JOACI FONSECA DE GOIS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GÓIS, Joaci
Nome Completo: JOACI FONSECA DE GOIS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GÓIS, JOACI

GÓIS, Joaci

*const. 1987-1988; dep. fed. BA 1987-1991.

Joaci Fonseca de Góis nasceu em Ipirá (BA) em 25 de agosto de 1938, filho de João de Sousa Góis e de Mariana Fonseca Góis.

Formou-se em direito pela atual Universidade Federal da Bahia (Ufba) em 1959.

Em 1962 foi diretor financeiro e superintendente da empresa de seu pai, Construtora Góis Ltda. No ano seguinte, foi sócio fundador e diretor-presidente da Sociedade Anônima da Indústria Tecnológica, exercendo as mesmas funções na Construções, Terraplanagem e Pavimentação Ltda em 1964. Três anos depois tornou-se diretor financeiro da Construções e Habitações do Nordeste S.A. assumindo a presidência em 1969. Ainda nesse ano, foi sócio fundador e diretor da Urbanizadora Salvador Ltda.

Em 1970 foi diretor de marketing e conselheiro da Editora da Bahia S.A. que publicava o jornal Tribuna da Bahia, do qual tornou-se dono nesse mesmo ano. Nesse período, foi sócio fundador da Empresa Baiana de Lubrificantes e da Nacional de Veículos Sanave S.A. revendedora da Volkswagen, chegando a presidir essa última. No ano seguinte, foi sócio fundador e diretor da Panorama Hotéis e Turismo Ltda., proprietária dos Hotéis Itacimirim, Canto do Mar e Taba dos Pataxós, em Porto Seguro, no sul do estado.

Em 1974 assumiu a presidência, cargo que ocuparia até 1985, da empresa herdada do pai, então denominada Góis-Cohabita Construções S.A., fruto da fusão da Cohabita com a Construtora Góis Ltda. Em 1975 foi sócio fundador e diretor da Coribe Agropecuária Ltda. Nesse mesmo ano, tornou-se presidente do Conselho Deliberativo da Tribuna da Bahia, função que exerceria até 1996. Em 1976 tornou-se sócio-gerente da Coroa Vermelha Empreendimentos Ltda.

Aliado de Antônio Carlos Magalhães na Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação ao regime militar implantado em abril de 1964, rompeu com ele em 1981. Ingressou no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) pelas mãos do prefeito de Salvador, Mário Kertesz, também dissidente do carlismo. Nas eleições de 1982, apoiou a candidatura de Valdir Pires para o governo da Bahia, através da Tribuna da Bahia, segundo em circulação no estado. Utilizou-se do jornal para conseguir apoio de nomes expressivos do PMDB, pedindo pela imprensa a saída de Antônio Carlos Magalhães do Ministério das Comunicações e colocando o seu jornal à disposição de denúncias contra o ministro.

Elegeu-se deputado federal constituinte em novembro de 1986 e tomou posse em fevereiro do ano seguinte, tornando-se líder da bancada na Câmara. Na Assembléia Nacional Constituinte (ANC) participou como titular da Subcomissão de Ciência e Tecnologia e de Comunicação, da Comissão da Família, da Educação, Cultura e Esportes, e como suplente da Subcomissão do Sistema Financeiro, da Comissão do Sistema Tributário, Orçamento e Finanças. Foi também um dos vice-líderes do PMDB.

Votou favoravelmente ao rompimento das relações diplomáticas com países com política de discriminação racial, ao mandado de segurança coletivo, à jornada semanal de 40 horas, ao turno ininterrupto de seis horas, ao aviso prévio proporcional, à soberania popular, ao voto facultativo aos 16 anos, à nacionalização do subsolo, à limitação dos juros reais em 12% ao ano, à limitação dos encargos da dívida externa, à anistia aos micro e pequenos empresários e à criação de um fundo de apoio à reforma agrária. Foi contra a limitação do direito de propriedade privada, o presidencialismo, a estatização do sistema financeiro e o mandato de cinco anos para o presidente José Sarney. Absteve-se na votação sobre a adoção da pena de morte, da legalização do aborto e do jogo do bicho. Ausente na votação relativa à desapropriação da propriedade produtiva, foi relator da lei de defesa do consumidor. Após a promulgação da nova Carta, em outubro de 1988, voltou aos trabalhos ordinários na Câmara. Ainda nesse ano, tornou-se sócio cotista da Rádio e TV Aratu S.A. filiada à Rede Manchete.

Filiando-se ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), em 1990 chegou a candidatar-se ao governo da Bahia. Desistiu da candidatura, contudo, quando o PSDB se coligou ao PMDB, passando a disputar uma vaga no Senado. Mais uma vez usou dos meios de comunicação para atacar Antônio Carlos Magalhães, que liderava as pesquisas de opinião para governador do estado, cargo que acabou por assumir. Não teve êxito na disputa pela vaga no Senado, conquistada por Josafá Marinho, candidato do Partido da Frente Liberal (PFL), apoiado por Antônio Carlos.

Deixou a Câmara em janeiro de 1991, no fim da legislatura, sem concorrer a mais nenhum cargo político. A partir de então, voltou a concentrar-se em suas atividades empresariais.

Em setembro de 2009, Joaci Góis se tornou imortal da Academia Brasileira de Letras da Bahia.

Casou-se com Lídice Ferraz Fonseca de Góis, com quem teve dois filhos.

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1975-1979); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; Folha de S. Paulo (7/7/90); INF. AJURIMAR MOREIRA; Jornal do Brasil (6/7/90); Portal da Bahia Notícias (http://www.bahianoticias.com.br; acessado em 17/11/2009).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados