LAEL VIEIRA VARELA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: VARELA, Lael
Nome Completo: LAEL VIEIRA VARELA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
VARELA, LAEL

VARELA, Lael

*const. 1987-1988; dep. fed. MG 1987-

 

Lael Vieira Varela nasceu em Muriaé (MG) no dia 19 de fevereiro de 1939, filho do agricultor Misael Ferreira Varela e de Maria Vieira Varela.

Fez o curso secundário no Centro Educacional Marinho Nunes, no Rio de Janeiro. Empresário rural e proprietário de uma rede de concessionárias de veículos, em 1974 viajou a diversos países europeus a convite da SAAB-Scania da Suécia. Em 1980, foi eleito por unanimidade diretor da Associação Brasileira dos Concessionários Scania S.A. (Assobrasc) e, no ano seguinte, presidente do Sindicato Rural de Muriaé, cargo que exerceria por dois mandatos até 1987.

No pleito de novembro de 1986, candidatou-se por Minas Gerais a uma cadeira na Câmara dos Deputados, na legenda do Partido da Frente Liberal (PFL). Eleito, assumiu o mandato em fevereiro do ano seguinte, participando dos trabalhos da Assembléia Nacional Constituinte (ANC) como titular da Subcomissão da Questão Urbana e Transporte, da Comissão de Ordem Econômica, e suplente da Comissão de Sistematização. Nas votações mais importantes da Constituinte, pronunciou-se a favor da unicidade sindical, do presidencialismo e do mandato de cinco anos para o presidente José Sarney. Votou contra a limitação do direito de propriedade privada, o mandado de segurança coletivo, a remuneração 50% superior para o trabalho extra, a jornada semanal de 40 horas, o turno ininterrupto de seis horas, o aviso prévio proporcional, a soberania popular, o voto aos 16 anos, a nacionalização do subsolo, a estatização do sistema financeiro, a legalização do aborto e a limitação dos encargos para a dívida externa. Com a promulgação da nova Carta constitucional em 5 de outubro de 1988, passou a participar dos trabalhos ordinários da Câmara. Foi titular da Comissão de Economia, Indústria e Comércio, da Comissão de Viação, Transportes, Desenvolvimento Urbano e Interior, e suplente da Comissão de Agricultura e Política Rural.

Reeleito no pleito de outubro de 1990, iniciou novo mandato em fevereiro de 1991, participando dos trabalhos legislativos como membro titular da Comissão de Viação, Transportes, Desenvolvimento Urbano e Interior. Na sessão da Câmara de 29 de setembro de 1992, votou a favor da abertura do processo de impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por envolvimento numa rede de corrupção comandada por Paulo César Farias, que lhe servira como tesoureiro durante a campanha eleitoral. Afastado da presidência logo após a votação na Câmara, Collor renunciou ao mandato em 19 de dezembro de 1992, pouco antes da conclusão do processo pelo Senado Federal, sendo efetivado na presidência da República o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde o dia 2 de outubro.

Ainda nessa legislatura, integrou como membro titular a Comissão de Viação e Transportes e como suplente a Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização, as comissões especiais sobre eleição distrital mista, sobre o sistema tributário nacional e sobre a vinculação do salário mínimo na fixação da aposentadoria e da pensão por morte. Diante das principais matérias apresentadas à Câmara, manifestou-se a favor do fim do voto obrigatório e da criação do Fundo Social de Emergência (FSE), que concedeu ao Executivo Federal uma margem de autonomia na alocação de recursos, autorizando-o a aplicar em outras áreas verbas inicialmente previstas para os Ministérios da Educação e Saúde. Não compareceu à sessão que instituiu o Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), contribuição de 0,25% que incidiu sobre operações bancárias.

No pleito de outubro de 1994, reelegeu-se mais uma vez deputado federal, sempre na legenda do PFL, obtendo a maioria dos votos provenientes de sua base eleitoral na região da Zona da Mata. Assumiu novo mandato em fevereiro de 1995, participando dos trabalhos legislativos como membro titular da Comissão de Viação e Transportes. Nas votações das emendas constitucionais propostas pelo governo federal em 1995, votou a favor da quebra do monopólio dos estados na distribuição de gás canalizado, da quebra do monopólio das embarcações nacionais na navegação de cabotagem, da mudança no conceito de empresa nacional, da quebra do monopólio estatal das telecomunicações e da quebra do monopólio da Petrobras na exploração de petróleo. Foi ainda favorável à prorrogação do FSE, cujo nome foi modificado para Fundo de Estabilização Fiscal (FEF).

Em julho de 1996, votou contra a aprovação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), imposto de 0,2% sobre transações bancárias, criado como fonte complementar de recursos para a saúde, em substituição ao IPMF. Em 1997, declarou-se favorável à emenda constitucional que permitiu a reeleição do presidente da República, dos governadores e dos prefeitos e à emenda que pôs fim à estabilidade dos funcionários públicos.

Reelegeu-se deputado federal no pleito de outubro de 1998 na legenda do PFL. Em novembro, manifestou-se a favor da reforma da Previdência que fixou um teto salarial para a aposentadoria dos servidores públicos e estabeleceu idade e tempo de contribuição mínimos para os trabalhadores do setor privado. Iniciou novo mandato na Câmara dos Deputados em fevereiro de 1999. Reeleito em 2002, participou em 2003 da CPI que investigou as atividades da SERASA. No mesmo ano votou a favor da reforma da Previdência elaborada pelo Executivo. Foi também membro titular da Comissão de Viação e Transporte e da Comissão de Economia, Indústria e Comércio. Em diversos pronunciamentos criticou a aprovação do Estatuto do Desarmamento e apoiou a campanha do “Não” no referendo sobre o fim da venda de armas de fogo no Brasil realizado em 2005.

Em 2006 foi eleito pela sexta vez deputado federal, com 148.370 votos, sendo o candidato mais votado do PFL em Minas Gerais. Continuou como titular da Comissão de Viação e Transporte e participou também como titular das comissões especiais que discutiram a PEC 231/95, que tratava da redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, e a PEC 306/00, que tratava do Plano Nacional de Cultura. Pronunciou-se nessa legislatura contra a política de reforma agrária do governo federal e contra projetos que tramitavam no Congresso favoráveis a descriminalização do aborto. Em setembro de 2007, votou a favor da emenda constitucional que prorrogava a CPMF até o ano de 2011, contrariando a orientação do PFL. Votou também contra o fim do imposto sindical. Ainda em 2007, quando o PFL mudou o nome para Democratas (DEM), tornou-se membro do diretório nacional do DEM e membro da executiva regional de Minas Gerais.

Além de líder ruralista, foi diretor-presidente de várias empresas concessionárias de veículos em Minas Gerais e no Espírito Santo, da Lael Varela Administração e Assessoria Ltda., em Muriaé, e da Agropecuária Lael Varela, atuante em Muriaé, Miraí (MG) e Governador Valadares (MG), município onde também foi presidente do Sindicato Rural e da Associação Comercial.

Desquitado, foi casado com Maria da Glória Ferreira Varela, com quem teve quatro filhos.

Foi autor de quatro livros: Delenda reforma agrária! (1998), Minas: peito de ferro, coração de ouro (1998), Delenda reforma agrária II: ignorância ou má-fé? (1999) e Minas: um estado de espírito (2000), todos publicados pela Câmara dos Deputados.

 

Marcelo Costa/Rogério Alves de Barros/Augusto Gomes

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); COELHO, J. ; OLIVEIRA, A. Nova; Folha de S. Paulo (18/9/94, 31/1/95, 14/1/96, 30/1/97, 5/2 e 6/11/98); MONTEIRO, N.G. Dicionário biográfico de Minas Gerais; Perfil parlamentar/IstoÉ (1991); Portal da Câmara do Deputados. Disponível em : <http://www.camara.gov.br>. Acesso em : 17 jul. 2009; Portal do dep. fed. Lael Varella. Disponível em : <http://www.deputadolaelvarella.com.br>. Acesso em : 17 jul. 2009; Portal Democratas. Disponível em : <http://www. democratas.org.br>. Acesso em : 18 jul. 2009; Portal Empresas Lael Varella. Disponível em : <http://www.empresaslaelvarella.com.br>. Acesso: 17 jul. 2009;

 

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados