LOUSADA, FRANCISCO D'ALAMO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: LOUSADA, Francisco D'álamo
Nome Completo: LOUSADA, FRANCISCO D'ALAMO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
LOUSADA, FRANCISCO D’ÁLAMO

LOUSADA, Francisco D’Álamo

*diplomata; emb. Bras. Itália 1964-1966.

 

Francisco D’Álamo Lousada nasceu na cidade de São Paulo no dia 16 de agosto de 1902, filho de Sebastião Lousada e de Genoveva D’Álamo Lousada.

Realizou os estudos primários até 1910 na Escola Americana, em sua cidade natal, cursando o secundário, até 1914, no Mackenzie College, também em São Paulo. Diplomou-se em engenharia por essa mesma instituição em 1918.

Oficial da reserva, voltou a ser incorporado ao Exército em julho de 1924 para combater a rebelião tenentista que então eclodiu em São Paulo, sob a liderança de Isidoro Dias Lopes. Desligado do Exército em agosto do mesmo ano, ingressou em seguida na carreira diplomática, sendo nomeado auxiliar de consulado em Londres, onde serviu de setembro de 1926 a março do ano seguinte. Ainda em 1927, foi removido para Montevidéu, onde permaneceu por pouco tempo, pois logo entrou de licença. Nomeado em seguida provisoriamente para Bruxelas, na Bélgica, em abril de 1928, aí passou a exercer interinamente a função de vice-cônsul, atuando como tal até setembro do ano seguinte.

De volta ao Brasil, permaneceu em comissão no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, de outubro de 1929 a maio de 1930. Nesse ínterim foi designado, em fevereiro de 1930, secretário da Comissão de Reorganização do Tesouro Nacional. Ainda em maio de 1930 foi transferido para o Arquivo Nacional, do qual foi nomeado secretário em outubro de 1933. Requisitado em maio de 1934 para servir na Secretaria da Presidência da República, em setembro do mesmo ano passou a auxiliar de gabinete da Presidência. Em outubro seguinte foi nomeado chefe de seção do Arquivo Nacional, exercendo a partir de 1935 a função de adjunto do serviço de expediente da Presidência da República.

Promovido a segundo-secretário em setembro de 1935, permaneceu na Secretaria do Itamarati dessa data até maio de 1936, quando foi removido para Buenos Aires. Durante sua permanência no posto secretariou a delegação do Brasil à Conferência Interamericana de Consolidação da Paz, realizada em novembro de 1936. Foi exonerado de suas funções em Buenos Aires em abril de 1937 e transferido para Berna, na Suíça, onde permaneceu até março de 1939. Transferido para Assunção, no Paraguai, aí atuou de maio do mesmo ano a agosto de 1940, retornando em seguida ao Brasil, onde serviu desse mês a outubro de 1942. Nesse ínterim foi requisitado, em setembro de 1940, para atuar no Conselho Federal de Comércio Exterior, sendo posto à disposição das delegações argentinas e brasileiras em outubro seguinte. Durante sua permanência no Brasil foi por duas vezes convocado na qualidade de oficial da reserva, tendo prestado serviço militar nos períodos, de setembro a outubro de 1941 e de julho a setembro de 1942.

Transferido para Santiago do Chile em outubro de 1942, foi promovido a primeiro-secretário em dezembro do ano seguinte e removido para La Paz, na Bolívia, em agosto de 1944, aí permanecendo de setembro a dezembro do mesmo ano. De volta ao Brasil, foi lotado na Secretaria do Itamarati em dezembro de 1944. Nomeado auxiliar do Gabinete Civil da Presidência da República em fevereiro de 1946, durante o governo Eurico Dutra (1946-1951), a partir de agosto do mesmo ano tornou-se chefe do Cerimonial da Presidência. Nessa qualidade, representou o Gabinete Civil da Presidência da República na Comissão de Estudos sobre Procedência e Cerimonial em junho de 1947.

Passou a conselheiro em outubro de 1947 e, em fevereiro do ano seguinte, foi promovido a ministro de segunda classe, integrando como tal a comitiva presidencial por ocasião da inauguração do trecho El Porton-San José, da Estrada de Ferro Brasil-Bolívia, em agosto daquele ano. Fez parte também da comitiva presidencial que visitou os Estados Unidos em maio de 1949. Removido mais uma vez para Berna, dessa vez como ministro plenipotenciário, representou o Brasil na reunião do Conselho de Administração da Organização Internacional do Trabalho (OIT), realizada em março do mesmo ano em Genebra. Em janeiro de 1954 foi promovido a ministro de primeira classe, permanecendo na Suíça até maio seguinte, quando foi nomeado embaixador na Guatemala. Assumiu o posto em julho do mesmo ano e nele permaneceu até dezembro de 1958. Durante esse período passou duas temporadas no Rio de Janeiro, ausentando-se da Guatemala de setembro de 1955 a março de 1956 e de maio de 1957 a janeiro do ano seguinte.

Transferido para Oslo, na Noruega, como ministro plenipotenciário, assumiu o posto em abril de 1958, cumulativamente com a chefia da representação do Brasil em Reikjavik, na Islândia. Durante sua permanência no posto, chefiou a missão oficial do governo brasileiro à capital islandesa em junho de 1961 e em agosto do ano seguinte, tendo permanecido à sua frente até setembro de 1964. Nessa data assumiu o cargo de embaixador extraordinário e ministro plenipotenciário em Roma, representando o Brasil na V Reunião do Cinema Latino-Americano do Columbianum, em Gênova, em fevereiro de 1965. Permaneceu na chefia da representação brasileira na Itália até o ano seguinte.

Foi ainda presidente da Associação Brasileira dos Cavaleiros da Soberana e Militar Ordem de Malta.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 3 de novembro de 1986.

Era casado com Maria de Lurdes Guimarães Lousada, com quem teve dois filhos. Um deles, Carlos Eduardo Guimarães D’Álamo Lousada, empresário, foi um dos organizadores da Marcha da Família com Deus pela Liberdade (1963-1964) em São Paulo, participou em seu estado da conspiração que precedeu o movimento político-militar de 31 de março de 1964 e teve participação direta no episódio que levou à exoneração do ministro da Indústria e Comércio, Severo Gomes, durante o governo de Ernesto Geisel, em fevereiro de 1977.

 

FONTES: COUTINHO, A. Brasil; HIRSCHOWICZ, E. Contemporâneos; Jornal do Brasil (4 e 6/11/86); LEITE, A., História; LEITE, C. Assessoramento; MIN. REL. EXT. Anuário (1961); PEIXOTO, A. Getúlio; Veja (12/11/86).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados