LIMA, JORGE DE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: LIMA, Jorge de
Nome Completo: LIMA, JORGE DE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
LIMA, JORGE =DE

LIMA, Jorge de

*dep. fed. PR 1959-1963.

 

Jorge de Lima nasceu em Curitiba no dia 16 de agosto de 1916, filho de Joz de Lima e de Olga de Lima.

Fez o curso primário no Grupo Escolar 19 de Dezembro, e o secundário no Colégio Novo Ateneu e no Colégio Paranaense, todos em sua cidade natal. Tendo ficado órfão muito criança, precisou trabalhar desde cedo, exercendo as atividades de jornaleiro e alfaiate. Após prestar o serviço militar, tornou-se funcionário da Caixa Econômica Federal do Paraná. Auxiliado pelo interventor Manuel Ribas, cursou a Faculdade de Direito do Paraná, na qual se formou em dezembro de 1946.

Iniciou o exercício da advocacia ainda em 1946, atuando como promotor público em Siqueira Campos (PR) até 1948. No pleito de outubro de 1950, elegeu-se deputado à Assembleia Legislativa do Paraná na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Empossado em fevereiro de 1951, exerceu o mandato até agosto de 1953, quando foi nomeado secretário do Trabalho e Assistência Social pelo governador Bento Munhoz da Rocha Neto (1951-1955). Reeleito para a Assembleia Legislativa em outubro de 1954, assumiu o mandato em fevereiro de 1955. Eleito deputado federal em outubro de 1958, ainda na legenda do PTB, deixou a Assembleia em janeiro de 1959 e tomou assento na Câmara no mês seguinte. Durante a legislatura, foi presidente da Comissão de Redação, em 1959, e participou ativamente da campanha movida pela oposição contra o governador Moisés Lupion (1955-1961), acusado de patrocinar, em benefício próprio e para favorecer amigos e correligionários, a tomada de terras ocupadas por posseiros no sudoeste do Paraná.

Após a renúncia do presidente Jânio Quadros (25/8/1961), votou contra a edição da Emenda Constitucional nº 4 que, em setembro de 1961, implantou no país o sistema parlamentar de governo, viabilizando a posse do vice-presidente João Goulart, cujo nome fora vetado por setores militares. Já no governo de Goulart (1961-1964), votou favoravelmente à Emenda Constitucional nº 5, de novembro de 1961, que ampliou a participação dos municípios na arrecadação tributária nacional, e apoiou o reatamento das relações diplomáticas com a União Soviética, rompidas desde 1947. A partir de 1962, apoiou a antecipação do plebiscito que deveria decidir a sorte do parlamentarismo.

Segundo o Correio Brasiliense, edição de novembro de 1962, foi favorável em sua atuação parlamentar à execução de uma reforma agrária de cunho cooperativista, através da desapropriação dos latifúndios improdutivos sob indenização em títulos da dívida pública, acompanhada da prestação de assistência integral do Estado ao lavrador nos campos creditício, sanitário, educacional e técnico, bem como da garantia de preços mínimos, ensilagem e transporte. Admitia também experiências coletivistas em terras de propriedade do Estado, baseadas no trabalho voluntário. Partidário, ainda segundo a fonte citada, do intervencionismo econômico corretivo e supletivo da iniciativa privada, apoiou o monopólio estatal do petróleo e dos transportes ferroviários e de cabotagem marítima. Defendeu também a adoção de medidas drásticas em relação aos investimentos estrangeiros e à remessa de lucros para o exterior, bem como a execução das reformas bancária, tributária e administrativa. No plano político, era adepto da reforma eleitoral, com adoção da cédula única em todos os pleitos e da extensão do direito de voto aos analfabetos. Concluiu o mandato em janeiro de 1963, não retornando à Câmara dos Deputados.

Ainda nesse último mês, assumiu a presidência do Instituto Nacional do Mate, no Rio de Janeiro, onde permaneceu até a eclosão do movimento político-militar de 31 de março de 1964. Após essa data, voltou a ocupar o cargo de procurador de justiça do Ministério Público do Paraná, função na qual se aposentou em 1967. A partir de então, passou a exercer a advocacia em Curitiba.

Viúvo de Isabel Salgado de Lima, teve com ela quatro filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1946-1967); CÂM. DEP. Relação dos dep.; CAMPOS, O. Fichário; CONG. BRAS. ESCRITORES. I; INF. BIOG.; NÉRI, S. 16; NICOLAS, M. Cem; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (2, 3 e 4).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados