FRAZAO, SERGIO ARMANDO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: FRAZÃO, Sérgio Armando
Nome Completo: FRAZAO, SERGIO ARMANDO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
FRAZÃO, SÉRGIO ARMANDO

FRAZÃO, Sérgio Armando

*diplomata; pres. IBC 1961-1963; emb. Bras. Uruguai 1966-1968; emb. Bras. Alemanha Ocid. 1970-1971; emb. Bras. ONU 1971-1975.

 

Sérgio Armando Frazão nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 26 de fevereiro de 1917, filho de Félix Armando de Morais Frazão e Zélia Halbout de Amorim Frazão.

Bacharelando-se pela Faculdade de Direito da Universidade do Brasil, em sua cidade, ingressou na carreira diplomática em 1942, como cônsul de terceira classe. Em 1943 foi auxiliar do representante do Ministério das Relações Exteriores junto ao Conselho Nacional de Imigração e Colonização, por ocasião da reforma das leis de imigração e colonização, e no ano seguinte foi transferido para Paris. Vice-cônsul nessa cidade de 1944 a 1946, nesse último ano foi promovido a segundo-secretário. Removido para Varsóvia, Polônia, foi encarregado de negócios nessa cidade em 1948. Exerceu as mesmas funções em Viena, na Áustria, em 1950, e, promovido a primeiro-secretário em 1952, integrou a missão junto à Organização das Nações Unidas (ONU) de 1953 a 1955. Serviu na embaixada brasileira no Chile de 1955 a 1957, atuando como encarregado de negócios na capital chilena em 1956.

Chefe-substituto da Divisão Comercial do Itamarati em 1957, foi, no ano seguinte, representante desse ministério junto ao Instituto Brasileiro do Café (IBC). Promovido a conselheiro em 1958, foi chefe do Serviço Econômico da Europa desse ano até o ano seguinte e ainda em 1959 participou da junta diretora do Comércio Internacional do Café, em Washington. Promovido a ministro de segunda classe também em 1959, tornou-se chefe da Divisão Comercial do Ministério das Relações Exteriores. Transferido em seguida para Lisboa, foi ministro-conselheiro da embaixada brasileira até 1960 e encarregado de negócios nesse mesmo ano. Designado a seguir ministro-conselheiro da embaixada do Brasil em Washington, permaneceu nesse posto até 1961. Durante sua permanência na capital norte-americana, foi presidente do Convênio Internacional do Café.

Estudioso dos problemas relativos ao café, foi nomeado, em fevereiro de 1961, presidente do IBC, sucedendo a Renato Costa Lima. Suas principais preocupações durante a gestão foram a repressão ao contrabando do café e a ampliação da comercialização do produto, que seria “o verdadeiro financiador do desenvolvimento econômico nacional”. Promovido a ministro de primeira classe ainda em 1961, chefiou a delegação brasileira à Conferência Internacional do Café, realizada em Nova Iorque em junho de 1962. Ainda em 1962, na vigência do regime parlamentarista no Brasil (setembro de 1961 a janeiro de 1963), foi assessor especial da presidência do Conselho de Ministros. Em julho de 1963 deixou a presidência do IBC, sendo substituído por Nélson Maculan.

Nomeado embaixador do Brasil na República Árabe Unida, exerceu a função de março a dezembro de 1964. Nesse período participou, como observador do Brasil, da Conferência dos Países Não-Alinhados, realizada no Cairo. Entre 1966 e 1968 foi embaixador do Brasil no Uruguai. Em seguida passou a chefiar a delegação brasileira junto aos organismos internacionais da ONU sediados em Genebra (Suíça). Desempenhou essa função até 1969, ano em que chefiou a delegação brasileira à Conferência sobre Desarmamento, realizada nessa cidade. Nomeado embaixador do Brasil na República Federal da Alemanha em fevereiro de 1970, permaneceu nesse posto até maio de 1971. Em junho deste último ano passou a embaixador do Brasil na ONU. Como tal, foi vice-presidente e depois presidente do Conselho Econômico e Social da ONU, e chefe das delegações brasileiras às LI, LII, LIII, LV e LVII sessões desse conselho. No encerramento dos debates da Comissão Política Especial da ONU para a Segregação Racial, garantiu o apoio do Brasil a medidas contra o racismo e pediu esforços da ONU para a melhoria das condições da população negra da África do Sul. Em 1975 foi nomeado embaixador brasileiro em Madri, função que desempenhou até 1982. No ano seguinte passou a chefiar a delegação permanente do Brasil junto à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), com sede em Paris, vindo a aposentar-se ainda nesse mesmo ano.

Foi ainda professor de direito internacional público na Faculdade de Direito da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 7 de janeiro de 1986.

Era casado com Lice de Faria Frazão, com quem teve um filho, Armando Sérgio Frazão, também diplomata.

 

FONTES: CONSULT. MAGALHÃES, B.; Grande encic. Delta; Grande encic. portuguesa; INF. Nélson Maculan; INF. Div. Pes. Itamarati; MIN. REL. EXT. Almanaque; MIN. REL. EXT. Anuário (1973); Rev. Comércio do Café (2).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados