MARCONDES FILHO, GENTIL

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MARCONDES FILHO, Gentil
Nome Completo: MARCONDES FILHO, GENTIL

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MARCONDES FILHO, GENTIL

MARCONDES FILHO, Gentil

*comte. I Ex. 1979 -1981.

 

Gentil Marcondes Filho nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 18 de outubro de 1916, filho de Gentil Marcondes e de Edite Marcondes.

Sentou praça em março de 1934, ascendendo à aspirante e segundo-tenente em janeiro de 1937. Atingiu os postos de primeiro-tenente em setembro de 1939; capitão em setembro de 1944, major em janeiro de 1952, tenente-coronel em agosto de 1958 e coronel em abril de 1964. Em julho de 1969 alcançou o generalato, como general-de-brigada, e em novembro de 1974 foi promovido a general-de-divisão, ao mesmo tempo em que assumia o comando da 9ª Região Militar em Mato Grosso.

Durante o governo de Ernesto Geisel (1974-1979), Marcondes Filho serviu como chefe do Estado-Maior do II Exército, chefiado pelo general Ednardo Dávila Melo. Nesta época, morreram nas dependências do Centro de Operações para a Defesa Interna (CODI), subordinado a este Exército, o operário Manuel Fiel Filho e o jornalista Vladimir Herzog, gerando intensa crise entre o governo e os setores mais radicais das forças armadas, resultando na demissão do ministro do Exército, Sílvio Frota, e no afastamento do comandante do II Exército.

No início de 1979 Marcondes Filho alcançou a patente de general-de-exército, assumindo o comando do I Exército, sediado no Rio de Janeiro. Processava-se nesta época a política de distensão e abertura do regime militar, promovida pelo presidente Ernesto Geisel e concluída pelo seu sucessor, João Batista de Oliveira Figueiredo, criando um grande debate político em todo o país e nova crise no interior das forças armadas.

Como desdobramento deste debate, realizou-se no dia 1º de maio de 1981 um grande show de música popular no Riocentro, Rio de Janeiro, em comemoração ao Dia do Trabalhador, promovido pelo Centro Brasileiro Democrático (Cebrade), reunindo cerca de 20 mil pessoas. Durante o evento, no estacionamento da casa, explodiu uma bomba no interior de um automóvel, matando um dos seus ocupantes, o sargento Guilherme Pereira Rosário, e ferindo gravemente o outro, o capitão Wilson Luís Chaves Machado. Os militares eram lotados no CODI do I Exército. Marcondes Filho procurou inocentar os seus subordinados, promovendo um inquérito, onde concluiu que os militares haviam sido “vítimas de uma armadilha ardilosamente colocada no carro do capitão”. Segundo o general Otávio Costa, em depoimento ao Centro de Pesquisa e Documentação da História Contemporânea do Brasil da Fundação Getulio Vargas (Cpdoc/FGV), o atentado foi provocado por elementos da chamada “linha dura”, militares contrários à abertura política e à anistia. De acordo com esse depoimento, corroborado pelos depoimentos dos generais Adir Fiúza de Castro e Leônidas Pires Gonçalves, Marcondes Filho não só não tivera conhecimento prévio deste atentado, como também sua saúde fora seriamente afetada pelo acontecimento.

Marcondes Filho passou para a reserva remunerada no posto de marechal em setembro de 1981.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 6 de dezembro de 1983.

Foi casado com Maria Iolanda de Aquino, com quem teve dois filhos.

 

FONTES: ARAÚJO, M. Anos de chumbo; ARQ. MIN. EXÉRC.; Globo (2/5/81); MIN. EXÉRC. Almanaque.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados