FLAVIO GURGEL ROCHA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ROCHA, Flávio
Nome Completo: FLAVIO GURGEL ROCHA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ROCHA, FLÁVIO

ROCHA, Flávio

*const. 1987-1988; dep. fed. RN 1987-1995.

Flávio Gurgel Rocha nasceu em Recife, no dia 14 de fevereiro de 1958, filho de Nevaldo Rocha e de Eliete Gurgel Rocha. A família é proprietária de um dos 50 maiores grupos privados do país.

Formado em administração de empresas pela Fundação Getulio Vargas (FGV) de São Paulo, iniciou-se na política em novembro de 1986, concorrendo à uma vaga de deputado federal constituinte pela legenda do Partido da Frente Liberal (PFL). Eleito, transferiu-se para o Partido Liberal (PL), tomando posse no dia 1º de fevereiro de 1987. Titular na Subcomissão de Orçamento e Fiscalização Financeira, da Comissão do Sistema Tributário, Orçamento e Finanças, e suplente da Subcomissão da Nacionalidade, da Soberania e das Relações Internacionais, da Comissão da Soberania e dos Direitos e Garantias do Homem e da Mulher, votou contra o rompimento de relações diplomáticas com países que praticassem políticas de discriminação racial, a pena de morte, a limitação do direito de propriedade, o turno ininterrupto de seis horas, a jornada semanal de 40 horas, a demissão sem justa causa e a proibição do comércio de sangue. E a favor do mandado de segurança coletivo, da pluralidade sindical, do presidencialismo, do voto facultativo aos 16 anos, do mandato de cinco anos para o então presidente José Sarney, da anistia aos micro e pequenos empresários e da legalização do jogo do bicho.

Promulgada a nova Constituição, Flávio Rocha integrou-se aos trabalhos legislativos ordinários do Congresso Nacional como titular da Comissão de Economia Indústria e Comércio, e como suplente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática. Embora ocupasse os cargos de vice-presidente nacional e presidente da seção regional do PL no Rio Grande do Norte, desligou-se do PL e filiou-se ao Partido da Reconstrução Nacional (PRN), legenda pela qual Fernando Collor de Melo se elegera presidente da República em dezembro de 1989.

Presidente do diretório regional do PRN, no pleito de outubro 1990 foi o candidato mais votado do estado, reelegendo-se com 72.406 votos.

Assessorado pelo economista da FGV Marcos Cintra, apresentou em 1991 uma proposta de emenda constitucional criando o Imposto Único sobre Transações — uma alíquota de 2% sobre todas as operações financeiras, a ser repartida entre credor e devedor — em substituição aos 58 impostos existentes, incluindo o imposto de renda. Os recursos arrecadados seriam depositados numa conta única e repassados à União.

De volta às fileiras do PL, na sessão da Câmara dos Deputados de 29 de setembro de 1992, votou a favor da abertura do processo de impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo ex-tesoureiro de sua campanha presidencial Paulo César Farias. Afastado da presidência logo após a votação na Câmara, Collor renunciou ao mandato em 29 de dezembro de 1992, pouco antes da conclusão do processo pelo Senado Federal, sendo efetivado na presidência da República o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde o dia 2 de outubro.

Em abril de 1994 o PL foi o primeiro partido a oficializar uma candidatura à sucessão presidencial, lançando Flávio Rocha, que numa prévia interna superara o brigadeiro Ivan Frota. No mês seguinte, já em campanha, Flávio Rocha sugeriu às forças de centro que abandonassem a candidatura Fernando Henrique, optando por um nome alternativo que evitasse a vitória de Lula no primeiro turno — o senador catarinense Esperidião Amin, do Partido Progressista Reformador (PPR), ou ele próprio.

Durante a campanha, tendo como principal bandeira a sua proposta de imposto único, mas em virtude dos baixíssimos índices nas pesquisas de intenções de voto, sofreu pressões do próprio partido para renunciar em favor de uma coligação com outra candidatura. Negando veracidade a tais histórias, prosseguiu ocupando o horário eleitoral e divulgando seu plano de governo.

Em agosto de 1994, em face de denúncias sobre a existência de um “mercado paralelo” de venda ilegal de bônus eleitorais com deságio a fim de legalizar recursos de empresas não contabilizados oficialmente, Flávio Rocha demitiu o coordenador do comitê envolvido, seu primo Teófilo Furtado Neto. Pouco depois, tendo obtido a renúncia do candidato a vice, Jadiel Loredo Júnior, a executiva nacional do PL forçou a retirada de Flávio Rocha. O partido acabou apoiando a candidatura vitoriosa de Fernando Henrique Cardoso, lançada por coligação do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) com o Partido da Frente Liberal (PFL) e Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).

Flávio afastou-se da política, tornando-se, então, um dos diretores da empresa da família, a Guararapes. Segundo os registros do TSE, ele manteve-se filiado ao PL até 2002. Alguns jornais atribuem seu afastamento da política às pressões de seu pai, Nevaldo Rocha, a fim de que pudesse se dedicar totalmente à presidência da empresa, cargo que passou a ocupar depois da aposentadoria do pai. Em fevereiro de 2004, contudo, o Jornal do Brasil informou que Flávio estaria “esquentando” uma candidatura ao Senado pelo Rio Grande do Norte, o que acabou não se concretizando, já que não disputou as eleições de outubro de 2006. Em 2009, novamente o assunto voltou à cena. Segundo o blog do jornalista potiguar Marcos Dantas, Flávio Rocha teria se encontrado com a governadora Vilma Maia, durante a inauguração da expansão de um shopping de Natal, construído pela empresa da família de Flávio. Nessa ocasião, a governadora teria se comprometido a apoiar a candidatura de Flávio ao Senado.

Casou-se com a gaúcha Anna Cláudia Klein Rocha, com quem teve três filhos. Teve ainda um outro filho, fruto de um relacionamento anterior com Alda Ramalho Pereira, filha do ex-governador do Rio Grande do Norte, Radir Pereira de Araújo.

 

Luciana Barbosa Arêas

atualização


FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; Estado de S. Paulo (21/1/93, 5/7 e 8/8/94); Folha de S. Paulo (14/8/91, 19/4, 11/6, 5, 8, 11 e 12/8/94); Globo (11/7/91, 23/9/92, 8 e 11/8/94); Jornal do Brasil (17 e 18/6, 24/7, 6 e 8/8/94; 26/02/04); Tribunal Superior Eleitoral (2002); “Blog do Marcos Dantas”, (25/04/09).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados