FIRMO FREIRE DO NASCIMENTO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: FREIRE, Firmo
Nome Completo: FIRMO FREIRE DO NASCIMENTO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
FREIRE, FIRMO

FREIRE, Firmo

*militar; ch. Gab. Mil. Pres. Rep. 1942-1945.

 

Firmo Freire do Nascimento nasceu em Buquim (SE) no dia 1º de dezembro de 1881, filho de Manuel Eugênio do Nascimento.

Sentou praça em maio de 1898, ingressando na Escola Preparatória e de Tática do Realengo, cujo curso concluiu em 1901, quando passou a cursar a Escola Militar do Brasil. Alferes-aluno em 1903, formou-se em novembro do ano seguinte, ficando a partir de então adido à 3ª Companhia do 1º Batalhão de Infantaria (1º BI). Em janeiro de 1905 foi transferido para a 1ª Companhia do 23º BI, onde permaneceu apenas dois meses. De então até setembro permaneceu adido à 2ª Companhia do 7º BI e em seguida foi transferido para a 2ª Bateria do 2º Regimento de Artilharia da Costa (2º RAC), Nele permaneceu até março de 1906, ingressando no mês seguinte na Escola de Artilharia e Engenharia. Promovido a segundo-tenente em janeiro de 1907, terminou o curso em 1908.

Adido ao 17º Regimento de Cavalaria (17º RC), trabalhou na construção da Estrada de Ferro Timbó (BA)-Propriá (SE) de 1909 a fevereiro de 1911, quando foi transferido para a 6ª Companhia de Caçadores. Promovido a primeiro-tenente em maio desse ano, foi encarregado das obras do Depósito de Artigos Bélicos, do exame do prédio da Delegacia Fiscal de Sergipe, e da organização de novo projeto do edifício da Alfândega desse estado. Em 1912, após ter servido nos meses de abril a agosto, como auxiliar do Serviço de Engenharia da 9ª Região de Inspeção Permanente, foi colocado à disposição do Ministério das Relações Exteriores atuando até 1916 como engenheiro na função de auxiliar da Comissão Militar de Limites com a Venezuela.

Ingressou na política ao eleger-se deputado à Assembléia Legislativa de Sergipe, iniciando o mandato em maio de 1916. Reelegendo-se em 1918, foi promovido a capitão em agosto desse ano e ocupou a cadeira de deputado estadual até janeiro de 1920. Retornando à atividade militar, serviu no 2º Regimento de Cavalaria Independente, onde, até dezembro de 1920, exerceu por períodos alternados as funções de fiscal e de comandante do 1º Esquadrão. Em 1921 freqüentou o curso de revisão da Escola do Estado-Maior, organizado pela Missão Militar Francesa, que, enviada ao Brasil sob a chefia do general Maurice Gustave Gamelin, foi responsável pela remodelação do Exército brasileiro. De 1922 a 1924 serviu na 1ª Região Militar (1ª RM), no Rio de Janeiro, chefiando a 1ª e, a seguir, a 2ª seção do estado-maior dessa região.

Promovido a major em janeiro de 1924, passou a servir como fiscal na Escola Militar, exercendo essa função até maio de 1927, quando atingiu o posto de tenente-coronel. Designado a seguir para a 3ª RM, sediada em Porto Alegre, exerceu a função de chefe interino e, em seguida, permanente, do estado-maior, tendo respondido algumas vezes pelo expediente do quartel-general da região. Promovido a coronel em maio de 1929, chefiou o estado-maior da 3ª RM até outubro de 1930. Durante a revolução deflagrada no dia 3 desse mês, resistiu, juntamente com os demais oficiais do estado-maior da 3ª RM, comandada pelo general Gil de Almeida, ao ataque revolucionário à unidade, mantendo-se ao lado do governo de Washington Luís. Com a derrota dessa resistência legalista, foi aprisionado, em companhia daqueles oficiais, pelo exército revolucionário.

Colocado em liberdade após a vitória do movimento que levou Getúlio Vargas ao poder, passou a servir no Departamento de Pessoal do Exército (DPE), sendo então encarregado de um inquérito policial-militar (IPM). Cumulativamente chefe e comandante da guarnição da 12ª Circunscrição de Recrutamento de agosto de 1931 a 1932, voltou a servir no DPE em agosto deste último ano, quando foi mais uma vez encarregado de um IPM. Conduzindo o IPM durante o período do movimento constitucionalista de 1932, em São Paulo, foi preso e reformado em outubro desse ano. Anistiado em maio de 1934, voltou então à ativa, sendo designado novamente para o DPE. Em agosto de 1935, foi transferido para o 5º Regimento de Cavalaria Divisionária, em Castro (PR), onde, até setembro do ano seguinte, assumiu as funções de comandante por diversos períodos. Exerceu também o comando da 5ª RM sediada em Curitiba. Designado para o Estado-Maior do Exército (EME) em outubro de 1936, foi indicado em dezembro seguinte para a Inspetoria do 1º Grupo de Regiões Militares (GRM) e, em julho de 1937, para o do 2º GRM. Em ambos, exerceu a chefia do estado-maior.

Designado para a chefia do estado-maior da 2ª RM, com sede em São Paulo, em novembro de 1937, na véspera do golpe do Estado Novo, foi promovido a general-de-brigada no mês seguinte. Em 1938 tornou-se interino da 2ª RM e comandante da 3ª Brigada de Infantaria. Em outubro desse ano foi transferido para o quartel-general da guarnição de Caçapava (SP), onde exerceu em caráter interino o comando da Infantaria Divisória/2 (ID/2). Subchefe e chefe interino do Estado-Maior do Exército (EME) de fevereiro a junho de 1939, assumiu no mês seguinte o comando da 7ª RM, sediada em Recife, permanecendo no posto até junho de 1940. Foi a seguir designado para a Secretaria Geral do Ministério da Guerra, onde presidiu a comissão encarregada de rever o Regulamento Disciplinar do Exército, exercendo ainda o cargo de diretor de Cavalaria, Trem, Remonta e Veterinária de setembro a dezembro de 1940 e de diretor da arma de cavalaria de janeiro de 1941 a setembro do ano seguinte.

Nomeado chefe do Gabinete Militar da Presidência da República e secretário-geral do Conselho de Segurança Nacional (CSN) em setembro de 1942, a partir de janeiro do ano seguinte presidiu a Comissão Especial de Revisão das Concessões de Terra da Faixa de Fronteiras, sendo promovido a general-de-divisão em junho do mesmo ano. Em outubro de 1944 passou a acumular esses cargos com o de presidente da Comissão do Planejamento Econômico que, criada no mês anterior, ao final da Segunda Guerra Mundial sob presidência do secretário-geral do CSN, tinha por objetivo rever e coordenar a adaptação da economia às condições exigidas pelos tempos de paz.

Como chefe do Gabinete Militar da Presidência da República, foi designado por Getúlio Vargas, em 29 de outubro de 1945, para ir até o Ministério da Guerra convocar o general Pedro Aurélio de Góis Monteiro — que havia pedido demissão do cargo de ministro da Guerra poucas horas antes — e o general Eurico Gaspar Dutra para uma reunião com o presidente. A demissão de Góis Monteiro teria sido provocada pela substituição de João Alberto Lins de Barros por Benjamim Vargas no cargo de chefe de polícia do Distrito Federal, efetuada sem seu conhecimento. Voltando da missão com a notícia de que Góis Monteiro não atenderia ao chamado, Firmo Freire — que já tentara sem êxito, convencer o presidente a anular a nomeação de Benjamim Vargas — informou Getúlio de que havia encontrado o Ministério da Guerra repleto de oficiais de alta patente fardados. Horas depois, ultimava-se o golpe, que, coordenado por Góis Monteiro, efetivou a deposição de Vargas no próprio dia 29 de outubro de 1945.

Firmo Freire foi reformado em novembro de 1945.

Faleceu no dia 9 de julho de 1967.

 

 

FONTES: ALMEIDA, G. Homens; ARQ. MIN. EXÉRC.; CORRESP. GAB. MIL. PRES. REP.; COUTINHO, L. General; FICHÁRIO PESQ. M. AMORIM; HIRSCHOWICZ, E. Contemporâneos; LAGO, L. Relação; NABUCO, C. Vida.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados