com.br>. Acesso em 01/10/2014; Portal de PMDB na Câmara. Disponível em: <http://www.pmdbnacamara.org.br>. Acesso em 01/10/2014; Portal Terra. Disponível em: <http://noticias.terra.com.br>. Acesso em 01/10/2014; Portal do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo. Disponível em: <http://www.tre-sp.jus.br>. Acesso em 01/10/2014; Portal do Tribunal Superior Eleitoral. Disponível em: Tribunal Superior Eleitoral. Disponível em: <http://www.tse.jus.br>. Acesso 01/10/2014. 


Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados