JOAO CARLOS PESSOA FRAGOSO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: FRAGOSO, João Carlos
Nome Completo: JOAO CARLOS PESSOA FRAGOSO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
FRAGOSO, JOÃO CARLOS

FRAGOSO, João Carlos

*diplomata; emb. Bras. Alemanha 1989-1992.

João Carlos Pessoa Fragoso nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 6 de julho de 1935, filho de Aguinaldo Boulitreau Fragoso e Corina Ifigênia Pessoa Fragoso. Seu pai, também diplomata, foi embaixador do Brasil no Panamá (1955-1958) e na Argentina (1958-1962).

Bacharel em direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, após concluir o curso de preparação à carreira de diplomata do Instituto Rio Branco, foi nomeado terceiro-secretário em 1959 e trabalhou na Secretaria de Estado das Relações Exteriores (SERE), então funcionando no palácio Itamarati do Rio de Janeiro. Nos anos seguintes, participou de diversos grupos de trabalho: o de transferência do Ministério das Relações Exteriores (MRE) para Brasília (1960-1961), o preparatório do encontro dos presidentes do Brasil e da Argentina em Porto Alegre (1961), o de elaboração da agenda das conversações entre os presidentes do Brasil e da Itália (1961), o de Quito para o estudo da agenda provisória da Conferência Interamericana (1961) e o para o estudo das relações Brasil-Paraguai (1961).

Promovido a segundo-secretário, em outubro de 1961 e nomeado no ano seguinte chefe substituto da Divisão da América Meridional. Removido ainda em 1962 para a Alemanha Ocidental, serviu na embaixada em Bonn, na função de segundo-secretário, até 1964 quando foi transferido para Londres, servindo naquela embaixada até 1966. Tomou parte, em 1965, da reunião do conselho da União Interparlamentar em Dublin (Irlanda), da XIX Sessão do Conselho Internacional do Açúcar, em Londres, e da Conferência das Nações Unidas sobre Açúcar, em Genebra (Suíça). Em 1966 foi removido para a embaixada em Montevidéu e, enquanto servia no Uruguai, participou da reunião dos chefes de estados americanos em Punta del Este (1967) e foi promovido a primeiro-secretário em março de 1967, continuando no posto até o ano seguinte. Segundo o site do Partido Democrático Trabalhista (PDT), João Carlos Fragoso começou a trabalhar para o Centro de Informações do Exterior (Ciex), o serviço de inteligência do Ministério das Relações Exteriores, em Montevidéu, em 1966.

De volta à SERE, ainda no Rio de Janeiro, foi auxiliar do secretário-geral de Política Exterior do MRE de 1968 a 1969. Segundo aquela mesma fonte, seu nome constaria de um documento secreto daquele ano, que informava sobre sua substituição no posto de diretor-executivo do Ciex pelo segundo-secretário Paulo Sérgio Nery.

Ainda em 1969, foi requisitado pelo palácio do Planalto para ocupar o cargo de subchefe especial do Gabinete Civil da Presidência da República, cujo chefe era seu tio materno João Leitão de Abreu, função que exerceu até 1973, quando foi promovido a conselheiro (janeiro) e a ministro de segunda classe (novembro). Integrou nesse período as comitivas do presidente Artur da Costa e Silva nos encontros com os presidentes da Colômbia (Letícia) e do Paraguai — por ocasião da inauguração da ponte sobre o rio Apa (Bela Vista) em 1971 — e da Venezuela, em Santa Elena de Uiarén (1973). No ano seguinte foi removido para a Itália onde serviu, na embaixada junto à Santa Sé, em Roma, até 1977.

Chefe do Cerimonial do MRE de 1977 a 1981, nessa função integrou as comitivas do presidente general Ernesto Geisel nas visitas oficiais ao Uruguai, ao México e à Alemanha Ocidental (1978) e foi promovido a ministro de primeira classe em dezembro de 1978. Chefiou o grupo de trabalho para a organização da posse do presidente João Batista Figueiredo (março de 1979) e integrou as comitivas presidenciais nas visitas oficiais à Venezuela (1979), ao Paraguai, à Argentina e ao Chile (1980), a Portugal (1981) e aos Estados Unidos (1982), entre outras.

Subchefe especial do Gabinete Civil da Presidência da República, trabalhou de 1981 a 1984 novamente com o ministro-chefe João Leitão de Abreu e em 1985 foi removido para a Espanha, ocupando a embaixada em Madri até 1989, quando foi transferido para a Alemanha onde sucedeu o embaixador Oscar Lorenzo Fernandez. Serviu em Bonn até 1992 e, sucedido no posto pelo embaixador Francisco Thompson Flores Neto, foi removido para a embaixada na Bélgica. Permaneceu em Bruxelas até 1993 quando passou para o quadro especial ao cumprir 15 anos como ministro de primeira classe. De volta à SERE, em 1994 foi nomeado chefe da Assessoria de Relações com o Congresso.

Em 1998, foi designado embaixador em Atenas, no que seria o último posto de sua carreira diplomática. Aposentou-se como ministro de primeira classe do quadro especial, em janeiro de 2003, passando a residir em seu sítio em Barra do Piraí (RJ).

Casou-se com a escultora Maria Isabel Pinheiro Guimarães Fragoso, com quem teve quatro filhos.

 

FONTE: MIN. REL. EXT.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados