LUIS ROBERTO VEIGA DE BRITO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BRITO, Veiga
Nome Completo: LUIS ROBERTO VEIGA DE BRITO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BRITO, VEIGA

BRITO, Veiga

*dep. fed. GB 1967-1971.

 

Luís Roberto Veiga de Brito nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 11 de julho de 1927, filho de Joaquim Azarias de Brito e de Alice Veiga de Brito.

Diplomou-se engenheiro civil em 1951 e engenheiro topógrafo em 1953 pela Escola de Engenharia da Universidade do Brasil, atual Faculdade de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), realizando a seguir curso de pós-graduação em engenharia rodoviária.

Em 1958 candidatou-se à Câmara Municipal do Distrito Federal na legenda do Partido de Representação Popular (PRP), conquistando apenas uma suplência. Membro da administração do governo do então estado da Guanabara durante a gestão de Carlos Lacerda (1960-1965), ocupou diversos cargos, tendo sido diretor-geral dos departamentos de Transporte, de Locomoção e de Águas. Foi também o primeiro presidente da Companhia Estadual de Águas (Cedag) e o engenheiro responsável pela construção da nova adutora do Guandu. Ainda nesse período viajou aos EUA em missão junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e à United States Agency for International Development (USAID), visando à obtenção de financiamento para o referido programa de abastecimento de água do estado da Guanabara.

Eleito presidente do Clube de Regatas do Flamengo para o período de 1966-1969, ainda em julho de 1966 Veiga Brito e outros políticos lacerdistas filiaram-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), seguindo a orientação de seu líder, que aprofundava gradualmente sua dissensão com o governo de Humberto Castelo Branco, implantado após a deposição do presidente João Goulart pelo movimento político-militar de 31 de março de 1964. No entanto, abandonou em seguida o partido de oposição, elegendo-se no pleito de novembro de 1966 deputado federal pela Guanabara na legenda da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação do regime militar.

Assumindo o mandato em fevereiro do ano seguinte, pautou sua atividade parlamentar pela fidelidade à linha política de Lacerda, vinculando-se à Frente Ampla, movimento que reuniu o ex-governador da Guanabara aos ex-presidentes Juscelino Kubitschek e João Goulart na oposição ao governo. Embora a Frente Ampla tivesse sido proibida de atuar em abril de 1968 e Lacerda fosse cassado em dezembro desse ano, logo após a edição do Ato Institucional nº 5 (13/12/1968), Veiga Brito manteve o mandato, exercendo-o até o final da legislatura em janeiro de 1971. Na Câmara dos Deputados pugnou em defesa de uma política nacional de saneamento através da proposta de criação da Sanebrás. Em novembro de 1970 concorreu à reeleição na mesma legenda, obtendo uma suplência, o que voltou a ocorrer no pleito de novembro de 1974. Em 1976 não aceitou a inclusão de seu nome na chapa de candidato da Arena à Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, tendo-se declarado surpreendido pelo anúncio dos dirigentes do partido de que retornaria ao cenário político.

Com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e nessa legenda concorreu a uma cadeira na Câmara dos Deputados pelo estado do Rio de Janeiro no pleito de novembro de 1982, obtendo apenas uma suplência.

Transferindo-se posteriormente para o Partido Liberal (PL), candidatou-se nessa legenda a deputado estadual pelo Rio de Janeiro no pleito de novembro de 1986. Eleito com a maior votação de seu partido no estado, ao assumir sua cadeira na Assembléia Legislativa, em fevereiro do ano seguinte, tornou-se líder da bancada liberal.

Dedicou-se a atividades profissionais no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, tendo sido responsável pelo projeto de construção de uma usina de açúcar no vale do Jaíba (MG). Foi também diretor-geral do Departamento Nacional de Obras e Saneamento (DNOS).

Faleceu na cidade do Rio de Janeiro, no dia 5 de setembro de 1987, em pleno exercício do mandato. Em homenagem a Veiga Brito, a nova adutora do Guandu foi inaugurada com seu nome.

Era casado com Teresinha de Roure Veiga de Brito, com quem teve um filho.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1967-1971); CASTELO BRANCO, C. Militares; Globo (25/6/80, 6/9/87); Grande encic. Delta; Jornal do Brasil (6/10/66, 26/7/76, 6/9/87); NÉRI, S. 16; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (8 e 9); Veja (16/9/87).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados