GUEDES, JOSE LUIS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GUEDES, José Luís
Nome Completo: GUEDES, JOSE LUIS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GUEDES, José Luís [ATUALIZADO EM 25/09/96 POR MARCELO COSTA]

GUEDES, José Luís

* pres. UNE 1966-1967; dep. fed. MG 1983-1987.

 

José Luís Moreira Guedes nasceu em Juiz de Fora (MG) no dia 10 de março de 1943, filho de Luís Gonzaga Guedes e de Risoleta Moreira Guedes. Seu tio Joaquim Vicente Guedes foi vereador em Juiz de Fora na década de 1950, eleito na legenda do Partido Republicano (PR).

José Luís Guedes estudou na Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais, atual Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), tendo sido eleito, em 1965, presidente do conselho deliberativo e fiscal do Diretório Acadêmico Alfredo Balena. Pertenceu à Ação Popular (AP), organização política de âmbito nacional, fundada no Congresso da Juventude Universitária Católica, em 1962, que mais tarde viria a adotar orientação revolucionária de esquerda, engajando-se na luta armada contra o regime militar instaurado no país em abril de 1964.

Em 1966, tornou-se presidente da União Estadual dos Estudantes e, em julho do mesmo ano, no 28o Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), realizado em Belo Horizonte, Guedes foi eleito presidente da entidade, sucedendo a Altino Rodrigues Dantas Júnior (1965-1966).

Em sua gestão na UNE, lutou contra a aplicação da Lei Suplicy - sobrenome do então ministro da Educação, Flávio Suplicy de Lacerda - que, aprovada pelo Congresso Nacional em novembro de 1964, decretara a extinção da UNE e das entidades estudantis de âmbito estadual. Liderou o Dia Nacional de Protesto, numa mobilização unitária contra a repressão ao movimento estudantil e organizou diversos seminários regionais, bem como o seminário nacional, em Niterói, com o objetivo de debater o Acordo MEC-Usaid e outros dispositivos governamentais, que, segundo os estudantes, representavam a dominação da universidade por interesses imperialistas.

Em julho de 1967, no 29o Congresso da UNE, em Vinhedo (SP), deixou a presidência da entidade e foi substituído por Luís Travassos (1967-1968). Continuou ativo no movimento estudantil até que, ao participar do 30o Congresso da UNE, realizado, apesar da proibição do governo, em fins de 1968 em Ibiúna (SP), foi preso, juntamente com quase 800 estudantes. Conseguindo fugir, viveu clandestinamente em estados do Nordeste até o final de 1973.

No ano seguinte, deixou o Brasil, exilando-se com a família na França, onde trabalhou como enfermeiro. Retomando os estudos de medicina, atuou junto ao Tribunal Bertrand Russell, depois transformado em Liga Internacional para o Direito dos Povos, e participou do Comitê Brasileiro pela Anistia, em Paris. Graduou-se em 1979, pela Universidade de Paris.

Em setembro daquele ano, logo após a decretação da anistia (28/8/1979) pelo presidente da República João Batista Figueiredo (1979-1985), retornou ao Brasil, fixando-se em Belo Horizonte, onde passou a trabalhar no hospital universitário da UFMG. Posteriormente, ingressou no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), integrando a corrente denominada “tendência popular”.

Nas eleições de novembro de 1982, candidatou-se à Câmara dos Deputados por Minas Gerais na legenda do PMDB, obtendo apenas uma suplência. Entretanto, em março seguinte, assumiu seu mandato na Câmara e participou dos trabalhos legislativos como membro titular das comissões do Interior e da Saúde.

Em 25 de abril de 1984 votou a favor da emenda Dante de Oliveira, que propunha o restabelecimento das eleições diretas para a Presidência da República, marcando-as para novembro daquele ano. Constatada a insuficiência de votos para que a emenda fosse submetida à apreciação do Senado, convocou-se, em 15 de janeiro de 1985, o Colégio Eleitoral. Na ocasião da votação, José Luís Guedes não esteve presente pois os titulares, secretários estaduais mineiros filiados ao PMDB, reassumiram seus mandatos para votar em Tancredo Neves, candidato vitorioso da Aliança Democrática, coligação oposicionista que uniu o PMDB à dissidência do Partido Democrático Social (PDS) reunida na Frente Liberal. Acometido por grave enfermidade, que o vitimou em 21 de abril de 1985, Tancredo não chegou a ser empossado na Presidência da República. Substituiu-o no cargo o vice, José Sarney, que já vinha exercendo interinamente a chefia do Executivo desde 15 de março.

Transferindo-se para o Partido Socialista Brasileiro (PSB), José Luís Guedes candidatou-se a deputado federal constituinte no pleito de novembro de 1986. Não obtendo êxito, encerrou seu mandato na Câmara no início do ano seguinte.

Em novembro de 1988, candidatou-se a prefeito de Juiz de Fora pela legenda do Partido Socialista Brasileiro (PSB), mas não se elegeu. No ano seguinte, coordenou em Juiz de Fora a campanha presidencial de Luís Inácio Lula da Silva, candidato da Frente Brasil Popular, coligação do Partido dos Trabalhadores (PT), do PSB e do Partido Comunista do Brasil (PC do B).

No pleito de outubro 1990, compôs como primeiro suplente a chapa ao Senado encabeçada pelo petista Patrus Ananias, que não obteve os votos necessários para se eleger. Ingressando no PT e retomando as atividades profissionais, transferiu-se, em 1991, para Santos, onde trabalhou no combate à Aids (síndrome da deficiência imunológica adquirida), permanecendo na cidade até 1995. Em maio deste ano, retornou a Juiz de Fora, passando a trabalhar na coordenação do programa de Aids do município mineiro.

Filiando-se em 1998 ao PC do B, disputou sem êxito uma cadeira na Assembléia Legislativa de Minas Gerais no pleito de outubro desse ano.

Casou-se com Nair Barbosa Guedes, com quem teve quatro filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1983-1987); Globo (18/9/79, 26/4/84 e 16/1/85); História da UNE; INF. BIOG.; Jornal do Brasil (19 e 22/9/79); TRIB. REG. ELEIT. MG. Relação (1998); Veja (22/9/79).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados