JOAO AGRIPINO DE COSTA DORIA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DÓRIA, João
Nome Completo: JOAO AGRIPINO DE COSTA DORIA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
DÓRIA, João [FECHADO]

DÓRIA, João

*  jornalista; dep. fed.  BA 1963-1964.

 

João Agripino de Costa Dória nasceu em Salvador no dia 21 de dezembro de 1919, fi­lho de Nélson da Costa Dória e de Maria Ge­raldina de Oliveira Dória.  Sua mãe pertencia à tradicional família Barbosa de Oliveira, sen­do prima de Rui Barbosa.

Iniciou seus estudos em casa, freqüentan­do em seguida o Ginásio Carneiro Ribeiro de 1930 a 1935.  Nesse mesmo ano, tornou-se revisor da Imprensa Oficial do Estado da Bahia e passou a militar no jornalismo local, ten­do colaborado com O Imparcial e trabalhado como redator de O Estado da Bahia até 1942.  Em 1936, ingressou no curso pré-jurídico do Ginásio da Bahia, deixando a Imprensa Ofi­cial para tornar-se, no ano seguinte, serven­tuário da Secretaria da Fazenda e Tesouro do estado.  Deixou o cargo em 1938, ano em que ingressou na Faculdade de Direito de Salvador e foi nomeado redator-chefe do Departamento Estadual de Imprensa e Propagan­da, além de oficial-de-gabinete do interven­tor federal na Bahia, Landulfo Alves.

Deixou esses cargos em 1942, transferin­do-se para o Rio de Janeiro (então Distri­to Federal) com a intenção de completar seu curso de direito na então Universidade do Brasil.  Entretanto, interrompeu os estudos no ano seguinte para voltar à atividade jorna­lística na capital federal.  Colaborou na Re­vista do Brasil, em Vamos Ler e Carioca, além de ter sido um dos fundadores da Fo­lha Carioca.  Trabalhou ainda como auxiliar técnico no gabinete do secretário-geral do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatís­tica (IBGE), antes de começar a se dedicar à publicidade, tornando-se redator da Stan­dard Propaganda S.A. em 1944.  Ascendeu na empresa, sendo nomeado diretor de sua filial em São Paulo em 1945 e, em 1948, diretor-­vice-presidente.  No ano seguinte, foi delegado da Federação das Indústrias à II Conferência das Classes Produtoras, realizada em Araxá (MG). Em 1951, deixou a Standard Propaganda e assumiu a presidência de empresa por ele mesmo criada, a Dória Associados Propaganda, à frente da qual permaneceria até 1964.

No pleito de outubro de 1962, elegeu-se suplente de deputado federal pela Bahia na legenda do Partido Democrata Cristão (PDC),  ao qual se havia filiado em 1961, assumindo o mandato em junho de 1963.  Incorporando-­se à Frente Parlamentar Nacionalista, apoiou a campanha do presidente João Goulart em prol das reformas de base e da política indepen­dente. Vice-líder do bloco parlamentar dos pequenos partidos na Câmara a partir de se­tembro de 1963, foi incluído na primeira lista de punições do Ato Institucional nº. 1 (9/4/1964), tendo seu mandato cassado e seus direitos políticos suspensos por dez anos no dia 10 de abril de 1964.

Após a cassação, João Dória partiu para o exílio em Paris. Bacharel em psicologia pela Sorbonne, em 1967, fez o mestrado nessa área do conhecimento na Universidade de Sussex, na Inglaterra, concluindo o curso em 1969.  Diretor comercial de uma empresa exportadora de vinhos na Argentina, retornou ao Brasil em 1974. Nesse ano, montou a empresa Pro-Service Editora, em sociedade com o ex-deputado federal José Aparecido de Oliveira, e inaugurou no Brasil o Instituto Mind Power, do qual tornou-se presidente. Ficou à frente dessa entidade até dezembro de 1992. Ao longo desses anos ocupou por um período a vice-presidência internacional do Institut for Mind Power Development.

 Foi também filiado à Sociedade Brasileira de Estatística, à Asso­ciação Paulista de Propaganda e à Associação Brasileira de Imprensa.

João Dória casou-se pela primeira vez com Maria Sílvia Dias Dória, com quem teve dois filhos. Um deles, o jornalista João Dória Júnior, foi secretário de Turismo da Prefeitura de São Paulo entre 1982 e 1984, durante a gestão de Mário Covas, e presidente da Empresa Brasileira de Turismo (Embratur) entre 1985 e 1987, no governo do presidente José Sarney. Viúvo, João Dória contraiu matrimônio com Tânia Pereira Henrique Dória, com quem teve mais dois filhos. Divorciando-se da segunda esposa, casou-se pela terceira vez com Maria Teresa Dória.

 

 

 

FONTES: ARQ.  DEP.  PESQ.  JORNAL DO BRASIL; CÂM.  DEP.  Anais; CÂM.  DEP. Deputados; CÂM.  DEP.  Relação nominal dos senhores; Grande encic.  Portuguesa; INF. João Dória Júnior; Jornal da Bahia (7/7/77); Jornal do Brasil (7/4/74); SOC. BRAS.  EXPANSÃO COMERCIAL. Quem; VÍTOR, M. Cinco.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados