GENERVINO EVANGELISTA FONSECA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: FONSECA, Genervino
Nome Completo: GENERVINO EVANGELISTA FONSECA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
FONSECA, GENERVINO

FONSECA, Genervino

*dep. fed. GO 1975-1979.

 

Genervino Evangelista Fonseca nasceu em Catalão (GO) no dia 4 de setembro de 1919, filho de João Alfredo da Fonseca e de Erondina Evangelista da Fonseca.

Industrial e fazendeiro, em 1949 fundou o Frigorífico Vale do Paranaíba, na sua cidade natal.

Foi secretário da Indústria e Comércio de seu estado antes de eleger-se deputado federal em novembro de 1974, na legenda do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instalado no país em abril de 1964. Assumindo o mandato em fevereiro de 1975, participou na Câmara da Comissão de Economia, Indústria e Comércio, e foi suplente da Comissão de Desenvolvimento da Região Centro-Oeste. Em maio de 1977, tornou-se presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Sistema Fundiário, instalada na Câmara Federal para apurar denúncias de grilagem e violência em litígios relativos à posse da terra. Em agosto desse ano, destacou-se nessa CPI por sua atuação favorável a quatro posseiros de Formosa (GO) contra o fazendeiro Alair Rosa Ribeiro.

Ainda em 1977, no mês de novembro, integrando a ala radical do MDB, participou de uma reunião com o marechal Osvaldo Cordeiro de Farias, com o objetivo de discutir as propostas de reforma institucional do governo. Realizado o encontro, os radicais oposicionistas, embora denunciassem a inexistência de fatos concretos que pudessem fundamentar qualquer expectativa de abertura do regime, reafirmaram por outro lado sua disposição de lutar por pressupostos democráticos que viessem, numa reabertura por etapas, garantir a convocação de uma assembléia nacional constituinte, condenando “remanejos que busquem apenas reciclar o atual sistema”.

Candidatou-se à reeleição no pleito de novembro de 1978, mas obteve apenas uma suplência e concluiu seu mandato anterior em janeiro de 1979. Em novembro, com o fim do bipartidarismo e a conseqüente reorganização partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

No ano seguinte, juntamente com os irmãos Henrique e Ademar Santillo, com quem formava um dos grupos de oposição mais fortes de Goiás, deixou esta agremiação para filiar-se e fundar o Partido dos Trabalhadores (PT) no estado, onde permaneceu por apenas oito meses. Esta troca deveu-se à existência de duas candidaturas declaradas ao governo do estado — as de Henrique Santillo e do ex-prefeito de Goiânia, Íris Resende que, aliando-se ao ex-governador Mauro Borges, conseguiu o apoio de 11 dos 14 deputados estaduais e cinco dos federais, além de um senador. Essa acumulação de forças fez com que seu grupo influísse decisivamente na formação da Executiva Nacional, provocando o afastamento do grupo dos irmãos Santillo.

De volta ao PMDB, continuou atuando nos bastidores da vida política e, no pleito de novembro de 1986, foi um dos coordenadores da campanha vitoriosa de Henrique Santillo ao governo do estado. Ainda nesse ano, foi nomeado vice-presidente e diretor econômico-financeiro das Centrais Elétricas de Goiás (Celg), cargo em que permaneceu até 1987. Nesse ano, transferiu-se para Brasília, vindo a ocupar o cargo de secretário do escritório de representação de Goiás na capital federal. Deixou o cargo em 1991, ao final da gestão de Santillo. Por motivos de saúde, não mais ocupou qualquer cargo público.

Em 2003, seu nome foi incluído em uma lista de 316 beneficiários da Lei de Anistia, objetivando a reparação de danos causados às vítimas de perseguição da ditadura militar em Goiás. Mas a Comissão de Anistia, presidida pelo deputado João da Silva Neto, deu início a uma controvérsia, pois o montante da dívida de reparação a ser paga pelos cofres do estado – 6.248.547,64 reais – ultrapassava em muito os limites estabelecidos pela própria Lei de Anistia de Goiás. O artigo 21 da mesma previa que “em nenhuma hipótese a soma dos pagamentos das reparações econômicas poderá exceder a quantia anual de 1.140.000,00 reais, valor estimado do respectivo impacto orçamentário-financeiro”. A polêmica aumentou com a denúncia do Jornal Opção de que a lista contemplava pessoas – não declaradas – que não foram perseguidas pelo regime militar. Com base no referido artigo da Lei de Anistia, e argumentando que a efetivação das indenizações comprometeria áreas essenciais da administração, o então governador Marconi Perillo suspendeu os pagamentos. A Genervino Fonseca e a outros beneficiários foi estipulada uma indenização no valor de 6.000 reais, a mais alta da lista, que partia de 900 reais.

Casou-se com Edite Ulhoa Fonseca, com quem teve quatro filhos.

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1975-1979); INF. FAM.; Jornal do Brasil (23/8, 11 e 12/11/77); NÉRI, S. 16; Opção On-line (15 a 21/6/2003).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados