JOAO BOSCO RAMOS DE LIMA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BOSCO, João
Nome Completo: JOAO BOSCO RAMOS DE LIMA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BOSCO, JOÃO

BOSCO, João

*sen. AM 1979.

 

João Bosco Ramos de Lima nasceu em Manaus no dia 9 de abril de 1936, filho de José Ramos de Lima e de Guiomar Alves de Lima.

Técnico em contabilidade, em 1959 trabalhou na divisão de lançamento e controle da Secretaria Municipal de Finanças de Manaus. Em 1962, foi diretor do departamento de fazenda da Secretaria Municipal de Finanças e secretário municipal de Administração, Cultura e Assistência Social de Manaus. Iniciou sua carreira política concorrendo no pleito de outubro de 1962 a uma vaga na Assembléia Legislativa de seu estado, na legenda do Partido Rural Trabalhista (PRT), conseguindo apenas uma suplência. No pleito municipal do ano seguinte foi eleito vereador na capital amazonense.

Após o movimento político-militar de 31 de março de 1964 que depôs o presidente João Goulart (1961-1964), com a extinção dos partidos políticos então existentes pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instaurado no país a partir de abril de 1964.

Em 1965 foi eleito presidente da Câmara Municipal e exerceu, interinamente, o cargo de prefeito da capital amazonense. Reeleito presidente da Câmara em 1966, no pleito de novembro desse ano elegeu-se deputado estadual na legenda do MDB. Renunciou ao cargo de presidente da Câmara Municipal e ao mandato de vereador em janeiro de 1967, assumindo uma cadeira no Legislativo estadual no mês seguinte. Nesse mesmo ano, representou o Poder Legislativo do Amazonas no VII Congresso Nacional de Municípios, realizado nos estados do Amazonas e Pará. Em 1968 foi eleito primeiro-secretário da mesa do Legislativo e, no ano seguinte, já na Aliança Renovadora Nacional (Arena), agremiação de apoio ao regime militar, foi vice-líder do governo na Assembléia. Nessa legislatura foi membro das comissões de Economia, Finanças e Orçamento, de Constituição e Justiça, e de Serviço Público.

Reeleito deputado estadual em novembro de 1970 na legenda da Arena, obtendo a maior votação do estado, ao iniciar novo período legislativo em fevereiro do ano seguinte, tornou-se líder da bancada do seu partido e do governo, e presidente da Comissão de Redação. Em 1972 deixou a liderança da Arena. Nesse ano, bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito da Universidade do Amazonas. Em 1973, deixando a liderança do governo, foi eleito presidente da Assembléia Legislativa do estado para o período de fevereiro de 1973 a janeiro de 1975. Nesta legislatura foi membro das comissões de Constituição e Justiça, de Serviço Público e de Economia, Finanças e Orçamento.

Em outubro de 1974 foi eleito vice-governador do estado, por via indireta, na chapa encabeçada por Enoc Reis, tendo assumido o cargo em março de 1975. No pleito de novembro de 1978 elegeu-se senador na legenda da Arena. Após o anúncio de sua vitória, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Amazonas acatou denúncia de fraude na pequena cidade de Atalaia do Norte, por apresentar um maior número de votos que de eleitores. Na ocasião, a Arena foi acusada, pelo MDB, de ter distribuído títulos além do prazo legal. Abriu-se nova chance a seu adversário, Fábio Lucena, do MDB, com a convocação de um novo pleito para janeiro de 1979 naquela localidade, que, entretanto, confirmou a vitória de João Bosco.

Assumindo sua cadeira no Senado em fevereiro seguinte, foi membro titular das comissões de Assuntos Regionais e do Distrito Federal e suplente de secretário da mesa diretora. Ainda em 1979, foi titular da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigava o recente acordo nuclear Brasil-Alemanha.

Seu mandato durou pouco mais de três meses, pois veio a falecer em Brasília no dia 11 de maio desse mesmo ano. Em seu lugar assumiu a suplente, Eunice Mafalda Michiles, a primeira mulher brasileira a ocupar uma cadeira no Senado.

Foi, ainda, cronista da Rádio Difusora do Amazonas, presidente da Associação de Cronistas Esportivos, vice-presidente da Federação de Futebol do Amazonas, presidente do Conselho Regional da Fundação Rondon, presidente da Associação Brasileira de Relações Públicas no Amazonas, conselheiro da Associação Brasileira de Municípios e treinador de futebol do Clube Nacional de Manaus.

Era casado com Vânia Maria Santana de Lima, com quem teve sete filhos.

Publicou Manaus é assim (1967), Caxias, soldado e civil (1967) e Tricentenário de uma cidade (1969).

 

FONTES: Jornal do Brasil (3, 5 e 12/5/79); SENADO. Dados (1979-1983); TRIB. SUP. ELEIT. Dados (6 e 9); Veja (27/12/78, 16/5/79).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados