JOAO BATISTA DE VASCONCELOS TORRES

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: TORRES, Vasconcelos
Nome Completo: JOAO BATISTA DE VASCONCELOS TORRES

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
TORRES, VASCONCELOS

TORRES, Vasconcelos

*dep. fed. RJ 1959-1963; sen. RJ 1963-1979.

 

João Batista de Vasconcelos Torres nasceu em Campos (RJ) no dia 2 de abril de 1920, filho de Rosalvo Martins Torres e de Zélia Vasconcelos Rosa Torres.

Realizou o curso primário no Colégio Brasil, em Niterói, então capital do estado do Rio de Janeiro, e o secundário no Instituto de Educação da mesma cidade.

Durante o Estado Novo (1937-1945) foi oficial do Gabinete Civil do interventor do estado do Rio de Janeiro, Ernâni Amaral Peixoto (1937-1945). Em 1944 bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito de Niterói, e no ano seguinte tornou-se advogado do Banco do Brasil, atividade que exerceria até 1959.

Após o fim do Estado Novo elegeu-se deputado à Assembléia Constituinte do Rio de Janeiro na legenda do Partido Social Democrático (PSD) em janeiro de 1947, assumindo o mandato em março do mesmo ano. Professor de sociologia da Escola de Estado-Maior do Exército no Distrito Federal de 1947 a 1949, participou dos trabalhos constituintes e, com a promulgação da nova Carta estadual, passou a exercer o mandato ordinário. Eleito deputado estadual nos pleitos de outubro de 1950 e 1954, sempre na legenda do PSD, foi presidente da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.

Em outubro de 1958 elegeu-se deputado federal pelo Rio de Janeiro, na legenda do PSD. Assumiu o mandato em fevereiro do ano seguinte, após deixar a Assembléia fluminense. Eleito vice-líder da maioria e do PSD na Câmara em julho de 1960, foi autor da emenda constitucional que manteve o Correio Aéreo Nacional, e de diversos projetos, dentre eles o que transformava o aprendizado industrial em nova modalidade de prestação do serviço militar, e o que impedia que fossem dados nomes de pessoas vivas a localidades e ruas. Favorável à nacionalização das companhias de seguros, integrou as comissões de Justiça, de Transportes e de Relações Exteriores da Câmara.

Rompendo com seu partido em 1962, ingressou no Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), em cuja legenda foi eleito senador pelo Rio de Janeiro em outubro do mesmo ano. Empossado em fevereiro de 1963, após o término de seu mandato na Câmara, no mês seguinte tornou-se vice-líder da maioria, constituída pelo PTB e o PSD, e do governo no Senado, funções que exerceu até março de 1965. Foi membro da comissão diretora do Senado de 1963 a 1968 e terceiro suplente da mesa do Senado de 1963 a 1965.

Com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de apoio ao governo instaurado com o movimento político-militar de março de 1964. Em março de 1967 tornou-se vice-líder da Arena no Senado. Durante seu mandato presidiu a Comissão de Serviço Público Civil e foi membro efetivo das comissões do Distrito Federal, de Ajustes Internacionais e Legislação sobre Energia Atômica e de Finanças, além de suplente das comissões de Constituição e Justiça, de Minas e Energia e de Saúde e vice-presidente da Comissão de Transportes, Comunicações e Obras Públicas.

Foi reeleito para o Senado em novembro de 1970, ainda na legenda da Arena. Autor da lei de emancipação do município de Volta Redonda (RJ) e da lei que criou a Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, foi vice-presidente da Comissão de Economia e membro das comissões de Agricultura e de Segurança Nacional, chegando a exercer a vice-presidência desta última em 1975. Derrotado no pleito de novembro de 1978, quando buscava a reeleição na legenda da Arena, encerrou seu mandato em janeiro de 1979, deixando o Senado e retornando a Niterói.

Com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se, em janeiro de 1981, ao Partido Popular (PP). Em abril de 1981 foi nomeado pelo governador Antônio Chagas Freitas presidente do Instituto de Previdência do Estado do Rio de Janeiro (IPERJ), sucedendo o deputado Ário Teodoro. Renunciou ao cargo em fevereiro de 1982, sendo substituído por Paulo Ribeiro, para se candidatar ao Senado na legenda do PP em novembro do mesmo ano. No entanto, com a incorporação do PP ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), ainda em fevereiro de 1982, filiou-se a esta última agremiação, abrindo mão de sua candidatura ao Senado.

Advogado da companhia A Eqüitativa de Seguros e professor de sociologia da Fundação Getulio Vargas, fez curso de extensão em sociologia rural na Universidade de Purdue, nos Estados Unidos.

Pertenceu à Academia Fluminense de Letras, à Sociedade de Geografia de Lisboa, à Associação Fluminense de Jornalistas e ao Instituto Histórico de Petrópolis.

Faleceu no Rio de Janeiro, no dia 25 de setembro de 1982.

Era casado com Carlota de Vasconcelos Torres, com quem teve quatro filhos. Sua filha Ana Clara Vasconcelos Torres casou-se com o ex-governador do Rio de Janeiro (1987-1991) e ex-deputado federal (1975-1977 e 1995-1999) Moreira Franco.

Vasconcelos Torres publicou Problemas do município de Parati, Cooperativismo, Grande Brasil, Conceito de religião entre as populações rurais do Brasil, Ensaio de sociologia rural brasileira, Movimentos migratórios das populações rurais brasileiras, Oliveira Viana sua vida e sua obra, Condições de vida do trabalhador na agroindústria do açúcar, Fundamentos objetivos da comunidade luso-brasileira, Minhas lutas no Senado em favor dos trabalhadores, Imunidades parlamentares e os vereadores, Reforma do Poder Legislativo e unificação de serviços, Mar territorial e Marinha de Guerra, Aviação — presença antiga na integração nacional, Uma face do problema agrário fluminense, A mobilidade rural brasileira, Comandante Ari Parreiras, Itamarati — verdade e mentira.

 

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Relação dos dep; CÂM. DEP. Relação nominal dos senhores; COUTINHO, A. Brasil; Diário do Congresso Nacional; Globo (1 e 2/4/81 e 11/2 e 26/9/82); GURGEL, H. Governo; Jornal do Brasil (30/5 e 21/11/78, 1/4/81 e 27/9/82); NÉRI, S. 16; Perfil (1972); SENADO. Dados; SENADO. Dados biográficos; SENADO. Endereços; SENADO. Relação; SENADO. Relação dos líderes; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (1, 2, 3, 4, 5, 6 e 9); VAITSMAN, M. Sangue.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados