GUALTER MARIA MENESES DE MAGALHAES

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MAGALHÃES, Gualter Maria de
Nome Completo: GUALTER MARIA MENESES DE MAGALHAES

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MAGALHÃES, Guálter Maria Meneses de (PRONTONÃOCOPI)

MAGALHÃES, Guálter Maria Meneses de

*  militar; comte. III DN 1970-1973; comte-em-ch. Esquadra 1973-1974; ch.  EMA 1975-1978.

 

Guálter Maria Meneses de Magalhães nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 1º. de janeiro de 1918, filho de Honório Pinto Pereira de Magalhães e de Alzira Rosa Meneses de Magalhães.

 Ingressou na Escola Naval, no Rio, em abril de 1934 e foi declarado guarda-marinha em 1937. Em setembro de 1938 foi promovido a segundo-tenente e, um ano depois, a primeiro-tenente.

 Durante a guerra, entre junho de 1940 e outubro de 1942, serviu no navio mineiro varredor “Camaquã”, em 1943, como imediato, no caça-submarino “Jundiaí” e, de novembro desse ano a janeiro de 1944, no Grupo de Caça Submarinos. Ainda em 1944 assumiu o comando do caça submarino “Jacuí” e em abril de 1945 recebeu a promoção de capitão-tenente.

 Em março de 1950 passou a capitão-de-corveta. Em maio de 1952 foi designado para comandar o rebocador “Triunfo”, e em janeiro de 1954 alcançou a patente de capitão-de-fragata. A partir de março desse ano passou a acumular as funções de diretor do Centro de Esporte da Marinha. Em março de 1960 foi promovido a capitão-de-mar-e-guerra. Em abril de 1961 foi nomeado capitão dos portos do estado do Pará e território do Amapá. Em 1963 foi assessor militar da Comissão Militar Mista Brasil-Estados Unidos, cargo que ocupou até março de 1964.

     Em janeiro de 1965 exerceu as funções de comandante do cruzador Tamandaré. Em março de 1966 foi nomeado comandante do Centro de Instrução Almirante Wandenkolk Em setembro foi promovido a contra-almirante e um ano depois serviu  como chefe de gabinete do ministro da Marinha, almirante Augusto Rademaker Grunewald.

     Vice-almirante em dezembro de 1969, em fevereiro de 1970 assumiu o comando do III Distrito Naval, então sediado em Recife, em substituição ao vice-almirante Jaime Carneiro de Campos Esposel. Em abril de 1973 transmitiu o comando ao vice-almirante Mário Rodrigues da Costa e no mês seguinte foi nomeado comandante-em-chefe-da-esquadra, substituindo o vice-almirante José Uzeda de Oliveira. Em março de 1974 passou a almirante-de-esquadra e, no mês seguinte, foi substituído no cargo de comandante pelo vice-almirante Edi Sampaio Espellet. Em abril desse ano assumiu a chefia da Diretoria de Pessoal da Marinha, cargo que exerceu até dezembro de 1974, já no governo do general Ernesto Geisel (1974-1979).

     Em janeiro de 1975, foi designado chefe do Estado-Maior da Armada (EMA), em substituição ao almirante-de-esquadra José de Carvalho Jordão. No exercício de suas funções, em 1977 fez uma viagem oficial ao México, ao Peru e à Argentina. Em agosto do mesmo ano declarou-se favorável ao desenvolvimento do mercado nacional de material bélico, já que sua importação reforçaria inevitavelmente a dependência externa brasileira. Em outubro manifestou-se contra a formalização de um pacto do Atlântico-Sul, então em discussão, para garantir não apenas a defesa da região da presença soviética, como também as duzentas milhas marítimas da costa sul-americana, reivindicada pela Marinha uruguaia. Afastando a possibilidade de o Brasil vir a participar de contratos congêneres, declarou na época que a situação mundial, tal como se apresentava, não justificava por si só o estabelecimento de uma aliança naval dos países do Cone Sul em defesa do Atlântico.

Em maio de 1978 transmitiu o cargo de comandante-em-chefe da Esquadra ao almirante-de-esquadra Edi Sampaio Espellet. No mês seguinte foi transferido para a reserva remunerada, não vindo desde então a exercer nenhuma atividade profissional. Em junho de 2000 residia no Rio de Janeiro.

Casou-se com Maria de Lurdes Fernandes de Magalhães, com quem teve três filhas.

 

FONTES: CORRESP. SER. DOC. GER. MAR.; INF. BIOG.; Jornal do Brasil (22/5/73 e 14/7/77); MIN.  MAR. Almanaque (1971); Perfil (1974).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados