GERSON MARCONDES FILHO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MARCONDES, Gerson
Nome Completo: GERSON MARCONDES FILHO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MARCONDES, GÉRSON

MARCONDES, Gérson

*const. 1987-1988; dep. fed. SP 1987-1991.

 

Gérson Marcondes Filho nasceu em São Paulo no dia 5 de janeiro de 1951, filho de Gérson Marcondes e de Vera Caldini Marcondes.

Fez seus estudos básicos no Grupo Escolar Carlos Gomes, em São Miguel Paulista (SP) e no Ginásio Estadual Roosevelt Freire, na capital paulista. Em 1966 ingressou na Escola Técnica de Química Osvaldo Cruz, concluindo o curso de química industrial em 1968. No ano seguinte iniciou o curso da Faculdade de Engenharia de Mogi das Cruzes, graduando-se em 1973.

Ocupou vários cargos públicos no período de 1973 a 1986: foi diretor de obras da prefeitura de Itaquaquecetuba (1973-1974), fiscal da Prefeitura de São Paulo (1976-1977), secretário de Obras de Guarulhos (entre 1977 e 1978) e secretário de Planejamento do mesmo município, no período 1983-1986. Em 1987 assumiu o cargo de engenheiro da Prefeitura de Guarulhos.

Ligado ao governador de São Paulo, Orestes Quércia (1987-1991), lançou-se candidato a deputado federal constituinte pela legenda do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) em novembro de 1986. Durante a campanha, recebeu o apoio financeiro da imobiliária Continental. Eleito, foi empossado em fevereiro do ano seguinte, quando iniciaram-se os trabalhos da Assembléia Nacional Constituinte. Participou dos trabalhos como membro titular da Subcomissão da Questão Urbana e Transporte da Comissão da Ordem Econômica e suplente da Subcomissão de Orçamento e Fiscalização Financeira da Comissão do Sistema Tributário.

Nas principais votações pronunciou-se a favor do rompimento de relações diplomáticas com países com política de discriminação racial, do mandado de segurança coletivo, do turno ininterrupto de seis horas, do aviso prévio proporcional e da unicidade sindical. Votou ainda a favor da soberania popular, do voto aos 16 anos, do presidencialismo, da nacionalização do subsolo e do mandado de cinco anos para o presidente José Sarney. Colocou-se contra a pena de morte, a limitação do direito de propriedade privada e a criação de um fundo de apoio à reforma agrária, além de várias propostas de cunho trabalhista, como a estabilidade no emprego, a remuneração 50% superior para o trabalho extra e a jornada semanal de 40 horas. Após a promulgação da nova Carta Constitucional (5/10/1988), voltou a participar dos trabalhos legislativos ordinários na Câmara dos Deputados.

Em outubro de 1990, concorreu à reeleição, mas não foi bem-sucedido. Ao findar a legislatura, em janeiro do ano seguinte, deixou a Câmara dos Deputados.

Afastando-se da vida pública, passou a dedicar-se à administração de sua empresa, a Marcondes Empreendimentos Imobiliários, e de dois colégios que fundou, um na capital paulista e outro em São Bernardo do Campo (SP).

Casou-se com Marilene Coiado Marcondes, com quem teve dois filhos.

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. (1987-1988); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; Folha de S. Paulo (19/1/87); INF. BIOG.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados