LUIS DA COSTA ARAUJO BRONZEADO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BRONZEADO, Luís
Nome Completo: LUIS DA COSTA ARAUJO BRONZEADO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

BRONZEADO, Luís

*dep. fed. PB 1959-1967.

 

Luís da Costa Araújo Bronzeado nasceu na Fazenda Serrinha, distrito então pertencente ao município de Areia (PB) e atualmente ao de Remígio (PB), no dia 4 de abril de 1924, filho de Severino Alves Araújo Bronzeado e de Olívia Alves da Costa. Seu pai, agricultor, foi líder político local.

Advogado e funcionário público, estudou no Colégio Pio XI, em Campina Grande (PB), até 1940. No ano seguinte, fez o curso pré-jurídico no Ginásio Osvaldo Cruz, em Recife. Bacharelou-se na Faculdade de Direito do Recife em dezembro de 1947, sendo colega de curso do educador Paulo Freire. Em seguida, retornou à Paraíba. Em fins de 1948 foi nomeado pelo governador Osvaldo Trigueiro (1947-1951) promotor público substituto da comarca de Areia, cargo que exerceu até 1950. Nesse mesmo ano, tornou-se delegado de polícia em Campina Grande.

Ainda em 1950, deixou o cargo de delegado e iniciou sua carreira política, filiando-se à União Democrática Nacional (UDN) e elegendo-se deputado estadual no pleito de outubro. Tomou posse na Assembléia Legislativa da Paraíba em fevereiro de 1951 e tornou-se líder da bancada udenista ao longo dessa legislatura. No pleito de outubro de 1954 reelegeu-se com a maior votação do partido e a segunda do estado. Iniciando novo período legislativo em fevereiro de 1955, tornou-se líder da bancada governista na casa. Em 1956 licenciou-se do mandato, sendo substituído pelo suplente José Rolim Guimarães, para exercer o cargo de chefe de polícia do estado, no qual permaneceu até o ano seguinte, quando foi nomeado secretário do Interior, Justiça e Segurança Pública da Paraíba, no governo de Flávio Ribeiro Coutinho (1956-1958).

Deixou a secretaria no ano seguinte, reassumindo sua cadeira de deputado estadual, e em outubro de 1958 elegeu-se deputado federal pela Paraíba, ainda na legenda udenista. Concluiu seu mandato na Assembléia Legislativa em janeiro de 1959, e em fevereiro tomou posse na Câmara dos Deputados. Durante seu mandato, combateu o governo do presidente Juscelino Kubitschek (1956-1961) e apoiou a candidatura de Jânio Quadros, lançada pela UDN e por partidos menores, à presidência da República em outubro de 1960. Vitorioso, Quadros foi empossado em janeiro de 1961, renunciando, contudo, em 25 de agosto do mesmo ano. Decepcionado, Bronzeado proferiu inflamados discursos na Câmara, considerando a renúncia um ato de traição e covardia. Dias mais tarde, em 2 de setembro, votou a favor da Emenda Constitucional nº 4 que, aprovada, instaurou o regime parlamentarista de governo no país. Foi por meio dessa fórmula conciliatória que o vice-presidente João Goulart, que recebera o veto dos ministros militares — marechal Odílio Denis (Guerra), brigadeiro Gabriel Grün Moss (Aeronáutica) e almirante Sílvio Heck (Marinha) — foi empossado na presidência no dia 7 de setembro.

Bronzeado foi partidário do monopólio estatal do petróleo, da exploração dos minerais atômicos, da eletricidade e das telecomunicações, e defensor da reforma agrária, ressalvando porém o direito de propriedade, ainda que limitada no seu uso em benefício do interesse social. Votou a favor da Emenda Constitucional nº 5, que ampliou as rendas tributárias dos municípios, e foi favorável ao reatamento, efetivado em novembro de 1961, das relações diplomáticas do Brasil com a União Soviética, rompidas desde 1947.

Em outubro de 1962 concorreu à reeleição, ainda na legenda da UDN, conseguindo a primeira suplência. Com a eleição de João Agripino, simultaneamente, para a Câmara e para o Senado e sua opção por este último, Bronzeado beneficiou-se com mais quatro anos de mandato. Assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados em fevereiro do ano seguinte e tornou-se membro efetivo da Comissão de Finanças.

Com a deposição do presidente João Goulart (1961-1964) e a instauração do regime militar em abril 1964, a extinção dos partidos políticos por força do Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instalação do bipartidarismo, Bronzeado filiou-se ao partido governista, a Aliança Renovadora Nacional (Arena). Em novembro de 1966 concorreu nessa legenda à reeleição, mas obteve apenas uma suplência. Assim, ao concluir seu mandato de deputado federal em janeiro de 1967, deixou a Câmara, permanecendo na capital federal à disposição do escritório de representação da Paraíba até abril de 1975. De volta ao seu estado, nesse mesmo ano tornou-se promotor de Justiça em João Pessoa junto à 9ª Vara Criminal, cargo que exerceu até 1978. Durante esse período foi procurador substituto junto às câmaras cíveis do Tribunal de Justiça, assessor do procurador-geral da Justiça e assessor jurídico da presidência do Tribunal de Justiça.

Com a posse de Tarcísio Buriti no governo do estado da Paraíba em março de 1979, Luís Bronzeado foi nomeado secretário de Segurança Pública. No mês seguinte, foi acusado de envolvimento na morte de Severino Alves de Lacerda, filho do ex-prefeito do município paraibano de Aguiar. Severino foi encontrado afogado em uma praia deserta, depois de passar cinco dias incomunicável nas dependências da Secretaria de Segurança, em João Pessoa. Ocupou o cargo de secretário até fevereiro de 1980, quando se afastou para assumir a Procuradoria Geral do Estado, na qual permaneceu por dez meses. Em seguida tornou-se procurador-geral da Justiça, função que exerceu até ser nomeado desembargador do Tribunal de Justiça do Estado, no qual permaneceu até meados de 1986, quando se aposentou.

Em março de 1991, Luís Bronzeado reassumiu a Procuradoria Geral do Estado, função que exerceu ao longo dos governos de Ronaldo Cunha Lima e de Cícero de Lucena Filho até dezembro de 1994. Desde então, não voltou a exercer funções públicas.

Faleceu em João Pessoa, no dia 7 de novembro de 2002.

Era casado com Crisélides Costa Bronzeado, com quem teve quatro filhos.

Alan Carneiroatualização

 

FONTES: Almanaque da Paraíba; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1946-1967); CÂM. DEP. Relação dos dep.; CAMPOS, Q. Fichário; CURRIC. BIOG.; Grande encic. Delta; Jornal do Brasil (28/4/79); TRIB. SUP. ELEIT. Dados (4, 6 e 8); INF. ANTÔNIO LUÍS BRONZEADO.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados