HELVECIO COELHO RODRIGUES

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: RODRIGUES, Helvécio Coelho
Nome Completo: HELVECIO COELHO RODRIGUES

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
RODRIGUES, HELVÉCIO COELHO

RODRIGUES, Helvécio Coelho

*militar; const. 1946; dep. fed. PI 1946-1951.

 

Helvécio Coelho Rodrigues nasceu na Suíça em 1905, filho do jurisconsulto Coelho Rodrigues.

 Radicando-se no Brasil, ingressou na Escola Naval, concluindo o curso em 1912. Designado guarda-marinha no ano seguinte, em outubro desse ano foi um dos sobreviventes do desastre do rebocador Guarani ocorrido em Ponta do Boi, no município de Angra dos Reis (RJ).

Com a vitória da Revolução de 1930 e a reconstitucionalização do país, foi eleito deputado estadual no Piauí. Iniciando seu mandato em maio de 1935, permaneceu na Assembléia Legislativa até 10 de novembro de 1937, quando foi instaurado o Estado Novo e foram suprimidos todos os órgãos legislativos do país. Durante esse período (1937-1945), já como comandante, representou o Ministério da Marinha no Conselho Nacional do Petróleo (CNP), desde sua criação em 1938, até janeiro de 1943. Em seguida, tornou-se comandante de um navio mercante nas manobras realizadas na costa brasileira durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Após o fim do Estado Novo (29/10/1945) e a redemocratização do país, na condição de redator-chefe de seu jornal O Piauí, foi um dos principais propagandistas no estado da candidatura do brigadeiro Eduardo Gomes, da União Democrática Nacional (UDN), à presidência da República, que acabaria sendo derrotado pelo general Eurico Gaspar Dutra, do Partido Social Democrático (PSD), no pleito de dezembro desse ano. Nessa oportunidade, elegeu-se deputado à Assembléia Nacional Constituinte pelo Piauí na legenda da UDN, assumindo sua cadeira em fevereiro do ano seguinte.

Durante os trabalhos constituintes, apresentou várias emendas ao projeto da Constituição, entre as quais destacaram-se a que era favorável à unificação do Judiciário e da magistratura; a que facilitava a concessão para capitais estrangeiros a exploração de minas e jazidas que não interessassem a capitais nacionais e a que garantia a vitaliciedade aos funcionários públicos com mais de dez anos no “efetivo exercício” da função. Protestou da tribuna contra o então interventor mineiro João Tavares Correia Beraldo e o seu mentor político Benedito Valadares contra a reposição de prefeitos do PSD depostos com o fim do Estado Novo e o afastamento de autoridades municipais ligadas à UDN. Pronunciou-se com freqüência sobre a questão da fronteira entre os estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, acusando o primeiro de estar enviando tropas para invadir o segundo. Certo dia, em viagem ao Espírito Santo para observar o referido caso de fronteiras, Helvécio Rodrigues foi vítima de um acidente de automóvel, que o afastou dos trabalhos diários da Constituinte. Mesmo assim, no dia 18 de setembro de 1946 compareceu ao plenário da Assembléia para assinar a promulgação da nova Carta. Após esse ato, a Constituinte foi transformada em Congresso ordinário e os parlamentares tiveram seus mandatos estendidos até o fim de janeiro de 1951, quando se encerraria a legislatura.

Em 1949, quando da criação do Centro de Estudos e Defesa do Petróleo e da Economia Nacional (CEDPEN), tornou-se um dos vice-presidentes do conselho deliberativo desse órgão, cargo que ocupou até 1950. Deixando de concorrer a um novo período legislativo no pleito de outubro desse ano, permaneceu na Câmara dos Deputados até o encerramento do seu mandato no fim de janeiro do ano seguinte.

Foi ainda proprietário e redator-chefe do jornal O Parnaíba.

Faleceu no dia 18 de janeiro de 1959.

 

 

FONTES: BRAGA, S. Quem foi quem; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1946-1967); CÂM. DEP. Relação dos dep.; CARVALHO, E. Petróleo; CONSULT. MAGALHÃES, B.; SILVA, G. Constituinte; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (1).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados