GAERTNER, ERASTO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GAERTNER, Erasto
Nome Completo: GAERTNER, ERASTO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GAERTNER, ERASTO

GAERTNER, Erasto

*const. 1946; dep. fed. PR 1946-1951.

 

Erasto Gaertner nasceu em Curitiba no dia 24 de abril de 1900, filho de Luís Gaertner, marceneiro, e de Maria Tertuliana Fagundes dos Reis Gaertner. Seu avô paterno, de origem alemã, foi pastor luterano, tendo fundado a Igreja Evangélica do Paraná.

Após os primeiros estudos em Curitiba, nas escolas Tiradentes e Alemã e no Colégio Júlio Teodorico Guimarães, cursou o Ginásio Paranaense entre 1913 e 1917. Durante o mesmo período, tornou-se por concurso funcionário dos Correios e Telégrafos, passando a custear seus estudos. Entre 1917 e 1920, colaborou também em jornais de Curitiba, principalmente na Gazeta do Povo. Em 1920, ingressou na Faculdade de Medicina da Universidade do Paraná, transferindo-se em 1923 para a Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, pela qual se diplomou em 1925. Aprovado em concurso para livre-docente de clínica cirúrgica na Faculdade de Medicina da Universidade do Paraná em 1927, viajou em 1929 para a Europa, realizando cursos de cirurgia em alguns países. Ao regressar, participou da Revolução de 1930 e, no ano seguinte, conquistou a cátedra de clínica urológica naquela mesma universidade. Em 1932, tomou parte na Revolução Constitucionalista como médico, no posto de coronel.

Eleito em outubro de 1934 deputado à Assembléia Constituinte do Paraná, sendo o deputado mais votado no estado, assumiu sua cadeira em maio de 1935. Exerceu o mandato até 10 de novembro de 1937, quando, com o advento do Estado Novo, os órgãos legislativos do país foram suprimidos. Com a redemocratização do país em 1945, foi um dos fundadores da União Democrática Nacional (UDN), em cuja legenda elegeu-se deputado pelo Paraná à Assembléia Nacional Constituinte no pleito de dezembro desse ano. Assumindo sua cadeira em março de 1946, participou dos trabalhos constituintes e, com a promulgação da nova Carta (18/9/1946), passou a exercer o mandato ordinário. Nessa legislatura, foi presidente da Comissão Permanente de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados, membro da Comissão Especial do Trigo e presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre o Departamento Nacional do Café (DNC), tendo defendido a reintegração do extinto território do Iguaçu ao Paraná.

Nas eleições de outubro de 1950, obteve apenas uma suplência de deputado federal. Deixando a Câmara em janeiro de 1951, assumiu a Secretaria da Fazenda do Paraná, cargo do qual se desligou ao ser nomeado prefeito de Curitiba, em outubro do mesmo ano. À frente do governo de sua cidade natal, desenvolveu um plano de urbanização e modernização aliado a um programa administrativo visando a implantar na capital os serviços necessários. Tais empreendimentos, que estavam voltados para a comemoração do centenário da independência política do Paraná em 1953, dotaram Curitiba de grandes avenidas asfaltadas, uma das quais recebeu posteriormente o seu nome.

Gaertner foi diretor do Departamento Médico-Legal do Estado do Paraná, do Leprosário São Roque e do Instituto de Medicina e Criminologia do Paraná, além de haver fundado e dirigido o Instituto de Medicina e Cirurgia do estado, aí inaugurando a Clínica dos Tumores, onde sempre exerceu sua atividade profissional. Fundador da Liga Paranaense de Combate ao Câncer, foi o primeiro médico a empregar a radioterapia no Paraná. Foi ainda catedrático de clínica urológica da Universidade de São Paulo e membro do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Associação Médica do Paraná, da Associação Argentina de Cirurgia e do Colégio Internacional de Cirurgiões.

Faleceu em Curitiba, no exercício de suas funções de prefeito, no dia 19 de maio de 1953.

Era casado com Anita Merhy Gaertner, com quem teve duas filhas.

Além das teses que apresentou e defendeu nos concursos a que se submeteu, dos discursos e colaborações publicados em jornais e revistas especializadas, escreveu e publicou Alguns aspectos da cirurgia arterial (1947), Considerações sobre o Plano Salte (1948), Transfusão de sangue, Tratamento das infecções puerperais, Tratamento cirúrgico ideal dos aneurismas, Câncer da próstata e Dilatação cística do colédoco.

 

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Relação dos dep.; CISNEIROS, A. Parlamentares; Diário do Congresso Nacional; FREIRE, G. Ordem; Grande encic. Delta; MOREIRA, J. Dic.; NICOLAS, M. Cem; SILVA, G. Constituinte; SOC. BRAS. EXPANSÃO COMERCIAL. Quem.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados