MARCOS WELLINGTON DE CASTRO TITO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: TITO, Marcos
Nome Completo: MARCOS WELLINGTON DE CASTRO TITO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
TITO, Marcos

TITO, Marcos

      * dep. fed.  MG 1975-1977.

 

Marcos Wellington de Castro Tito nasceu em Belo Horizonte no dia 22 de setembro de 1940, filho de Fábio Tito e de Elisa de Castro Tito.

Cursou o secundário nos colégios Anchieta e Municipal na capital mineira e bacharelou-se em 1966 pela Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais, onde foi líder estu­dantil.

No pleito de novembro de 1970 elegeu-se deputado estadual em Minas Gerais na legen­da do Movimento Democrático Brasileiro (MDB).  Empossado em fevereiro do ano se­guinte, na Assembléia mineira  foi vice-presidente da Comissão de Defesa do Meio Ambiente e integrou como membro efetivo, entre outras, as co­missões Elaboradora do Estatuto do Magisté­rio de Minas Gerais e Elaboradora do Código Tributável de Minas Gerais, de Constituição e Justiça e de Economia, atuando ainda co­mo vice-líder do MDB e membro de sua co­missão executiva em Minas Gerais.

No pleito de novembro de 1974 ele­geu-se deputado federal por Minas Gerais na mesma legenda e, deixando a Assembléia es­tadual em janeiro de 1975, assumiu em feve­reiro seguinte seu mandato na Câmara dos Deputados, ligando-se à corrente dos “autên­tico”, ala esquerda do MDB.  Nessa legislatu­ra, integrou a Comissão de Minas e Energia e a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Minérios, foi relator do Acordo Atômico Brasil-Alemanha, e presidiu ainda a Comissão de Finanças da Câmara em substituição ao deputado Camilo Nogueira da Gama, falecido em julho de 1976 durante o recesso parlamentar.  Acusa­do de se haver fundamentado em artigo do jornal Voz Operária, do Partido Comunista Brasileiro (PCB), para elaborar um discurso que pronunciara na Câmara dos Deputados em maio de 1977, em junho seguinte teve o mandato cassado pelo presidente da Repúbli­ca Ernesto Geisel (1974-1979), com base no Ato Institucional n°. 5 (13/12/1968).

Em 1978, fez parte do Comitê Brasileiro pela Anistia, sendo também advogado de presos políticos e de jornais da chamada imprensa alternativa, como O Pasquim e Movimento. Em agosto de 1979, com a assinatura da Lei da Anistia pelo general João Batista Figueiredo, foi beneficiado pela medida, ingressando meses depois, no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), agremiação surgida após a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979 e a conseqüente reorganização partidária. Candidato a deputado estadual em novembro de 1982 pelo PMDB, obteve apenas a quinta suplência.

No ano seguinte, foi nomeado pelo governador Tancredo Neves diretor administrativo da Companhia de Ampliação de Construção e Reparos de Prédios Escolares, cargo que ocuparia até setembro de 1997. Participante ativo da campanha das Diretas-já, percorreu o território mineiro proferindo palestras em defesa do restabelecimento das eleições diretas para a presidência da República. Em 1985,  exerceu o mandato de deputado na Assembléia Legislativa mineira. Disputou uma vaga de deputado estadual constituinte no pleito de novembro de 1986, obtendo uma vez mais apenas uma suplência. Ainda em 1986, foi nomeado vice-presidente da Florestas Rio Doce, empresa subsidiária da Companha Vale do Rio Doce, com sede em Belo Horizonte.

Membro do diretório regional do PMDB desde a fundação do partido, tornou-se presidente da Junta Comercial do Estado de Minas Gerais em maio de 1999, no governo de Itamar Franco (1999-      ).

Foi casado com Ivone Amélia Peixoto Queiroga, já falecida, com quem teve três filhos. 

Publicou O poder (1975), Em defesa da cultura brasileira (1975), Em defesa do painel Tiradentes (1976), Parecer sobre o acordo atômico Brasil-Alemanha (1976)  e Temas parlamentares (v. 1 e 2) (1976, 1977).

 

FONTES:  ASSEMB. LEGISL. MG. Dicionário biográfico; CÂM.  DEP.  Deputados; CÂM. DEP.  Deputados brasileiros.  Repertório (1975-1979); Jornal do Brasil (18/11/74; 9/9/76 e 7/6/77); NÉRI, S. 16;  Rev.  Arq.  Públ. Minei­ro (12/76); TRIB.  SUP.  ELEIT.  Dados (9).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados