GARCIA NETO, JOSE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GARCIA NETO, José
Nome Completo: GARCIA NETO, JOSE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GARCIA NETO, JOSÉ

GARCIA NETO, José

*dep. fed. MT 1967-1975; gov. MT 1975-1978.

 

José Garcia Neto nasceu em Rosário do Catete (SE) no dia 1º de junho de 1922, filho de Antônio Garcia Sobrinho e de Antônia Meneses Garcia.

Engenheiro civil formado pela Escola Politécnica da Bahia em 1944, transferiu-se para o Rio de Janeiro no ano seguinte, indo trabalhar na Coimbra e Bueno Companhia Ltda. Em 1945 foi designado para servir em Mato Grosso, ocupando em 1946 o cargo de diretor de Obras Públicas do estado. Ainda no mesmo ano, tornou-se professor da Escola Técnica de Mato Grosso, na qual exerceria o magistério durante os sete anos subseqüentes.

No pleito de outubro de 1954 elegeu-se prefeito de Cuiabá na legenda da União Democrática Nacional (UDN), assumindo o mandato em fevereiro de 1955. No ano seguinte assumiu a presidência da Associação dos Municípios da Amazônia Mato-Grossense, permanecendo no cargo até 1959, quando encerrou sua administração à frente da prefeitura de Cuiabá. Candidatando-se a vice-governador de Mato Grosso na legenda da UDN, na chapa liderada por Fernando Correia da Costa, foi eleito no pleito de outubro de 1960 e empossado em fevereiro do ano seguinte. Com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), agremiação de orientação governista. Em janeiro de 1966, encerrou seu mandato de vice-governador.

No pleito de novembro de 1966 foi eleito deputado federal por Mato Grosso na legenda da Arena, sendo o candidato mais votado à Câmara Federal no estado. Foi empossado em fevereiro de 1967 e reeleito em novembro de 1970, novamente com a primeira votação do estado. Atuou, nessa última legislatura, como suplente das comissões de Minas e Energia e de Transportes, Comunicação e Obras Públicas, como presidente da Comissão de Desenvolvimento da Região Centro-Oeste e como membro da Comissão de Orçamento. Em 1974 tornou-se vice-líder do governo na Câmara Federal.

Eleito governador de Mato Grosso por via indireta em outubro de 1974, deixou a Câmara em janeiro de 1975 e em março seguinte foi empossado na chefia do Executivo estadual, em substituição a José Fragelli. Em fins de 1976 e início de 1977, foi acusado pela imprensa paulista e carioca e pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido oposicionista, de ter nomeado mais de 20 parentes, inclusive sua mulher e os filhos, para cargos administrativos, que representavam em vencimentos uma despesa de novecentos mil cruzeiros para os cofres públicos. Respondeu tais acusações dizendo que não havia dado emprego a seus parentes, mas sim trabalho, e que por isso não os demitiria.

Ainda em 1977, por ocasião dos debates em torno da subdivisão de Mato Grosso em dois estados, manifestou-se, em entrevista à imprensa, contrário à medida, alegando que ela conduziria a um aumento dos custos de administração e à diminuição dos investimentos na região. Entretanto, durante seu governo, o estado do Mato Grosso do Sul foi criado através do decreto de 11 de outubro de 1977.

Com o objetivo de concorrer pela Arena a uma cadeira no Senado, deixou o governo do estado em agosto de 1978, sendo substituído no cargo pelo vice-governador Cássio Leite de Barros. Todavia, não conseguiu se eleger, sendo derrotado pelo também arenista Benedito Canelas.

Com a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Popular (PP). Em fevereiro de 1982, após o estabelecimento das regras para as eleições de novembro daquele ano, que entre outras medidas proibia as coligações partidárias e exigia a vinculação total dos votos, em fevereiro de 1982 ocorreu a incorporação do PP ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) — defendida por Garcia Neto desde os primeiros entendimentos entre os dois partidos oposicionistas. No pleito de novembro desse ano candidatou-se mais uma vez ao Senado na legenda do PMDB, mas não conseguiu se eleger, sendo derrotado por Roberto Campos, do Partido Democrático Social (PDS), agremiação governista.

No ano seguinte, tornou-se diretor da Eletronorte, companhia de energia do centro-oeste e norte do país. Em 1987, foi uma das personalidades agraciadas com o Mérito Industrial Júlio Muller, premiação recebida como ex-governador de Mato Grosso por ter instituído o Programa de Industrialização no estado com a criação dos distritos industriais dos municípios mato-grossenses de Cuiabá, Rondonópolis, Cáceres e Barra do Graças.

Deixou a Eletronorte em 1988, ao mesmo tempo em que se desfiliou do PMDB. Abandonou a vida pública e passou a atuar na iniciativa privada, com a firma de engenharia A. G. Global Construção S.A.

Foi também diretor do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e do Departamento de Saneamento de Sergipe. Como empresário, tornou-se sócio da Companhia de Engenharia Civeletro Ltda., com sede em Cuiabá.

Governador na época da divisão do antigo estado do Mato Grosso, em 1977, recebeu a comenda “Memória do Legislativo” em agosto de 2008, concedida pela Assembléia Legislativa por ocasião de lançamento do livro Prosas com governadores, no qual foi incluído entre os ex-governadores do estado pelo autor Fernando Tadeu de Miranda Borges. Em novembro seguinte, recebeu o título de ‘Cidadão Aracajuano” iniciativa da Academia Sergipana de Letras e da Câmara Municipal de Aracaju. Na ocasião, foi lançado o livro Governadores de três estados do Brasil, de José Anderson Nascimento, que relata as administrações de três sergipanos de origem à frente do Executivo estadual de três unidades da União, todos oriundos da mesma família: Luís Garcia (Sergipe), Gilton Garcia (Amapá) e José Garcia Neto (Mato Grosso).

Casou-se com Maria Lígia de Borges Garcia, com quem teve cinco filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1967-1971 e 1971-1975); CÂM. DEP. Relação nominal dos senhores; Folha de S. Paulo (12/2/82); INF. BIOG.; Jornal do Brasil (1 e 17/6/74, 17/8/76, 13/3 e 16/4/77 e 27/7/78); MENDONÇA, R. Dic.; NÉRI, S. 16; Perfil (1972 e 1975); TRIB. SUP. ELEIT. Dados (7, 8 e 9); Veja (12/1/77); Bastidores do Poder (Internet), 12/8/2008; Jornal da Cidade, 30/11/2008; Entrevia (Internet), 5/8/2009.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados