MACIEL, JOSE DO REGO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MACIEL, José do Rego
Nome Completo: MACIEL, JOSE DO REGO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MACIEL, José do Rego

MACIEL, José do Rego

*  dep. fed.  PE 1948-1951 e 1955-1959.

 

            José do Rego Maciel nasceu em Pesqueira (PE), no dia 23 de janeiro de 1908, filho de Frederico Alves do Rego Maciel e de Maria Eulália Falcão Maciel.

            Fez os primeiros estudos no Colégio Nó­brega, na capital pernambucana, e bacharelou-­se pela Faculdade de Direito do Recife, na turma de 1930.

            Vinculado à Aliança Liberal (1929-1930), com a vitória da Revolução de 1930, da qual participou, foi nomeado promotor público no município de Amaragi, cargo que ocupou entre janeiro de 1931 e janeiro de 1933, quando foi removido para a comarca de Goiana. Neste ano, tornou-se juiz municipal do Cível e Órfãos da cidade de Recife, cargo que iria ocupar até 1938. Ainda este ano, em pleno Estado Novo (1937-1945), foi pro­curador fiscal do estado de Pernambuco. Em seguida, veio ocupar, a partir de 1939, o cargo de secretário da Fazenda. Assessorou o interventor pernambu­cano, Agamenon Magalhães (1937-1945), na reunião de interventores federais no Nordeste, em que foi aprovado que se recomendasse à União o aproveitamento da cachoeira de Pau­lo Afonso.  Tomou parte no Congresso dos Se­cretários da Fazenda, em 1941, de cuja ses­são de instalação foi orador oficial.  Permane­ceu na Secretaria da Fazenda até novembro de 1945, sendo que, por um breve período, nesse ano, ocupou interinamente também a de Jus­tiça.

            Com o fim do Estado Novo, em dezembro de 1945, elegeu-se suplente de deputado por Pernambuco à Assembléia Nacional Constitu­inte, na legenda do Partido Social Democráti­co (PSD). Após a promulgação da nova Carta, em  18 de setembro de 1946, e a transformação da Assembléia em Congresso ordinário, tornou-se membro da Comissão Permanente de Educação e Cultura. Ainda em 1946, foi nomeado consultor-geral do estado de Pernambuco.

            Elegeu-se novamente suplente de deputado fe­deral por Pernambuco no pleito de outubro de 1950, na legenda do PSD, mas, após deixar a Câmara em janeiro de 1951, não voltou a ocupar uma cadeira na legislatura que se se­guiu. De dezembro de 1952 a janeiro de 1955 ocupou a prefeitura de Recife, tendo sido no­meado para o cargo pelo governador Etelvino Lins (1952-1955). No pleito de outubro de 1954, elegeu-se deputado federal por Pernambuco na legenda da Frente Democrática Pernambucana, com­posta pelo PSD e pelo Partido Democrata Cristão (PDC), Partido Social Progressista (PSP), Partido Libertador (PL) e Partido de Representação Popular (PRP).

            Assumiu o mandato em fevereiro de 1955, e no mês de maio, pas­sou a presidir o diretório regional do PSD, substituindo Etelvino Lins, que se demitira do cargo por discordar da candidatura de Jusceli­no Kubitschek à presidência da República, in­dicada oficialmente pelo partido.  Maciel tam­bém não concordava com a indicação, e conti­nuou a apoiar a candidatura de Juarez Távora, mesmo depois de assumir o novo cargo.  Essa atitude ocasionou a intervenção no diretório pernambucano, de cuja presidência Maciel foi afastado no mês de julho.

            Em 11 de novembro de 1955, estourou um movimento militar, liderado pelo general Henrique Teixeira Lott, ministro da Guerra demissionário, visando, segundo seus promo­tores, barrar uma conspiração em preparo no governo e assegurar a posse do presidente elei­to, Juscelino Kubitschek. O movimento pro­vocou o impedimento dos presidentes da Re­pública Carlos Luz, em exercício, e Café Fi­lho, licenciado, empossando na chefia da na­ção o vice-presidente do Senado, Nereu Ra­mos. Como parlamentar, Maciel votou contra o impedimento do presidente Carlos Luz e contra a decretação do estado de sítio, solici­tada pelo Poder Executivo. No seu último ano desta legislatura, participou dos trabalhos parlamentares como vice-presidente da Comissão de Serviço Público. Concluiu o man­dato em janeiro de 1959, não mais retornando à Câmara. Em outubro do ano anterior, candidatou-se a vice-governador de Pernambuco na chapa do PSD encabeçada por Jarbas Maranhão,   mas não se elegeu.             

            Em 1964, participou do Ciclo de Estudos sobre Segurança Nacional promovido pela As­sociação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG). Com a extinção dos par­tidos políticos pelo Ato Institucional nº. 2, decretado em 27 de outubro de 1965, e a posterior instauração do bi­partidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação do regime militar instalado no país em abril de 1964. Por este partido, elegeu-se suplente do senador João Cleofas na legislatura 1967-1975.

            Em 1975 chegou a ser indicado, pela cor­rente liderada pelo ex-governador Paulo Guer­ra (1964-1967), candidato à sucessão de Eraldo Gueiros Leite (1971-1975) no gover­no de Pernambuco. Ao mesmo tempo, seu fi­lho, Marco Antônio Maciel, era indicado para o mesmo cargo pelo ex-governador Nilo Coe­lho (1967-1971). O candidato oficial da Are­na, entretanto,  foi José Francisco de Moura Cavalcanti, eleito por via indireta e empossado em março de 1975.

            Afastando-se então da carreira política, permaneceu no exercício das funções de consultor-geral do estado, desempenhando-as até 1986, quando se aposentou.

            Casou-se com Carmem Sílvia Cavalcanti de Oliveira Maciel, com quem teve nove filhos. Seu filho Marco Maciel teve longa trajetória política: foi deputado federal por Pernambuco (1971-1979), governador do estado (1979-1982), senador (1983-1984 e 1987-1994), ministro da Educação e Cultura (1985-1986), ministro-chefe da Casa Civil (1986-1987), constituinte (1987-1988) e vice-presidente da República entre 1995 e 1999, tendo sido reeleito para o cargo em 1998.

 

FONTES.  CÂM.  DEP.  Deputados; CÂM.  DEP. Relação dos dep.; COSTA, M. Cronologia; Diário do Congresso Nacional; ENTREV.  BIOGRAFADO; INF. assessoria Marco Maciel; NÉRI, S. 16; TRIB.  SUP.  ELEITDados.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados