LEOPOLDO DE DINIZ MARTINS JUNIOR

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DINIZ JÚNIOR, Leopoldo de
Nome Completo: LEOPOLDO DE DINIZ MARTINS JUNIOR

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
DINIZ JÚNIOR, LEOPOLDO DE

DINIZ JÚNIOR, Leopoldo de

*diplomata; dep. fed. SC 1935-1937.

 

Leopoldo de Diniz Martins Júnior nasceu em Florianópolis, então Desterro, no dia 2 de setembro de 1889, filho do cirurgião-dentista Leopoldo Diniz Martins e de Maria Antônia Medeiros dos Santos Martins.

Fez seus primeiros estudos em sua cidade natal e bacharelou-se pela Faculdade de Direito de São Paulo, em 1909. De volta a Santa Catarina, foi promotor público em Laguna entre 1910 e 1913 e inspetor escolar a partir de 1914. Colaborou com a imprensa do estado e proferiu seguidas conferências em que fazia profissão de fé monarquista, investindo, segundo Arnaldo São Tiago, contra “os descalabros da democracia” e citando a Bélgica como exemplo de eficiência do sistema monárquico.

Secretário do prefeito do Distrito Federal e presidente da Comissão de Orçamento da Prefeitura do Distrito Federal em 1930, em 1933 foi nomeado superintendente da Educação Elementar. No mesmo ano, integrava o estado-maior da Ação Social Brasileira, também conhecida como Partido Nacional Fascista. Filiou-se em seguida ao Partido Liberal Catarinense, em cuja legenda foi eleito deputado federal em outubro de 1934. Assumindo o mandato em maio do ano seguinte, tornou-se membro e presidente da Comissão de Diplomacia e Tratados da Câmara, mantendo a cadeira até o advento do Estado Novo (10/11/1937), que suprimiu as câmaras legislativas do país. Nesse meio tempo, em maio de 1937, representou seu partido na convenção que lançou a candidatura de José Américo de Almeida às eleições presidenciais previstas para o ano seguinte.

Presidente do Instituto Nacional do Mate de 1938 a 1941, em maio deste ano tornou-se conselheiro comercial do Ministério das Relações Exteriores. Representante do Brasil na Comissão Mista Comercial Brasil-Argentina, em Buenos Aires, entre março de 1942 e janeiro de 1946, dedicou-se especialmente às relações comerciais entre os dois países, participando de comissões e missões econômicas ligadas ao problema até 1953. Promovido a ministro para assuntos econômicos em novembro desse ano, tornou a cumprir missão na Argentina de março de 1956 a agosto de 1959, antes de se aposentar em fevereiro do ano seguinte.

Jornalista, foi também colaborador dos jornais A Pátria e A Gazeta, dirigiu A Noite e foi um dos fundadores do Diário de Notícias, todos no Rio de Janeiro.

Faleceu no Rio de Janeiro, em 25 de janeiro de 1967.

 

FONTES: ASSEMB. LEGISL. SC. Dicionário político; Boletim Min. Trab. (5/36); CÂM. DEP. Deputados; Constituinte; Correio da Manhã (30/7/33); Diário de Notícias, Rio (26/5/37); Diário do Congresso Nacional; ENTREV. BARRETO, A.; MIN. REL. EXT. Anuário (1960 e 1961); SILVA, H. 1937; TIAGO, A. História.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados