JOHNSON, JOAO FERREIRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: JOHNSON, João Ferreira
Nome Completo: JOHNSON, JOAO FERREIRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
JOHNSON, JOÃO FERREIRA

JOHNSON, João Ferreira

* militar; ch. EM Gov. Prov. 1931.

João Ferreira Johnson nasceu no Rio Grande do Sul em 13 de julho de 1878, filho de Tadeu Pedro Johnson.

Entrou para o Exército em novembro de 1893 como praça agregado à 1ª Companhia do 13º Batalhão de Infantaria em Porto Alegre. No decorrer do ano seguinte, já como efetivo da mesma unidade, foi promovido sucessivamente a anspeçada, cabo-de-esquadra, furriel e segundo-sargento. Ainda em 1894 matriculou-se, em maio, na Escola Militar de Porto Alegre, que cursou até setembro de 1896, ingressando, em outubro, no 11º Regimento de Cavalaria. Em dezembro do mesmo ano recebeu a patente de primeiro-sargento.

Em março de 1897 foi transferido para o 12º Batalhão de Infantaria na cidade de Rio Grande (RS). Nesse ano, entre os meses de abril e outubro, participou das expedições militares enviadas pelo governo federal ao sertão da Bahia com o objetivo de combater a revolta de Canudos, movimento de cunho messiânico irrompido na região em 1896 sob a liderança de Antônio Conselheiro.

Seguiu para o Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em janeiro de 1900, a fim de prestar serviço na repressão a uma greve de cocheiros e carroceiros. Entre 1901 e 1903 freqüentou a Escola Tática e de Tiro de Rio Pardo (RS), de onde saiu para a Escola Militar da Praia Vermelha, no Rio de Janeiro, aí permanecendo de março de 1903 a novembro de 1904, quando a instituição foi fechada em virtude de seu envolvimento na revolta militar contra o presidente Rodrigues Alves, deflagrada em conjunto com o levante popular conhecido como Revolta da Vacina.

De outubro a novembro de 1905, ainda no Rio de Janeiro, serviu no 6º Batalhão de Artilharia de Posição, passando em seguida para o 7º Batalhão de Infantaria, onde permaneceu até abril de 1906. Nessa ocasião entrou para a Escola de Guerra de Porto Alegre, pela qual saiu aspirante-a-oficial em fevereiro de 1907. A partir de então serviu no 9º Regimento de Cavalaria, em Ouro Preto (MG), e na 3ª Brigada de Infantaria, no Paraná, até sua promoção a segundo-tenente em outubro de 1908. Em março desse ano havia obtido licença para cursar a Escola de Engenharia e Artilharia do Realengo, no Rio de Janeiro, que freqüentou até abril de 1909.

De janeiro de 1909 a abril do ano seguinte serviu no 1º Regimento de Cavalaria, de onde retornou ao 11º Regimento de Cavalaria em Porto Alegre. Em janeiro de 1911 foi designado ajudante-de-ordens do comando da Brigada Mista, no Distrito Federal, e no mês seguinte ingressou na Escola de Estado-Maior do Exército. Entre setembro de 1911 e fevereiro de 1912 atuou como auxiliar do Estado-Maior do Exército, e em setembro de 1913 chegou ao posto de primeiro-tenente.

Ao deixar a Escola de Estado-Maior, em novembro de 1914, incorporou-se ao 8º Regimento de Cavalaria, em Curitiba. Em fevereiro do ano seguinte foi indicado chefe da segunda seção do quartel-general da 4ª Brigada Estratégica. De abril de 1915 a março de 1916 serviu novamente junto ao Estado-Maior do Exército. Transferido para o 58º Batalhão de Cavalaria, aí permaneceu até janeiro de 1917, quando passou para o 13º Regimento de Cavalaria. Entre maio desse ano e abril de 1919 esteve novamente lotado no 11º Regimento de Cavalaria.

Promovido a capitão em agosto de 1919, foi deslocado, no mês seguinte, para o 5º Regimento de Cavalaria em Bajé (RS) e em novembro tornou-se auxiliar da 1ª Seção do Estado-Maior do Exército. Em abril de 1920 foi designado para o 4º Regimento de Cavalaria Independente em Santo Ângelo (RS), além de ter iniciado curso na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, que se prolongou até o ano seguinte. Em fevereiro de 1921 voltou a essa escola para realizar curso de revisão, e de março a dezembro permaneceu no 5º Regimento de Cavalaria Independente em Quaraí (RS).

Em novembro de 1921 foi promovido a major. Durante alguns dias do mês de janeiro de 1922 chefiou o estado-maior da 3ª Região Militar, sediada em Porto Alegre. Em janeiro de 1923 terminou o curso de revisão na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, e em fevereiro entrou para o 1º Regimento de Cavalaria Independente em Santiago do Boqueirão, atual Santiago (RS), assumindo também a chefia do estado-maior da Inspetoria do 2º Grupo de Regiões Militares.

Em maio de 1927 atingiu o posto de tenente-coronel, e em outubro do mesmo ano ingressou no 6º Regimento de Cavalaria Independente em Alegrete (RS). Agregando-se, em setembro de 1928, ao Departamento de Guerra, aí desempenhou funções de chefia junto a diversas seções do Estado-Maior do Exército. Em maio de 1929 recebeu promoção a coronel.

No momento em que eclodiu a revolução de 3 de outubro de 1930, ocupava, desde o dia 1º desse mês, o cargo de membro do Conselho Permanente de Justiça do Departamento de Guerra. Em novembro, com a vitória da revolução, foi nomeado chefe do estado-maior da 1ª Região Militar, com sede no Rio de Janeiro, posto à frente do qual esteve até fevereiro de 1931. Em maio desse ano ascendeu à patente de general-de-brigada e exerceu, até novembro, a chefia do Estado-Maior do Governo Provisório presidido por Getúlio Vargas, cargo correspondente à atual chefia do Gabinete Militar da Presidência da República. A seguir foi indicado primeiro subchefe do Estado-Maior do Exército. Solicitou demissão do cargo em agosto de 1932, durante a Revolução Constitucionalista de São Paulo, e em outubro do mesmo ano foi nomeado comandante da 7ª Região Militar, sediada em Recife. Essa foi a última função que desempenhou no Exército, do qual se desligou em fevereiro de 1933, quando passou para a reserva.

Foi reformado em janeiro de 1940.

FONTES: ARQ. GETÚLIO VARGAS; ARQ. MIN. EXÉRC.; CORRESP. GAB. MIL. PRES. REP.; LAGO, L. Generais; LAGO, L. Relação; PEIXOTO, A. Getúlio.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados