GALE, NATAL

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GALE, Natal
Nome Completo: GALE, NATAL

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GALE, NATAL

GALE, Natal

*dep. fed. SP 1979-1987.

Natal Gale nasceu em Orlândia (SP) no dia 23 de dezembro de 1937, filho de David Gale e de Neusa de Matos Lavrador Gale.

Em 1962 tornou-se bacharel em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito do Vale do Paraíba, em São José dos Campos (SP). Seis anos depois, em novembro de 1968, foi eleito vereador em Campinas na legenda do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instaurado no país em abril de 1964. Reeleito pelo mesmo partido em 1972, foi o candidato mais votado neste pleito, exercendo, tanto neste mandato como no anterior, a presidência da Câmara Municipal.

Em novembro de 1974, candidatou-se a uma cadeira na Assembléia Legislativa de São Paulo, ainda na legenda oposicionista. Eleito, assumiu o mandato no início do ano seguinte, participando dos trabalhos legislativos como presidente da mesa da Assembléia e tornando-se presidente do MDB de São Paulo. Representando esta mesma agremiação, candidatou-se à prefeitura de Campinas em 1976, mas não logrou êxito.

Eleito deputado federal pelo MDB em novembro de 1978, assumiu o mandato em fevereiro do ano seguinte. Nesta legislatura, foi membro titular da Comissão de Constituição e Justiça e da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) destinada a apurar atos de corrupção praticados por órgãos da administração direta e indireta da União. Como suplente, integrou a Comissão de Trabalho e Legislação Social. Com o fim do bipartidarismo em novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS), agremiação sucessora da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação política ao regime militar.

Reeleito deputado federal na legenda do PDS no pleito de novembro de 1982, assumiu seu mandato no início do ano seguinte, tornando-se, durante esta legislatura, vice-líder de seu partido. Em 25 de abril de 1984, ausentou-se na votação da emenda Dante de Oliveira, que propunha a realização de eleições diretas para a presidência da República em novembro daquele ano. A não-aprovação da emenda pela Câmara definiu que o sucessor do presidente João Figueiredo (1979-1985) seria eleito por via indireta. Vários eram os postulantes à condição de candidato oficial do partido governista. A falta de consenso quanto à forma de escolha provocou uma cisão no PDS e os dissidentes formaram a Frente Liberal. Para decidir a questão, a agremiação governista realizou uma convenção em agosto, quando o deputado paulista Paulo Maluf, tendo como vice o deputado cearense Flávio Marcílio, derrotou o ministro do Interior Mário Andreazza, cujo vice era o deputado alagoano Divaldo Suruagi.

Para concorrer com os candidatos do governo, o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), principal agremiação oposicionista, e a Frente Liberal, reuniram-se na chamada Aliança Democrática e lançaram Tancredo Neves, governador de Minas Gerais, e José Sarney, senador maranhense, respectivamente, candidatos à presidência e à vice-presidência da República. Na reunião do Colégio Eleitoral, realizada em 15 de janeiro de 1985, Natal Gale votou no candidato oposicionista Tancredo Neves. Este, contudo, não chegou a ser empossado na presidência, por motivo de doença, vindo a falecer em 21 de abril de 1985. Seu substituto no cargo foi o vice José Sarney, que já vinha exercendo interinamente o cargo desde 15 de março deste último ano.

Ainda em abril, Natal Gale transferiu-se para o recém-formado Partido da Frente Liberal (PFL). Disputou uma vaga de deputado federal constituinte no pleito do novembro de 1986, mas não foi bem-sucedido. Deixou a Câmara em janeiro do ano seguinte, ao final da legislatura.

Afastado do cenário político desde então, passou a dedicar-se exclusivamente aos seus serviços de assessoria jurídica, atividade que exerceu ao longo de 25 anos, e às rádios Morena FM e Jequitibá AM, de sua propriedade desde 1982. Em 1999, Natal Gale ainda era o responsável pela administração dessas rádios, localizadas na cidade de Campinas.

Casou-se com Maria Inês de Carvalho Gervino Gale, com quem teve dois filhos. Fora de seu matrimônio teve uma filha com Zélia Artini Romeiro.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertórios (1979-1983; 1983-1987; 1987-1991); INF. BIOG.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados