LIDICE DA MATA E SOUSA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MATA, Lídice da
Nome Completo: LIDICE DA MATA E SOUSA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MATA, LÍDICE DA

MATA, Lídice da

*const. 1987-1988; dep. fed. BA 1987-1991; pref. Salvador 1993-1997; dep. Fed. BA 2007-.

Lídice da Mata e Sousa nasceu em Cachoeira (BA), no dia 12 de março de 1956, filha de Aurélio Pereira de Sousa e de Margarida Maria da Mata e Sousa.

Formou-se em economia em 1983, pela Universidade Federal da Bahia. Militante estudantil filiada ao clandestino Partido Comunista do Brasil (PCdoB), teve intensa participação nas lutas populares pela anistia e contra o regime militar, desde o final da década de 1970 até a restauração formal da democracia.

Em novembro de 1982 foi eleita vereadora de Salvador pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Empossada em janeiro do ano seguinte, deixou o PMDB em 1986, após a legalização do PCdoB.

Adotando o slogan “Mulheres, à luta!”, e contando com o apoio das forças políticas de esquerda, elegeu-se deputada federal constituinte pelo PCdoB em novembro de 1986. Na Assembléia Nacional Constituinte foi titular da Subcomissão do Sistema Eleitoral e Partidos Políticos, da Comissão da Organização Eleitoral, Partidária e Garantia das Instituições, e suplente da Comissão de Sistematização.

Votou a favor do rompimento de relações diplomáticas com países que praticassem políticas de discriminação racial, da limitação do direito de propriedade, da limitação dos encargos da dívida externa, da estatização do sistema financeiro, do limite de 12% ao ano para os juros reais, do aborto, da nacionalização do subsolo, do mandado de segurança coletivo, da soberania popular, da remuneração 50% superior para o trabalho extra, da jornada semanal de 40 horas, do turno ininterrupto de seis horas, da unicidade sindical, do voto facultativo aos 16 anos, da criação de um fundo de apoio à reforma agrária, da desapropriação da propriedade produtiva e da anistia aos micro e pequenos empresários. E contra a pena de morte, o mandato de cinco anos para o presidente José Sarney e a legalização do jogo do bicho.

No pleito de outubro de 1990 Lídice da Mata, na legenda do PCdoB, disputou o governo na companhia de Salete Silva, do Partido Socialista Brasileiro (PSB), candidata a vice, e Bete Wagner, do Partido Comunista Brasileiro (PCB), postulante a uma vaga no Senado. Foram derrotadas por Antônio Carlos Magalhães, do Partido da Frente Liberal (PFL), e Roberto Santos, do PMDB, que obteve a segunda maior votação. A vaga no Senado foi ocupada por Josafá Marinho, do PFL. Lídice da Mata deixou a Câmara ao término da legislatura, em janeiro de 1991.

Filiada ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), em 1992 candidatou-se à prefeitura de Salvador numa chapa em que mais uma vez Beth Wagner, agora do Partido Popular Socialista (PPS), figurava como vice. Reunindo uma coligação de sete partidos, Lídice tornou-se a primeira mulher eleita para administrar a cidade de Salvador. Na sua posse, em 1º de janeiro de 1993, prometeu maior segurança pública e investimentos nas áreas de saneamento básico e educação, incluindo os meninos de rua.

Em março de 1993 defendeu que o PSDB deveria aproximar-se dos movimentos populares a fim de consolidar uma feição de centro-esquerda e sugeriu a fusão a outros partidos ideologicamente identificados. Em maio, apoiou a possível candidatura do então ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, à presidência da República. Meses depois, dispôs-se a negociar uma redistribuição de receitas e atribuições dos governos federal, estadual e municipal, conforme a proposta de Fernando Henrique, que considerava tal medida fundamental para o programa de estabilização da economia.

Em março de 1994 Lídice da Mata criticou a aliança do PSDB com o PFL, na campanha para a presidência da República, definindo-a como contrária ao projeto social-democrata, e contrapropôs uma coligação com o Partido dos Trabalhadores (PT). Em novembro, por não ter apoiado a candidatura de Fernando Henrique, viu-se ameaçada de punição. Em julho de 1996 o PSDB lançou o deputado federal Domingos Leonelli como pré-candidato à sucessão de Lídice da Mata na prefeitura de Salvador. No pleito de outubro seguinte, Leonelli obteve uma votação pífia, alcançando apenas a quarta colocação. O vencedor foi Antônio Imbassahy, candidato pefelista apoiado pelo senador Antônio Carlos Magalhães.

Os últimos meses da administração de Lídice da Mata foram marcados por greves, manifestações e bloqueio de recursos. Uma pesquisa de opinião pública realizada pelo instituto Datafolha, em dezembro de 1996, atribuiu-lhe o último lugar entre 11 prefeitos de capitais. Creditou os problemas de sua gestão ao cerco político dos seus opositores, principalmente do governo estadual e da TV Bahia. Declarou, contudo, ter realizado cerca de duas mil obras na capital baiana.

Em razão do atraso no pagamentos dos salários dos servidores públicos municipais, Lídice da Mata chegou a ser ameaçada de prisão por um juiz da 7ª Vara da Fazenda Pública de Salvador. Livrou-se da ameaça com um habeas-corpus concedido pelo Superior Tribunal de Justiça. Deixando a prefeitura de Salvador em 31 de dezembro de 1996, viajou para a Espanha.

Em 1997 deixou o PSDB e filiou-se ao PSB; no pleito de outubro de 1998 concorreu por esta legenda a uma cadeira na Assembléia Legislativa da Bahia. Eleita, assumiu o mandato em fevereiro de 1999. No pleito de 2002, reelegeu-se ao cargo de deputada estadual, para a legislatura de 2003 a 2007. Em 2005, foi presidente da Comissão Executiva Regional do PSB, em Salvador.

Em 2006, concorreu a uma vaga na Câmara dos Deputados pelo estado da Bahia, novamente na legenda do PSB. Eleita, assumiu o cargo no dia 1º de fevereiro de 2007. Nessa legislatura, foi vice-líder do bloco que reuniu o PSB, o PCdoB, o Partido Democrático Trabalhista (PDT), o Partido da Mobilização Nacional (PMN) e o Partido da República (PR), na Câmara dos Deputados. Foi também presidente da Comissão Permanente de Turismo e Desporto e membro titular das Comissões Especiais que apreciaram a aplicação das Leis de Anistia, e o Projeto de Lei Para Informações Detidas pela Administração Pública.

Em 2008, Lídice foi candidata a vice-prefeita na chapa da coligação Salvador-Bahia-Brasil, formada pelo PT, o PCdoB, o PSB e o Partido Verde (PV), e encabeçada pelo então deputado federal Walter Pinheiro (PT). Após a apuração dos votos, Pinheiro ficou em 2º lugar na disputa que foi vencida pelo candidato João Henrique, do PMDB.

Lídice da Mata foi coordenadora da Frente Nacional dos Prefeitos, e coordenadora executiva do Instituto Pensar e consultora do Projeto Axé, programa responsável pela educação e assistência de meninos de rua de Salvador.

Foi casada com Carlos Olímpio Martins de Carvalho, com quem teve um filho.

Juliana Sousa/Miriam Aragão

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; Correio Brasiliense (20/1/87); Estado de S. Paulo (2/11/92, 26/8/93, 17/3 e 2/11/94, 6/12/96, 2/1/97, 2/5/98); Folha de S. Paulo (19/1/87, 29/5/93, 28/11/94, 4 e 31/12/96); Globo (24/11/86, 6/7/90, 6/10/92, 3/7/94, 14/7 e 14/12/96); Jornal do Brasil (3/7/86, 27/6, 18/8 e 17 e 18/11/92, 2/1 e 23/3/93, 3/7 e 22/11/94, 4/10/96); TRIB. SUP. ELEIT. Dados (1998).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados