JOAO MIRALDO DOS SANTOS GOMES

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GOMES, Miraldo
Nome Completo: JOAO MIRALDO DOS SANTOS GOMES

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GOMES, MIRALDO

GOMES, Miraldo

*const. 1987-1988; dep. fed. BA 1987-1991.

João Miraldo dos Santos Gomes nasceu em Santo Estevão (BA) no dia 11 de março de 1944, filho de Antônio Pascácio Gomes e de Estela dos Santos Gomes.

Em 1965 ingressou na Universidade Federal da Bahia (Ufba), pela qual formou-se em medicina em 1970. Em 1975, fez pós-graduação em medicina na Universidade do Chile, em Santiago. Fundou em Feira de Santana (BA), em 1979, a Maternidade Estela Gomes, da qual seria diretor até 1986. Em 1982, participou do XI Congresso Mundial de Ginecologia e Obstetrícia em São Francisco, Califórnia (EUA), no qual apresentou trabalho sobre gravidez ectópica.

Em novembro de 1986, disputou uma cadeira na Assembléia Nacional Constituinte na legenda do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Candidato de última hora e grande surpresa das urnas, Miraldo Gomes realizou durante a campanha, segundo declarou, duzentas ligações de trompas de mulheres pobres da periferia. Prometia defender o planejamento familiar na Constituinte, acreditando ser a ligação de trompas o método mais adequado de controle. Primeiro suplente da bancada peemedebista, assumiu o mandato em 27 de outubro de 1987 em razão da indicação de Prisco Viana para a pasta da Habitação e Urbanismo do governo do presidente José Sarney (1985-1990).

Nas principais votações realizadas na Constituinte, pronunciou-se a favor do rompimento de relações diplomáticas com países com política de discriminação racial, do mandado de segurança coletivo, da proteção ao emprego contra a despedida sem justa causa, do turno ininterrupto de seis horas, do presidencialismo e da proibição do comércio de sangue. Privatista e favorável à participação do capital estrangeiro, votou ainda contra a estatização do sistema financeiro, a pena de morte, a remuneração 50% superior para o trabalho extra, a jornada semanal de 40 horas e o mandato de cinco anos para o presidente José Sarney.

Em 1988, saiu do PMDB e ingressou no Partido Democrata Cristão (PDC). Após a promulgação da nova Carta Constitucional (5 de outubro de 1988), voltou a participar dos trabalhos legislativos ordinários na Câmara dos Deputados.

Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1991, ao final da legislatura, não tendo concorrido à reeleição em outubro do ano anterior.

Retornando a Feira de Santana, dedicou-se ao exercício da profissão na maternidade de sua propriedade. Fez cursos de especialização em medicina e passou a ministrar palestras sobre assuntos médicos. Foi ainda secretário de Saúde de Feira de Santana entre janeiro e novembro de 1997 e membro efetivo da Academia Feirense de Letras.

Casou-se com Diana Lúcia Negreiros Falcão Gomes, com quem teve quatro filhos.

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; INF. BIOG.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados