LUIS FERNANDO MAINARDI

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MAINARDI, Luís
Nome Completo: LUIS FERNANDO MAINARDI

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MAINARDI, LUÍS

MAINARDI, Luís

*dep. fed. RS 1995-2000.

Luís Fernando Mainardi nasceu em Sobradinho (RS), no dia 30 de dezembro de 1960, filho de Rafael Mainardi e de Elvira Soder Mainardi.

Trabalhou como bancário e vendedor, até 1979, quando ingressou no curso de direito da Universidade Regional da Campanha, antiga Faculdades Unidas de Bagé (RS), época em que também iniciou atuação política no movimento estudantil, participando da luta pela reativação da União Estadual dos Estudantes (UEE) e da União Nacional dos Estudantes (UNE).

Deixando temporariamente os estudos, em 1982, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), pelo qual se elegeu vereador, em Bagé, no pleito de novembro, tomando posse em fevereiro de 1983. Presidente da ala jovem do PMDB, foi eleito secretário-geral do diretório municipal do partido, em 1984. No mesmo ano, porém, transferiu-se para o Partido dos Trabalhadores (PT), sob cuja legenda tentou conquistar a prefeitura, sem êxito. Vereador eleito em novembro de 1988, assumiu a liderança da bancada petista, integrando as comissões de Constituição e Justiça, de Direitos Humanos, de Orçamento e de Tomada de Contas e Finanças. Em 1989, tornou-se presidente do diretório municipal do PT e, dois anos depois, participou do Encontro de Vereadores do Cone Sul, realizado em Santa Maria (RS) e em Punta del Leste, no Uruguai. Concluído o mandato, em 31 de dezembro de 1992, abriu um pequeno comércio de confecções.

Retomando os estudos, graduou-se em 1994, e adquiriu uma pequena propriedade rural em Hulha Negra (RS), dedicando-se ao comércio de carne ovina. Reassumiu a presidência do PT, em Bagé, e no pleito de outubro de 1994 elegeu-se deputado federal pelo Rio Grande do Sul. Empossado em fevereiro de 1995, participou dos trabalhos legislativos como titular das comissões de Agricultura e Política Rural, de Constituição e Justiça, e de Redação, e como suplente da de Economia, Indústria e Comércio.

Ao longo da legislatura votou contra a extinção do monopólio nos setores de telecomunicações, exploração de petróleo, distribuição de gás canalizado e navegação de cabotagem, opondo-se à revisão do conceito de empresa nacional e à prorrogação do Fundo de Estabilização Fiscal (FEF), substituto do antigo Fundo Social de Emergência (FSE), que permitia ao governo gastar até 20% dos recursos vinculados às áreas de saúde e de educação. Também votou contra a instituição da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que sucedeu ao Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), fonte de recursos destinados à área de saúde.

Em fevereiro e novembro de 1997, sempre em oposição ao governo, foi contra à emenda que estabeleceu a reeleição para prefeitos, governadores de estado e presidente da República, e ao destaque do projeto de reforma administrativa do Executivo que instituiu a possibilidade de demissão no funcionalismo público em casos de mau desempenho do servidor ou toda vez que os gastos com pessoal superassem 60% da arrecadação do Estado.

No pleito de outubro de 1998, ano em que atuou como vice-líder da bancada petista, Mainardi reelegeu-se deputado federal pela coligação Frente Popular, formada pelo PT, pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB) e pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Em novembro seguinte, votou contra o estabelecimento do teto de 1.200 reais, para as aposentadorias do funcionalismo público, e a adoção dos critérios de idade mínima e de tempo de contribuição, para os trabalhadores da iniciativa privada.

Assumiu o novo mandato na Câmara em fevereiro de 1999. Em outubro de 2000 elegeu-se prefeito de Bagé, deixando a Câmara e tomando posse naquele município gaúcho no ano seguinte.

Em 2004, foi reeleito prefeito de Bagé, pela legenda do PT, assumindo o novo mandato em janeiro de 2005.

Em 2007, Mainardi substituiu o prefeito de Herval (RS), Marco Aurélio Gonçalves da Silva, no comando da Associação Gaúcha Municipalista, entidade que representava os prefeitos do Rio Grande do Sul. E em março de 2009 tomou posse como secretário municipal de inovação e estratégia do município gaúcho de Canoas.

Casado com Márcia Helena Pilon Mainardi, teve uma filha.

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); Folha de S. Paulo (31/1/95, 14/1/96, 30/1/97, 5/2, 29/9, 10/10 e 11/11/98, 2/2/99); TRIB. REG. ELEIT. RS. Candidatos (1998); Portal Direito2 (http://www.direito2.com.br; acessado em 20/11/2009); Portal da Câmara dos Deputados (http://www.camara.gov.br; acessado em 20/11/2009); Portal da Prefeitura Municipal de Bagé (http://www.bage.rs.gov.br; acessado em 20/11/2009); Portal da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul (http://www.al.rs.gov.br; acessado em 20/11/2009); Portal JusBrasil Política (http://www.jusbrasil.com.br; acessado em 20/11/2009).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados