FREIRE, JORGE LINS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: FREIRE, Jorge Lins
Nome Completo: FREIRE, JORGE LINS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
FREIRE, JORGE LINS

FREIRE, Jorge Lins

*pres. BNDES 1983-1984.

 

Jorge Lins Freire nasceu em Salvador no dia 27 de abril de 1942, filho de Jaime Sampaio Freire e Crisantema Lins Freire.

Bacharelou-se em administração de empresas pela Universidade Federal da Bahia em 1971, e em março do mesmo ano foi nomeado assessor-chefe da Secretaria da Fazenda da Bahia. Em maio de 1974 tornou-se secretário da Fazenda da Bahia, no governo de Antônio Carlos Magalhães, e presidente da Comissão de Integração do Sistema Financeiro, cargos que ocupou até março de 1975. Em abril tornou-se subsecretário da Fazenda do Rio de Janeiro no governo de Floriano Peixoto Faria Lima e em fevereiro de 1976 foi nomeado presidente da Comissão de Programação Financeira do mesmo estado, exercendo ambas as funções até janeiro de 1977. No mês seguinte, tornou-se diretor financeiro de Furnas — Centrais Elétricas S.A., onde permaneceu até março de 1979. Nesse ano foi ainda nomeado diretor do Instituto Brasileiro de Executivos Financeiros (IBEF), no Rio de Janeiro, presidente do Banco de Desenvolvimento do Estado da Bahia (Desenbanco) e membro do conselho de Administração de Empresas de Desenvolvimento Urbano e Articulação Municipal (Interurb).

Em setembro de 1980 assumiu a presidência da Promoções e Participações da Bahia S.A. (Propar) e no ano seguinte atuou como membro da Comissão Consultiva do Mercado de Capitais do Conselho Monetário Nacional. Em março de 1982 tornou-se presidente da Associação Brasileira de Bancos de Desenvolvimento, e desse mês a outubro do ano seguinte foi membro da diretoria executiva e vice-presidente da Fundação Baiana para Estudos Econômicos e Sociais.

Em setembro de 1983 foi nomeado presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), substituindo a Luís Sande de Oliveira, bem como do BNDES Participações S.A. (Bndespar). Permaneceu na presidência do banco até outubro de 1984, quando foi exonerado pelo presidente João Figueiredo, em virtude de divergências entre Antônio Carlos Magalhães, que o indicara para o cargo, e o governo federal, devido ao fato de Antônio Carlos haver se engajado na campanha de Tancredo Neves para a presidência da República. Lins Freire foi substituído por José Carlos Perdigão Medeiros da Fonseca, então diretor da área internacional e financeira do BNDES.

Durante o período em que presidiu o BNDES, foi também presidente da junta de administração da Agência Especial de Financiamento Industrial (Finame) e membro do Conselho Monetário Nacional, do conselho deliberativo da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e do Conselho de Tecnologia Industrial da Secretaria de Tecnologia Industrial do Ministério da Indústria e Comércio, de março a outubro de 1984.

Em janeiro de 1985 foi nomeado diretor do Banco Econômico S.A., onde permaneceu até maio de 1990, para em seguida assumir a presidência do Banco do Nordeste do Brasil S.A., cargo que ocupou até outubro de 1992. Nesse último período voltou a atuar como membro do Conselho Monetário Nacional e do conselho deliberativo da Sudene. De julho de 1990 a fevereiro de 1992 tornou-se membro do conselho de administração da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (CHESF).

Em março de 1993 assumiu a vice-presidência das empresas não-financeiras do Grupo Econômico, onde permaneceu até agosto de 1995. Nesse mesmo ano tornou-se coordenador da comissão de economia da Federação de Indústrias da Bahia, função que exerceu até 1996, ano em que foi membro do conselho permanente de política econômica da Confederação Nacional de Indústria e do conselho deliberativo do Sebrae, na Bahia.

Em 1º de janeiro de 1997 assumiu a Secretaria Municipal da Fazenda de Salvador, na administração do prefeito Antônio Imbassaí, que tomou posse naquela ocasião. Em setembro do ano seguinte, tornou-se diretor do Centro de Indústrias do Estado da Bahia.

Em 2002, com o apoio do empresariado e do senador Antônio Carlos Magalhães, Jorge Lins Freire tomou posse na presidência da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB). Em 30 de março de 2006, numa solenidade que contou com as presenças de Antônio Carlos Magalhães e do governador Paulo Souto, Jorge Lins Freire foi reconduzido à presidência da FIEB e do Centro das Indústrias do Estado da Bahia para o período 2006-2010, por unanimidade dos votos válidos, equivalentes a 95% do colégio eleitoral da instituição. Em seu discurso de posse, Freire pronunciou-se a favor do aprofundamento das reformas do Estado, seletividade dos gastos públicos e planejamento de longo prazo, da queda das taxas de juros e da redução da relação dívida/PIB.

Casou-se com Elci Santos Freire, com quem teve um filho.

 

FONTES: ARQ. PUB. EST. RJ. Internet; BNDES. CURRIC. BIOG.; INF. BIOG.; Veja (17/10/84); Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados