LINO RODRIGUES MACHADO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MACHADO, Lino
Nome Completo: LINO RODRIGUES MACHADO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MACHADO, LINO

MACHADO, Lino

*militar; const. 1934; dep. fed. MA 1935-1937; const. 1946; dep. fed. MA 1946-1951.

 

Lino Rodrigues Machado nasceu em Santa Cruz, no município de Butiti (MA), em 2 de julho de 1892, filho de Frederico Gonçalves Machado e de Torquata Rodrigues Machado.

Estudou na Escola Modelo Benedito Leite e no Liceu Maranhense, até dezembro de 1910. Formou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, no então Distrito Federal, em 1915.

Entrou para o quadro de médicos do Exército em janeiro de 1915, no posto de primeiro-tenente, servindo em Pernambuco, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Maranhão. No pleito de 1921, elegeu-se deputado estadual no Maranhão e dois anos depois presidiu a Assembléia Legislativa. Em julho de 1922 foi promovido a capitão. Em 1923 concluiu o seu mandato, e no ano seguinte esteve à disposição do Ministério da Justiça. Em 1925 foi diretor e redator de O Combate, jornal maranhense do qual era fundador, e em 1927 reelegeu-se deputado estadual, concluindo o seu segundo mandato em 1929.

Integrante da Aliança Liberal (1929-1930), participou da Revolução de 1930. Em 1932, foi diretor do Hospital Militar São Gabriel. No pleito de maio de 1933, elegeu-se deputado pelo Maranhão à Assembléia Nacional Constituinte, na legenda do Partido Republicano (PR) do Maranhão.

Iniciado o mandato em novembro desse ano, passou a exercer a liderança de sua bancada. Ainda durante os trabalhos constituintes, em janeiro de 1934, reuniram-se os líderes das diversas bancadas, sob a presidência de Antônio Carlos Ribeiro de Andrada, para a escolha do novo líder da maioria em substituição a Osvaldo Aranha. Lino Machado declarou que a liderança deveria caber a um dos três estados mais autenticamente revolucionários — Minas Gerais, Rio Grande do Sul ou Paraíba — e indicou o gaúcho Augusto Simões Lopes. O escolhido, entretanto, foi Antônio Garcia de Medeiros Neto, da bancada baiana.

Com a promulgação da nova Carta (16/7/1934), teve seu mandato estendido até maio de 1935. No pleito de outubro de 1934, voltou a eleger-se deputado federal pelo Maranhão, na legenda do PR. Conservando sua cadeira na Câmara, exerceu também nesse período o cargo de prefeito de São Luís e de vice-governador do Maranhão. Em maio de 1937 foi promovido a major e escolhido delegado do PR à convenção que lançou a candidatura de José Américo de Almeida à presidência da República nas eleições previstas para o ano seguinte. Com a decretação do Estado Novo em 10 de novembro de 1937 e a conseqüente dissolução do Congresso, teve o mandato interrompido.

Em dezembro de 1941 foi promovido a tenente-coronel. Com a desagregação do Estado Novo, participou, em abril de 1945, da fundação da União Democrática Nacional (UDN), cuja diretoria nacional passou a integrar. Na ocasião, foi eleito para a comissão de estudos de saúde pública do novo partido. Em agosto do mesmo ano, contudo, deixou a UDN para se engajar na fundação do Partido Republicano (PR), de âmbito nacional, que aglutinou os elementos dos antigos partidos republicanos estaduais.

Integrante do diretório nacional do PR, concorreu à Assembléia Nacional Constituinte no pleito de dezembro de 1945, elegendo-se deputado pelo Maranhão na legenda das Oposições Coligadas, que reuniam o PR e a UDN. Assumindo a cadeira de deputado em fevereiro de 1946, participou dos trabalhos constituintes, rechaçando posições que, no seu entender, ao permitir a hipertrofia do Poder Executivo, identificavam-se com “os saudosistas da ditadura”. Com a promulgação da nova Carta (18/9/1946), passou a exercer o mandato ordinário. Em março de 1947, foi promovido a coronel.

No pleito de outubro de 1950 elegeu-se suplente de deputado federal, na legenda das Oposições Coligadas, que além do PR e da UDN englobavam o Partido Social Democrático (PSD), o Partido Libertador (PL), o Partido Social Progressista (PSP) e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Deixou a Câmara ao final de seu mandato, em janeiro de 1951, e em 1952 passou à reserva como general-de-brigada. No pleito de outubro de 1954, elegeu-se novamente suplente de deputado federal na legenda Unidos pelo Maranhão, mas não chegou a exercer o mandato.

Era casado com Jandira Serejo Machado.

Publicou Da hipotensão diastólica (tese, 1915).

 

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. 1934. Anais (1); Boletim Min. Trab. (5/36); CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Relação nominal; Diário de Notícias, Rio (26/5/37); FRANCO, A. Escalada; FUND. GETULIO VARGAS. Cronologia da Assembléia; Grande encic. Delta; Jornal do Brasil (19/9/76); MEIRELES, M. História; MIN. GUERRA. Almanaque (1951); NABUCO, C. Vida; PEIXOTO, A. Getúlio; SILVA, H. 1935; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (1, 2 e 3).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados