JERONIMO DE OLIVEIRA REIS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: REIS, Jerônimo
Nome Completo: JERONIMO DE OLIVEIRA REIS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
REIS, JERÔNIMO

REIS, Jerônimo

*dep. fed. SE 1991-1996, 2007-2008, 2008-

 

Jerônimo de Oliveira Reis nasceu em Lagarto (SE) em 10 de setembro de 1955, filho de Artur de Oliveira Reis e de Raimunda Rodrigues do Nascimento.

Pecuarista, empresário e radialista, iniciou sua vida pública em 1983, quando se tornou secretário municipal de Obras e Urbanismo da sua cidade natal. Filiado ao Partido da Frente Liberal (PFL) desde 1985, nas eleições de novembro do ano seguinte, elegeu-se deputado estadual constituinte para a legislatura 1987-1991 da Assembleia Legislativa de Sergipe. Eleito vice-prefeito de Lagarto nas eleições de novembro de 1988, assumiu o cargo em janeiro do ano seguinte, após renunciar ao mandato de deputado estadual.

Eleito deputado federal pelo PFL em outubro de 1990, tendo como base eleitoral o município de Lagarto, deixou a vice-prefeitura e tomou posse em fevereiro de 1991. Foi membro titular da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática de 1991 a 1992 e da Comissão de Relações Exteriores no ano seguinte. Na sessão da Câmara dos Deputados de 29 de setembro de 1992, votou a favor da abertura do processo de impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo ex-tesoureiro de sua campanha presidencial Paulo César Farias. Afastado da presidência logo após a votação na Câmara, Collor renunciou ao mandato em 29 de dezembro de 1992, pouco antes da conclusão do processo pelo Senado Federal, sendo efetivado na presidência da República o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde a decisão da Câmara.

Nas votações mais importantes dessa legislatura, votou a favor da criação do Fundo Social de Emergência (FSE) e do fim do voto obrigatório, ausentando-se das relativas à mudança no conceito de empresa nacional e à criação do Imposto Provisório sobre Movimentações Financeiras (IPMF).

Deixou o PFL em 1993, filiando-se, no ano seguinte, ao Partido da Mobilização Nacional (PMN), pelo qual se reelegeu no pleito de outubro de 1994, iniciando o mandato em fevereiro do ano seguinte. Em julho de 1995, afastou-se da Câmara para assumir uma secretaria da prefeitura de Aracaju, sendo substituído por Pedro Valadares. Eleito prefeito de Lagarto pelo PMN nas eleições municipais de outubro de 1996, foi empossado no cargo em 1º de janeiro do ano seguinte, renunciando, na véspera, ao mandato de deputado federal.

Em novembro de 1997, uma reportagem de O Globo denunciou a exploração de trabalho infantil na colheita de laranjas em uma fazenda de sua propriedade, no sul de Sergipe. A mesma matéria incriminava também o deputado federal Cleonâncio Fonseca, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), e o senador José Alves Nascimento (PFL), além de quatro deputados estaduais.

Foi reeleito prefeito de Lagarto em outubro de 2000 na legenda do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Renunciou ao cargo em abril de 2002 e em outubro desse mesmo ano candidatou-se ao Senado por Sergipe na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), mas não conseguiu eleger-se. De 2004 a 2006 presidiu o Atlético Club Lagartense.

Em outubro de 2006 foi eleito deputado federal pelo PFL. Assumiu o mandato em fevereiro de 2007 e ainda nesse ano filiou-se ao Democratas (DEM), criado após a reorganização do PFL. Em 10 de julho de 2008, licenciou-se, sendo substituído por Pedro Valadares. Reassumiu o mandato em 8 de novembro e integrou a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural e a Comissão de Turismo e Desporto. Votou contra a Contribuição Social para a Saúde (CSS).

Nesse mesmo ano, o Tribunal de Contas da União (TCU) condenou-o a devolver mais de 600 mil reais e a pagar uma multa de 10 mil reais ao Tesouro Nacional. A auditoria constatou que as verbas encaminhadas pelo Ministério da Integração Nacional para abertura de canal, drenagem e pavimentação de ruas foram direcionadas para outros fins e a referida obra não foi realizada.

Casou-se com Rosa Meire Almeida Reis, com quem teve seis filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); Folha de S. Paulo (18/9/94, 14/1/96); Folha OnLine (6/10/02, 28/3/07, 11/6/08.)Globo (29/11/97); Jornal do Brasil (4/6/96), Tribunal de Contas da União (31/10/08).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados