JOSE MARIANO DE FREITAS BECK

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BECK, Mariano
Nome Completo: JOSE MARIANO DE FREITAS BECK

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BECK, MARIANO

BECK, Mariano

*dep. fed. RS 1967-1969.

 

José Mariano de Freiras Beck nasceu em Santa Maria (RS) no dia 24 de fevereiro de 1922, filho de Hermínio Beck e de Lucília Lima Beck.

Professor primário e secundário, além de pecuarista, bacharelou-se pela Faculdade de Direito da Universidade do Rio Grande do Sul em 1945. Ocupou interinamente a prefeitura municipal de Tupanciretã (RS).

Assistente jurídico e chefe de gabinete da Secretaria Estadual de Educação e Cultura, assumiu interinamente o cargo de secretário em 1953, no governo Ernesto Dornelles, substituindo Júlio Marino de Carvalho. Foi ainda secretário interino de Interior e Justiça e de Agricultura, Indústria e Comércio.

No pleito de outubro de 1954, elegeu-se deputado à Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), deixando o cargo de secretário e exercendo o mandato a partir de fevereiro de 1955. Tentou a reeleição no pleito de outubro de 1958, ficando apenas com uma suplência, mas retomou à Assembléia, cuja vice-presidência ocupou na legislatura iniciada em 1959.

Voltou a ocupar a Secretaria da Educação no governo de Leonel Brizola, exercendo o cargo de 1959 a 1961. No período, exerceu ainda, em caráter interino, o cargo de secretário de Interior e Justiça do estado.

Após o movimento político-militar de 31 de março de 1964 e com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar, em cuja legenda se elegeu deputado federal pelo Rio Grande do Sul no pleito de novembro de 1966. Participou da Frente Ampla, coalizão oposicionista que reunia políticos de destaque marginalizados pelo novo regime. Ocupou uma cadeira na Câmara de fevereiro de 1967 ao dia 16 de janeiro de 1969, quando teve seu mandato cassado e seus direitos políticos suspensos com base no Ato Institucional nº 5, editado em 13 de dezembro de 1968.

Em 1981, foi eleito presidente da seção gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil. No exercício do cargo, presidiu a comissão especial que investigou o seqüestro dos uruguaios Lílian Celiberti e Universindo Díaz por militares uruguaios em Porto Alegre. A comissão concluiu que houve participação de elementos dos órgãos de repressão do governo do Rio Grande do Sul na operação.

Mariano Beck faleceu em Porto Alegre no dia 22 de dezembro de 1987.

Era casado com Maria da Glória Martins Costa de Freitas Beck, com quem teve sete filhos.

 

FONTES: ARQ. DEP. PESQ. JORNAL DO BRASIL; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1967-1971); COUTINHO, A. Brasil; FERREIRA FILHO, A. História; Veja (6/1/88).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados