FRANCO FILHO, AFRANIO DE MELO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: FRANCO FILHO, Afrânio de Melo
Nome Completo: FRANCO FILHO, AFRANIO DE MELO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
FRANCO FILHO, AFRÂNIO DE MELO

FRANCO FILHO, Afrânio de Melo

*diplomata; encar. neg. Bras. EUA 1949, 1951-1952 e 1953.

 

Afrânio de Melo Franco Filho nasceu em Belo Horizonte no dia 28 de junho de 1901, filho de Afrânio de Melo Franco e de Sílvia Alvim de Melo Franco. Diversos membros das famílias de seus pais destacaram-se desde o Império como políticos, intelectuais e diplomatas. Seu avô paterno, Virgílio Martins de Melo Franco, foi deputado provincial no Império e senador estadual em Minas Gerais entre 1892 e 1923. Seu avô materno, Cesário Alvim, foi deputado geral por Minas Gerais, presidente da província do Rio de Janeiro e, após a proclamação da República, presidente de Minas Gerais de 1889 a 1892, ministro da Justiça em 1890 e prefeito do Rio de Janeiro, então Distrito Federal, de 1898 a 1900. Seu pai foi deputado estadual em Minas Gerais de 1903 a 1906, deputado federal entre 1906 e 1909, ministro da Viação de 1918 a 1919, embaixador do Brasil junto à Liga das Nações de 1924 a 1926, ministro das Relações Exteriores de 1930 a 1933, presidente da Comissão Constitucional da Assembléia Nacional Constituinte de 1934, constituinte do estado de Minas Gerais em 1935 e deputado estadual até 1937. Seu tio, Afonso Arinos de Melo Franco, foi escritor da escola regionalista, autor de Pelo sertão e membro da Academia Brasileira de Letras. Seu irmão, Virgílio Alvim de Melo Franco, foi um dos líderes da Revolução de 1930, deputado constituinte por Minas Gerais em 1934, deputado federal de 1935 a 1937 e um dos fundadores da União Democrática Nacional (UDN) em 1943. Seu outro irmão, Caio de Melo Franco, também diplomata, foi embaixador do Brasil na França de 1953 a 1955. Um terceiro irmão, Afonso Arinos de Melo Franco, foi deputado federal por Minas Gerais de 1947 a 1959, senador pelo Distrito Federal de 1959 a 1961, ministro das Relações Exteriores em 1961, senador pelo estado da Guanabara de 1961 a 1967 e novamente ministro das Relações Exteriores em 1962, constituinte em 1987-1988 e senador pelo Rio de Janeiro entre 1987 e 1990.

Afrânio de Melo Franco Filho concluiu seus estudos secundários no Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, e bacharelou-se posteriormente pela Faculdade de Direito dessa mesma cidade.

Em 1918 foi oficial-de-gabinete do diretor da Rede Mineira de Viação e em março de 1924 ingressou na carreira diplomática como terceiro-secretário, lotado na Secretaria do Ministério das Relações Exteriores. Promovido a segundo-secretário em janeiro de 1926, permaneceu na secretaria até abril seguinte e, de agosto a dezembro do mesmo ano, serviu junto à embaixada brasileira em Montevidéu. Em maio de 1927 foi removido para Berna, na Suíça, ficando nessa cidade até novembro de 1931, quando retornou ao Brasil para a Secretaria do Itamarati. Nesse mesmo ano foi encarregado da organização e da superintendência do pavilhão brasileiro de café na Exposição Suíça de Higiene. Em novembro de 1933 foi designado secretário da delegação brasileira à VII Conferência Internacional Americana, realizada em Montevidéu.

Transferido em abril de 1935 para Paris, permaneceu na capital francesa até dezembro de 1938, quando foi promovido a primeiro-secretário e voltou ao Brasil, onde serviu até março de 1939. No mês seguinte foi designado para Santiago, no Chile, de onde regressou ao Brasil em setembro de 1941 para assumir a chefia da Divisão de Passaportes. Desempenhou essa função até outubro de 1943, juntamente com a de membro da Seção de Segurança Nacional do ministério, que exerceu de janeiro a outubro desse mesmo ano. Nesta última condição participou, em setembro, da comissão designada para atuar junto à delegação da Comissão de Emergência para Defesa Política do Continente. Durante esse período representou ainda o Itamarati no Conselho de Imigração e Colonização reunido em outubro para elaborar o texto final da consolidação e reforma das leis de imigração e colonização.

Em novembro de 1943 foi transferido para Buenos Aires, onde serviu durante dois anos. Após seu retorno ao Brasil, foi nomeado, em abril de 1946, chefe da Divisão de Atos, Congressos e Conferências Internacionais do ministério, integrando, no mês seguinte, a Comissão Nacional de Fiscalização de Entorpecentes. Em maio do mesmo ano recebeu o título de conselheiro e em abril de 1947 foi promovido a ministro de segunda classe. Em setembro seguinte foi nomeado delegado suplente à II Sessão da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque. Em agosto de 1948 foi transferido como ministro-conselheiro para Washington, onde atuou como encarregado de negócios de julho a outubro de 1949 e de janeiro a março de 1951, em substituição ao embaixador Maurício Nabuco. Em setembro desse último ano, participou, como delegado suplente do Brasil, da conferência para a assinatura da paz dos Estados Unidos com o Japão, realizada em São Francisco, Califórnia, nos Estados Unidos. De outubro desse ano até setembro de 1952, atuou novamente como encarregado de negócios do Brasil em Washington, substituindo sucessivamente os embaixadores Maurício Nabuco e Válter Moreira Sales. Em outubro desse último ano voltou ao Brasil, designado mais uma vez para a Secretaria do Itamarati, e, ainda em dezembro de 1952, foi promovido a ministro de primeira classe.

Nomeado encarregado de negócios em Washington em março de 1953, em substituição ao embaixador Válter Moreira Sales, foi designado em seguida embaixador na Costa Rica, tendo representado o Brasil na posse do presidente daquele país, José Figueres, em outubro desse mesmo ano. Lá permaneceu até março de 1955, quando foi removido para Ottawa, no Canadá, onde serviu até 1957. No ano seguinte foi nomeado embaixador em Berna, na Suíça, tendo chefiado a representação brasileira até janeiro de 1963. Em julho desse ano chefiou a delegação do Brasil ao Conselho Econômico e Social da ONU e, em setembro seguinte, à Conferência dos Países Não-Alinhados, realizada em Belgrado, na Iugoslávia.

Em 1963 foi designado embaixador do Brasil em Bruxelas, na Bélgica, tendo ocupado esse cargo até dezembro de 1965, quando se aposentou.

Durante sua carreira diplomática, foi ainda chefe da delegação do Brasil à XXII Sessão do Conselho Econômico e Social da ONU.

Faleceu na cidade do Rio de Janeiro no dia 11 de março de 1981.

Era casado com Gemina Pereira de Melo Franco.

 

FONTES: ARQ. GETÚLIO VARGAS; Globo (12/3/81); Jornal do Brasil (12/3/81); Manchete (1/11/80); MIN. REL. EXT. Anuário (1964 e 1966).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados