JOSE NEWTON DE ALMEIDA BATISTA PEREIRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: NEWTON, José
Nome Completo: JOSE NEWTON DE ALMEIDA BATISTA PEREIRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
NEWTON, JOSÉ

NEWTON, José

*religioso; arceb. Brasília 1960-1984.

 

José Newton de Almeida Batista Pereira nasceu em Niterói, então capital do estado do Rio de Janeiro, no dia 16 de outubro de 1904, filho de Baltazar Bernardino Batista Pereira e de Maria Carolina de Almeida Batista Pereira.

Fez o ginásio no Seminário Menor de São Paulo, como seminarista da arquidiocese do Rio de Janeiro, e completou os estudos de filosofia e de teologia na Universidade Gregoriana, em Roma, licenciando-se em filosofia em 1925. Ainda em Roma, ordenou-se sacerdote em outubro de 1928 e no ano seguinte doutorou-se em teologia.

Em 1930, de volta ao Rio de Janeiro, então Distrito Federal, foi designado vigário cooperador na paróquia de São João Batista da Lagoa. Em 1931 substituiu o vigário de Inhaúma, sendo depois nomeado pároco de Osvaldo Cruz, onde se estabeleceu durante dois anos. Em 1933 ocupou o mesmo posto em Paquetá e em 1936 passou a pároco de Santa Cruz, exercendo também em 1938 o cargo de diretor da Comissão Arquidiocesana de Santificação das Famílias. Permaneceu em Santa Cruz até 1940, quando assumiu a função de capelão da igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, tornando-se ainda professor do Seminário do Rio Comprido e diretor arquidiocesano das vocações sacerdotais. Em 1941 tornou-se capelão também do Colégio Notre Dame de Sion e em 1942 foi cônego catedrático do cabido metropolitano.

Em agosto de 1944 deixou o Rio de Janeiro, sendo sagrado bispo diocesano de Uruguaiana (RS), onde ficou até 1954, quando foi nomeado arcebispo metropolitano de Diamantina (MG). Ocupou essa posição até 1960, ano em que foi nomeado arcebispo de Brasília (DF), a nova capital do país, inaugurada em abril e construída durante o governo do presidente Juscelino Kubitschek (1956-1960). Em 1963 foi nomeado vigário militar do Brasil e em 1967 recebeu o título de arcebispo metropolitano. Foi membro da Comissão Central da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e da Previdência do Clero, bem como dos congressos eucarísticos internacionais.

Arcebispo de Brasília desde 1960, concordou com todos os governos que se sucederam desde Juscelino Kubitschek até os militares. Em 1979, ao atingir 75 anos, conforme o decreto pontifício, colocou seu cargo à disposição da Santa Sé. No ano seguinte foi-lhe concedida a aposentadoria, e foi substituído pelo arcebispo de Teresina, dom José Freire Falcão. Designado bispo emérito de Brasília, continuou exercendo o sacerdócio e manteve o cargo de bispo castrense, vigário responsável pela supervisão dos capelães militares do país.

Faleceu em Brasília, aos 97 anos, no dia 11 de novembro de 2001.

Publicou a obra Voz do pastor, constituída de oito volumes.

Bruno Marques

(atualização)

 

 

FONTES: BARBOSA, D.D.L. Canção Nova ; CONFERÊNCIA NAC. BISPOS DO BRASIL; CURRIC. BIOG.; GARDEL, L. Armoiries; Grande encic. Delta.; Portal da Câmara dos Deputados. Consulta. Disponível em : <http://www.camara.gov.br/sileg/

Prop_Detalhe.asp?id=169973>. Acesso em : 01 set. 2009; Veja (7/3/84).

 

                                                                                  

 

 

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados