LEONI, ARLINDO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: LEONI, Arlindo
Nome Completo: LEONI, ARLINDO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
LEONI, ARLINDO

LEONI, Arlindo

*magistrado; dep. fed. BA 1912-1923 e 1935-1936.

 

Arlindo Batista Leoni nasceu em Barra (BA) no dia 29 de janeiro de 1869, filho de Manuel Batista Leoni e de Messias Valedici de Sousa Leoni.

Fez os primeiros estudos no Colégio D. Pedro II, em Salvador, bacharelando-se em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito de Recife em 1886.

Foi promotor público na comarca de Brejo Grande, atual Ituaçu (BA), de 1887 a 1890, e juiz municipal de Pombal, atual Ribeira do Pombal (BA), de 1890 a 1892. Em seguida foi juiz de direito dos municípios baianos de Paraguaçu, Bom Conselho — atual Cícero Dantas — , Juazeiro, Maragojipe e Valença. Deixando a magistratura em 1904, instalou um escritório de advocacia em seu estado.

Em 1910 elegeu-se senador estadual na Bahia, reelegendo-se para a legislatura seguinte. Em janeiro de 1912 elegeu-se deputado federal pela Bahia, renunciando à senatoria baiana. Foi reeleito nos pleitos de 1915, 1918 e 1921, sempre com o apoio de José Joaquim Seabra, importante chefe político do estado durante a Primeira República. Integrou as comissões de Constituição e Justiça e de Finanças por várias legislaturas.

Candidatou-se a uma cadeira no Senado na legenda do Partido Republicano Democrático (PRD) no pleito de julho de 1923, realizado para preencher a vaga aberta com o falecimento de Rui Barbosa em abril do mesmo ano. Sua eleição, entretanto, não foi reconhecida pelo Senado Federal, que proclamou a vitória de Pedro Lago, candidato da Concentração Republicana da Bahia (CRB). Em dezembro seguinte renunciou ao seu mandato na Câmara para candidatar-se ao governo da Bahia na Legenda do PRD no pleito daquele mesmo mês. Segundo o sociólogo Eul-Soo Pang, Arlindo Leoni era um chefe de segundo escalão do PRD, tendo sido escolhido à última hora pelo partido, que estava plenamente consciente da inutilidade do gesto, dada a crescente popularidade do candidato da CRB, Francisco Marques de Góis Calmon. Realizado o pleito, os dois partidos reivindicaram a vitória, forçando o Legislativo estadual a “reconhecer” o vencedor. Em março de 1924 a vitória de Góis Calmon foi proclamada, em meio a grande tensão política. Surgiram rumores de que o governador Seabra transmitira o cargo a Leoni, ignorando a decisão da Assembléia. Ainda nesse mês, o presidente Artur Bernardes (1922-1926) decretou o estado de sítio na Bahia, garantindo a posse de Góis Calmon.

Após a Revolução de 1930, Arlindo Leoni, juntamente com outros políticos do antigo PRD, rompeu com Seabra, aliando-se ao interventor federal Juraci Magalhães. Em janeiro de 1933 participou da fundação do Partido Social Democrático da Bahia. No pleito de maio do mesmo ano elegeu-se deputado à Assembléia Nacional Constituinte pela Bahia, na legenda do seu partido, mas não participou dos trabalhos de elaboração da nova Carta por motivos de saúde. Em outubro de 1934 elegeu-se deputado federal por seu estado, assumindo o mandato em maio do ano seguinte.

Durante sua vida pública advogou no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, onde veio a falecer no dia 6 de setembro de 1936, em pleno exercício do mandato.

Publicou Testamento e suas modalidades perante o direito e a legislação pátria (1897) e Penhor mercantil (1898).

 

 

FONTES: ABRANCHES, J. Governos; ASSEMB. NAC. CONST. 1934. Anais; CÂM. DEP. Deputados; EUL-SOO PANG. Coronelismo; GODINHO, V. Constituintes; Ilustração brasileira (10/22); MACEDO, R. Efemérides; VELHO SOBRINHO, J. Dic.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados