HENRIQUE ARISTIDES GUILHEM

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GUILHEM, Aristides
Nome Completo: HENRIQUE ARISTIDES GUILHEM

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GUILHEM, ARISTIDES

GUILHEM, Aristides

*militar; ch. EMA 1934-1935; min. Mar. 1935-1945.

 

Henrique Aristides Guilhem nasceu no Rio de Janeiro, então capital do Império, em 26 de dezembro de 1875, filho de Domingos Aristides Guilhem e de Teresa Francisca Fontes Guilhem.

Concluiu os cursos primário e secundário no Rio de Janeiro, ingressando em novembro de 1891 na Escola Naval com o posto de aspirante a guarda-marinha.

Interrompeu os estudos quando eclodiu a Revolta da Armada, movimento de oposição ao governo de Floriano Peixoto iniciado em 6 de setembro de 1893, no Rio de Janeiro, sob a liderança do contra-almirante Custódio José de Melo. Em dezembro, o contra-almirante Luís Filipe Saldanha da Gama, comandante da Escola Naval, aderiu ao movimento, assumindo sua liderança e lançando um manifesto aos camaradas da Marinha. O aspirante Aristides Guilhem também se engajou na rebelião, participando, inicialmente, de ações na baía de Guanabara. Mais tarde, zarpou, com a parte revoltada da Esquadra, rumo ao Rio Grande do Sul, onde combateu ao lado dos federalistas também rebelados contra o governo de Floriano Peixoto. No Sul, participou em junho de 1895 da batalha de Campo Osório, em que morreu Saldanha da Gama.

Derrotada a revolta, foi considerado desertor e desligado da Escola Naval. Entretanto, o governo concedeu anistia em agosto de 1895, e assim Aristides Guilhem pôde retornar a seus estudos em fevereiro do ano seguinte. Em novembro, foi promovido a guarda-marinha-aluno e, em 1897, seguiu para o exterior, integrado à missão naval brasileira incumbida de negociar a construção de novas unidades para a Esquadra em Newcastle, na Inglaterra.

Em novembro de 1897, graduou-se no posto de guarda-marinha, embarcando, em dezembro, no cruzador Almirante Barroso. Ainda em dezembro, foi promovido a segundo-tenente. Um ano mais tarde, em dezembro de 1898, recebeu os galões de primeiro-tenente e foi destacado para servir no cruzador Tiradentes. Em seguida, serviu na flotilha de Mato Grosso, onde esteve embarcado no couraçado Bahia e no navio Fernandes Vieira. Alcançou o posto de capitão-tenente em dezembro de 1900.

Em seguida, exerceu vários cargos e comissões. Em 1901, comandou o aviso (navio auxiliar) Jutaí, a serviço da Comissão de Limites do Brasil com a Guiana Francesa, o Peru e a Bolívia. Dois anos depois, em São Paulo, integrou a Comissão de Levantamento das Plantas Hidrográficas do canal de São Sebastião e da ilha do Bom Abrigo. Entre 1904 e 1906, esteve encarregado do trabalho de levantamento da planta do porto do Rio de Janeiro, e depois foi ajudante-substituto da Comissão de Reconhecimento do Alto Juruá, no Amazonas.

Em 1906, exerceu o comando geral das torpedeiras e o cargo de instrutor de navegação da turma de segundos-tenentes embarcados no navio-escola Benjamim Constant, com os quais partiu em viagem de circunavegação. Comandou, no ano seguinte, a torpedeira Bento Gonçalves. Em 1910, viajou para a Europa em missão de exame de torpedos, minas submarinas e submersíveis. Ainda na mesma viagem, representou o Brasil no Congresso de Pesca realizado em Bordéus, na França, em 1910, e no Congresso Internacional de Pesca, reunido em Roma no ano seguinte.

Primeiro-diretor da oficina tipográfica do Ministério da Marinha, criada em 1911 e depois denominada Imprensa Naval, foi promovido a capitão-de-corveta, por merecimento, em dezembro de 1912. De 1913 a 1914 comandou o contratorpedeiro Pará e, entre 1914 e 1915, esteve encarregado de estudar o código de sinais então em vigor, apresentando um projeto substitutivo. Nesse mesmo período, foi designado assistente e, mais tarde, chefe da 2ª e da 4ª seções do Estado-Maior da Armada. Em 1915, presidiu a comissão incumbida de elaborar um projeto de regulamento para o corpo de práticos dos rios da Prata, baixo Paraná e Paraguai.

Promovido a capitão-de-fragata em dezembro de 1917, comandou, no ano seguinte, o cruzador Barroso e a Flotilha de Aviões de Guerra, além de dirigir a Escola de Aviação Naval. Durante o governo de Delfim Moreira (1918-1919), chefiou o gabinete do ministro da Marinha, almirante Antônio Coutinho Gomes Pereira. Nessa condição, representou o Brasil nos festejos das datas de independência da Argentina e do Uruguai.

De 1919 a 1920, foi assistente do Estado-Maior da Armada e comandante do lança-minas Carlos Gomes. Durante a visita do rei Alberto, da Bélgica, ao Brasil, em julho de 1920, Aristides Guilhem esteve à sua disposição como ajudante-de-ordens. Em maio de 1921, foi promovido a capitão-de-mar-e-guerra, tendo cursado a Escola Naval de Guerra e servido como oficial de ordens do embaixador do Chile, Jorge Marta. Comandou até 1922 o encouraçado São Paulo e, em 1923, a Flotilha de Lança-Minas. De 1924 a 1925, dirigiu a Escola de Grumetes e a Escola de Aprendizes Marinheiros, em Angra dos Reis (RJ), assumindo o comando da Escola Naval em 1926. Desempenhou interinamente, em 1928, a função de chefe do Estado-Maior da Armada e, de 1929 a 1930, a de comandante da Flotilha de Contratorpedeiros. Entre 1931 e 1934, ocupou a Direção Geral da Fazenda da Armada, período em que foi promovido a contra-almirante, em outubro de 1932, e a vice-almirante, em agosto de 1934. No biênio 1934-1935, chefiou o Estado-Maior da Armada (EMA).

 

Ministro da Marinha

No dia 19 de novembro de 1935, Aristides Guilhem foi nomeado ministro da Marinha em substituição ao almirante Protógenes Guimarães, eleito para o governo do estado do Rio de Janeiro. Alguns dias após a sua posse, ocorreu o levante da Aliança Nacional Libertadora (ANL). Em face dos acontecimentos, exigiu, em reunião ministerial ocorrida no dia 7 de dezembro, a punição dos implicados, reclamando também a adoção de medidas de saneamento para evitar que tais fatos se repetissem.

Juntamente com Getúlio Vargas, Francisco Campos, o general Eurico Dutra, ministro da Guerra, e Newton Cavalcanti, compareceu em 22 de setembro de 1937 à homenagem aos mortos da Revolta de 1935. Em seguida, foi encarregado de examinar, com o ministro da Guerra, o Plano Cohen, suposto projeto de conspiração comunista. O informe que os dois ministros militares elaboraram acerca desse plano instruiu o pedido feito por Vargas ao Congresso, no dia 1º de outubro, no sentido de reinstaurar o estado de guerra por 90 dias. Tratava-se, como mais tarde se tornaria público, de um documento forjado pelo Estado-Maior do Exército e por integralistas. Entretanto, serviu de pretexto para que o presidente da República, alegando a iminência de um golpe comunista, obtivesse do Congresso (2/10/1937) a decretação do estado de guerra.

Em 1º de novembro de 1937, em meio à conturbada situação político-militar precipitada pela decretação do estado de guerra, assistiu, ao lado de Vargas e de outras autoridades, a um desfile de militantes integralistas, no Rio de Janeiro. Era grande, na ocasião, o número de simpatizantes do integralismo nas fileiras da Marinha. Oficiais desta força participavam da Câmara dos 40 — principal órgão político do movimento — e promoviam reuniões para ouvir Plínio Salgado, chefe nacional integralista. Segundo Hélio Silva, 70% da Marinha estavam inscritos na Ação Integralista Brasileira.

No dia 5 de novembro, participou no palácio Guanabara de uma reunião com Getúlio Vargas, o general Dutra, o general Pedro Aurélio de Góis Monteiro, chefe do Estado-Maior do Exército, e o capitão Filinto Müller, chefe de polícia do Distrito Federal, em que o presidente da República comunicou aos demais a exoneração do ministro da Justiça, José Carlos de Macedo Soares, e a escolha de Francisco Campos para assumir a pasta.

Francisco Campos ocupava desde janeiro de 1934 o cargo de consultor-geral da República, e havia preparado um texto constitucional para ser apresentado como substitutivo à Assembléia Nacional Constituinte de 1934, o que todavia não ocorrera. Entretanto, guardara o texto, de caráter autoritário, e sua nomeação para o Ministério da Justiça em 8 de novembro de 1937 estava diretamente ligada à imposição dessa Carta constitucional, imposição que seria uma das iniciativas do golpe de Estado planejado por Getúlio Vargas.

Na noite do mesmo dia 8 de novembro, o almirante Guilhem participou, na residência de Francisco Campos, de uma reunião com o novo ministro da Justiça e os generais Dutra e Góis Monteiro para o exame da nova Constituição, a fim de fazerem sugestões quanto ao texto referente às forças armadas. Aprovada, a nova Constituição foi imposta no dia 10 de novembro, ao mesmo tempo em que se fechava o Congresso, instituindo-se o Estado Novo.

Segundo Jatir de Carvalho Serejo, em Meu depoimento, após o fechamento da Ação Integralista Brasileira em dezembro de 1937, Guilhem solicitou a colaboração do comandante Aurélio de Azevedo Falcão e de outros elementos integralistas da Marinha na organização da Casa do Marinheiro de acordo com os moldes do “Departamento de Marinha Nacional”, seção naval integralista que cuidava da doutrinação e da assistência social entre os seus simpatizantes nessa corporação.

Em 1941, foi transferido para a reserva, continuando entretanto à frente do Ministério da Marinha até a deposição de Vargas, pelos chefes militares, em outubro de 1945, quando então, José Linhares, presidente do Supremo Tribunal Federal e chefe provisório do governo que em janeiro do ano seguinte passaria às mãos do general Eurico Gaspar Dutra — eleito ainda em dezembro de 1945 —, nomeou para o ministério o almirante Jorge Dodsworth Martins.

Guilhem foi o ministro que mais tempo permaneceu nessa pasta. Em sua gestão, a construção naval, paralisada desde os últimos anos do Império, recebeu considerável impulso: os estaleiros da Marinha construíram lança-minas, destróieres, embarcações classe “C” e contratorpedeiros condutores de flotilhas da classe “M”. Além disso, providenciou a remodelação do encouraçado Minas Gerais e do submarino Humaitá, adquirindo, no estrangeiro, submarinos e navios-tanques para o transporte de óleo.

O conjunto dessas iniciativas possibilitou a intervenção da Marinha brasileira na Segunda Guerra Mundial, em operações de defesa no Atlântico Sul. A esquadra desincumbiu-se do policiamento da costa e dos portos brasileiros, escoltou até a Europa a Força Expedicionária Brasileira (FEB) e participou, em cooperação com a 4ª Esquadra norte-americana, de serviços de comboios internacionais, encarregando-se sozinha dos comboios brasileiros. Com a guerra, a Marinha teve 381 mortos, entre praças e oficiais, perdendo, em atividade bélica, o navio-auxiliar Vital de Oliveira, a corveta Camaquã e o cruzador Bahia.

No setor da aviação naval, sua administração cuidou da instalação de campos de pouso ao longo de todo o litoral e deu início à instrução de pouso cego e noturno. Construiu numerosas bases aéreas e preparou cerca de 70 aviões Fock Wulff. Estendeu as linhas do Correio Aéreo Nacional, edificou novos hangares e o aeródromo da Base do Rio Grande.

Guilhem criou novos quadros de oficiais e subalternos, novos cursos para oficiais intendentes e fuzileiros navais, e aumentou a lotação das Escolas de Aprendizes Marinheiros. Inaugurou o edifício da Escola Naval, na ilha de Villegaignon, e criou a Divisão de História Marítima, até então fora do âmbito de sua pasta.

Faleceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 3 de janeiro de 1949. Foi promovido post mortem a almirante-de-esquadra em 1951 e a almirante de cinco estrelas em 1958.

Foi casado com Maria da Glória Carvalho Guilhem, com quem teve um filho.

Escreveu o livro Conselho aos jovens oficiais (1951).

Renato Lemos

 

 

FONTES: ANDREA, J. Marinha; ARQ. GETÚLIO VARGAS; CARONE, E. República nova; CONSULT. MAGALHÃES, B.; CORRESP. SERV. DOC. GER. MAR.; Encic. Mirador; Grande encic. Delta; Histórico; LEITE, A. História; LEVINE, R. Vargas; MACEDO, R. Efemérides; MIN. GUERRA. Almanaque (1942); MIN. MAR. Almanaque (1934, 1939, 1941, 1944 e 1949); PEIXOTO, A. Getúlio; SEREJO, J. Meu; SERV. DOC. GER. MARINHA; SILVA, H. 1935; SILVA, H. 1937; VELHO SOBRINHO, J. Dic.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados